segunda-feira, 17 de julho de 2017

MORUMBI NA QUARTA.

Quarta-feira tenho transmissão pelo Premiére.

Morumbi.
Décima quinta rodada do Brasileiro.
21:45

São Paulo x Vasco é o jogo que mostraremos.

Estarei na jornada com Wagner Vilaron, André Hernan, Pedro Mota e grande equipe.

Uma boa semana a todos.

terça-feira, 11 de julho de 2017

EDUARDO LUIZ, O LIGEIRINHO.

Por mais que queiramos entender que a MORTE é apenas da matéria, pois esta é perecível, quando surge a notícia da partida de um amigo dói o coração.

Eduardo Luiz, o Ligeirinho, deixa o mundo terreno depois de 71 anos de caminhada.

Conheci Ligeirinho ainda na rádio Gazeta de São Paulo quando lá cheguei em 1976.
Ele se revezava no plantão informativo e nas reportagens ainda se iniciando.

Simples de coração, porém sempre empenhadíssimo como repórter, apurador de fatos.

Ganhou o apelido de "ligeirinho" pois era só um jogador se machucar que lá estava ele em desabalada carreira para saber o que se passava.
* naqueles tempos o repórter tinha essa liberdade nas laterais do gramado.

Chegava sempre antes que os outros.  Rápido, ligeiro, priorizando a informação.

Vim depois a trabalhar com ele na rádio Bandeirantes, inicio dos anos 80.

Dileto amigo, companheiro, batalhador incansável na carreira.

Fez seu nome do rádio e constituiu família linda.
Seu filho, Marcos Luís, é brilhante repórter também, atuando hoje na Bandeirantes/Campinas, tendo passado por vários prefixos da Capital.

Ligeirinho, apelido carinhoso dado por Fiori Gigliote nos tempos de Band, deixa legado valioso para o rádio esportivo e principalmente para a sua família, rica em honestidade, ética e amor ao próximo.




quarta-feira, 5 de julho de 2017

SARRIÁ 82

35 anos da eliminação do Brasil na Copa da Espanha.

Uma das maiores decepções do torcedor brasileiro na história.
E foi decepção também para os admiradores do futebol-arte em todo o mundo.

Naquele Mundial eu estava na Espanha trabalhando pela rádio Bandeirantes/SP.
E naquele dia em que Brasil e Itália se enfrentaram acompanhei o jogo no saguão do hotel em Madri juntamente com dezenas de jornalistas estrangeiros.

Quando a Itália fez o terceiro gol ( nos 3 a 2 ) e decidiu a classificação, foi marcante a reação dos colegas estrangeiros.   Parecia que todos eram  brasileiros e fanáticos.
Vibrando a cada lance do time brasileiro na partida, os jornalistas gringos não se conformaram com a derrota canarinho.

Encerrada a partida ouviam-se deles as seguintes colocações:  "acabou a Copa"...."o Mundial não terá mais graça"...."Morreu o futebol-arte".......e por aí muito mais.

Para mim foi a maior constatação de que realmente naquela Copa o Brasil encantou todo o planeta amante do futebol.

Particularmente, encerrada a partida peguei o rumo da famosa Gran Via em Madri e andei, andei, andei, por cerca de 2 horas.
Sem destino.
Ainda sob o impacto da tristeza e da frustração.

Voltando ao hotel o saguão ainda fervia e o assunto não podia ser outro.

Nosso colega comunicador da Bandeirantes, o incrível Ney Costa, tão desiludido ficou que partiu para o aeroporto e embarcou no primeiro voo para o Brasil, ainda sem concluir seu trabalho diário de programa na emissora.

Ruiu todo o encanto de uma cobertura de Copa do Mundo ali naquele momento.

Seguimos o nosso trabalho, é claro, mas o clima de velório imperou na sequencia.

Grandes seleções brasileiras encantaram o mundo, como as de 1958, 1962 e 1970, mas aquela de Telê Santana de 1982 nada ficou devendo em termos de espetáculo, técnica, brilho.

Para muitos, faltou TUDO, faltou o título.
Mas até a eliminação deu demonstração clara do quanto esse esporte é lindo e pode ser praticado com classe e primor.






SANTOS x SÃO PAULO, DOMINGO.

Volto a cumprir escala no final de semana.

Domingo, 7 da noite, Santos x São Paulo na Vila Belmiro.
Rodada 12 do Brasileiro.

Transmissão pelo Premiére.

Estarei com Wagner Vilaron, André Hernan, Pedro Mota, Serginho Mourad e Conrado Santana, mais dezenas de profissionais envolvidos na jornada.

Um dos mais importantes clássicos do futebol paulista/brasileiro.

terça-feira, 4 de julho de 2017

LUCIANO - 70 ANOS.

Fiz a lembrança em meu facebook que neste 4 de julho de 2017 o sempre querido amigo LUCIANO DO VALLE estaria completando 70 anos de vida terrena.

Além de ter sido o responsável por me colocar em definitivo na narração pela TV - pois até então eu era da rádio Bandeirantes e apenas fazia algumas coisas pela televisão - Luciano foi um dos comunicadores que nasceram no rádio de Campinas.

Minha passagem pelo rádio campineiro foi entre 1974 e meados de 1976.

Trabalhei na Brasil, "a Campeoníssima", como era chamada a emissora da família Pedroso.

Sérgio José Salvucci era narrador e o diretor da equipe, um nome consagrado na cidade.
Geraldo Carrera era outro narrador de peso do time Brasil.
E eu, garoto, aprendi muito com todos eles.

Ali convivi com grandes profissionais e companheiros, como José Lamanna, Cláudio Grillo, Sérgio Jorge, Renato Silva, Valdenê Amorim, Durval Biondi, Jaime "Tiririca"Ginez, Edmo Aleixo, Branchina ( o italiano ) e tantos outros.  
Certamente a memória me trai quanto a nomes e colegas da época aqui não citados.

Depois José Sidney, o Bolão, foi contratado para reforçar o time de narradores.

Conto isso para dizer que o rádio campineiro sempre promoveu grandes profissionais e que depois muitos deles foram brilhar na capital paulista.

Luciano do Valle é um deles.
Alfredo Orlando, um locutor de primeiríssima qualidade.
Oliveira Andrade, Renato Otranto, Osvaldo Luís, Alberto César, Carlos Batista, e muito mais.

E mais tarde outra lista enorme de profissionais que saíram do rádio campineiro, em gerações mais recentes.

O interior paulista sempre abriu espaços para comunicadores, que se destacaram e despertaram o interesse de importantes emissoras de São Paulo, capital.

Luciano, que completaria 70 anos neste 4 de julho de 2017, nos deixou em abril de 2014.

Além do profissional consagrado, renomado, além do grande empreendedor que foi, tinha um coração GIGANTE quando era chamado a estender a mão a alguém do meio.

Fui testemunha do quanto ele ajudou pessoas no tempo em que esteve à frente da Band.
Profissionais que estavam desempregados foram recolhidos por ele e integrados ao time do Show do Esporte.
Incluam-se nessa acolhida profissionais que estavam sem emprego, alguns até considerados seus desafetos, mas que seu coração gigante apagou, esqueceu, e os integrou à sua equipe.

Sempre vejo nas pessoas primeiramente o seu lado íntimo, sua integridade, antes do que representaram nessa ou naquela carreira.

Luciano como ser humano mais acertou do que errou.
Ninguém sai dessa jornada terrena com 100% de acertos.    Ninguém.
Que atire a primeira pedra quem está isento de falhas, erros e desatinos.
Mas ele tinha um lado humano muito forte.

Mesmo que alguns possam me rotular como suspeito, por ter sido um grande amigo dele, sempre que puder renderei homenagens a ele.