segunda-feira, 30 de março de 2015

SELEÇÃO BRASILEIRA.

Permitam uma pitadinha sobre Seleção brasileira de futebol.

É apenas uma observação que julgo interessante para refletir.

Nos amistosos pelo Mundo, quando os jogadores se reúnem no avião, depois no hotel e mal treinam, normalmente a crítica em virtude dos maus resultados se cinge ao aspecto do pouco tempo de trabalho do treinador com os atletas.

Agora com Dunga de volta à Seleção, nada mudou.
Os jogadores são chamados, se encontram na concentração, pouco treinam e os resultados estão numericamente excelentes: 8 jogos, oito vitórias.

E então vêm as perguntas?

O que mudou?
É o "dedo" do novo treinador?
Os jogadores estão mais dispostos a jogar?
As convocações têm sido mais acertadas?
Ou o futebol "é assim mesmo"?

É um tema que julgo legal analisarmos.

Claro que cada um deve ter um enfoque sobre a questão, mas não deixa de ser intrigante o que está acontecendo - positivamente - com a nossa Seleção.

E em resumo, não é fácil no futebol se detectar onde está o X do problema e onde o sucesso realmente está localizado?




sexta-feira, 27 de março de 2015

A FESTA DE ALEX

A escala me coloca neste sábado no jogo/homenagem a Alex.

Será às 9 da noite na Arena do Palmeiras, ao vivo pelo Sportv.

Teremos a festa reunindo o Palmeiras-1999 enfrentando os Amigos do Alex.

Alexsandro de Souza é o nome dele.
37 anos.
Mais de 400 gols na carreira.
Coritiba, Palmeiras, Flamengo, Cruzeiro, Fenerbace, Parma.....
E Seleção, onde atuou em 68 jogos.

Foi campeão brasileiro, da Libertadores, Mercosul, Copa do Brasil, Mineiro, Paranaense, e também a Copa América em 1999 e 2004 pela Seleção.

Numa das vezes em que jogava pelo Palmeiras ( passou três vezes pelo clube ) lembro de uma passagem marcante de Alex.
Num clássico no Morumbi diante do São Paulo, a arbitragem assinalou um pênalti à favor do Verdão e num lance com ele, Alex.

Pênalti marcado, gol feito.

Na saída de campo, Alex entrevistado confessou que "não havia sofrido" o pênalti.
Foi autêntico, honesto, sincero.

No dia seguinte foi duramente advertido por um dirigente do Palmeiras, por ter declarado que o pênalti marcado não existira.

Sempre o admirei, não só pelo exuberante futebol que sempre jogou, mas pela sinceridade e autenticidade nas declarações.
Um cara de opinião.
De personalidade.

Neste sábado ele recebe todas as homenagens do Palmeiras, merecidíssimas.

Estarei nesse trabalho deste sábado com os amigos Mauricio Noriega, Juliano Belletti, André Hernan, Alexandre Oliveira e grande equipe na nova casa do Palmeiras.


quarta-feira, 25 de março de 2015

PONTE x SANTOS, AO VIVO !!!

Nesta quinta-feira cumpro escala em Campinas.

Jogo ao vivo pelo Sportv, 9 da noite, décima-segunda rodada do Paulistão.

Ponte x Santos.

Macaca perto da vaga e o Peixe classificadíssimo, sem perder há 14 jogos.

Estarei na transmissão com Juliano Belletti, Felipe Diniz e Joanna de Assis.

Esse confronto é bem antigo, existe desde 1926.
Quase 89 anos de história.

Já aconteceram 121 jogos entre esses dois alvinegros.
A vantagem é do Santos, com 68 vitórias.
A Macaca derrotou o Peixe em 30 oportunidades.
23 empates ao longo desses anos todos.

Nas últimas 4 partidas entre as duas equipes em Campinas, nenhuma vitória do alvinegro praiano.
A última vez foi em 2009.

A Macaca está de volta à série A do Brasileiro e estreará dia 10 de maio em Porto Alegre pegando o Grêmio.

Já o Peixe estreará diante do Avaí em Florianópolis, também no dia 10 de maio.


segunda-feira, 23 de março de 2015

A SEMANA !!!

Uma boa semana, ótimo Outono pra todos.

Minha semana de transmissões começa na terça.

Superliga feminina, quartas-de-final, Pinheiros x Osasco, 20:30, jogo 2 do confronto.
Na primeira partida deu Osasco, 3 a 0.
A série é melhor de três partidas.
Estarei nessa com Marco Freitas, Alessandro Jodar e Felipe Brisolla.

Quinta irei a Campinas.
Paulistão.
Ponte x Santos, 9 da noite.
Com Belletti, Felipe Diniz e Felipe Brisolla.

Sábado transmitirei pelo Sportv o jogo em homenagem ao meia Alex.
Será uma Seleção do Palmeiras de 1999 jogando com amigos do agora ex-jogador.
O jogo festivo está marcado para as 9 da noite na Arena do Verdão.
Nessa com Mauricio Noriega, Belletti, André Hernan e Anselmo Caparica.

E domingo vou a Bragança Paulista.
Bragantino x Corinthians, 4 da tarde, ao vivo pelo Premiére.



quarta-feira, 18 de março de 2015

ESCALAS - VÔLEI E FUTEBOL.

Minhas escalas de trabalho na semana.
                        
Na sexta-feira estarei em São Caetano do Sul, região do Grande ABC.

Quartas-de-final da Superliga feminina começando com S.Caetano x Rio de Janeiro.
Série melhor de três partidas.
Primeiro jogo no ABC, segundo e terceiro(se necessário) no Rio.

S.Caetano x Rio vai começar às 21:30 de sexta-feira com transmissão ao vivo do SPORTV.
                                                
-/-/-/-/-/-/-/-/-/

Sábado vou a Taubaté.
Fase semifinal da Superliga masculina começando.

O time da casa pega o SESI/SP às 21:30 e também ao vivo no SPORTV.

Primeira partida em Taubaté, segunda na Vila Leopoldina e terceira(se preciso) no Vale do Paraíba.
-/-/-/-/-/-/-/-/-

Domingo estarei em transmissão pelo Premiére.
Capivari x Corinthians, 4 da tarde, em Capivari.

Enquanto o alvinegro está tranquilo e classificado para as 4as de final do Paulistão, e também preocupado com a Libertadores, a equipe do Capivariano briga por vaga no grupo.

Nessa transmissão estarei com William Machado nos comentários e Alessandro Jodar nas reportagens.


terça-feira, 17 de março de 2015

MOMENTO DIFÍCIL, E DE ESCOLHAS.

Fica difícil escrever ou falar de esporte neste momento que vive o nosso País.

A situação é tão grave e preocupante diante de tudo o que ocorre em termos de corrupção e desmandos, que o esporte se encolhe à sua relativa significância.

Mas como nada pode parar, e o Brasil - povo - já enfrentou crises graves em outras épocas e superou, o jeito é ir em frente, com fé e esperança de dias melhores.

Mais uma vez quem irá tirar o País desse buraco em que ladrões e políticos o meteram, será o povo, que segue trabalhando e pagando impostos para grandes sacos sem fundos.

É uma pena que estejamos muito longe de entender o que é ser honesto, responsável e o que é amar e respeitar o País que nos acolheu nessa empreitada terrena.

Todos sabemos que a crise vivida é de índole, de caráter.  
A crise é do ser humano, é ética.
Moral.

Fossem todos as pessoas sérias e responsáveis e todas as leis básicas já bastariam.

Fossem os Governos éticos e respeitadores do povo, e tudo caminharia sem tropeços e atropelos na ordem social.

Que as leis precisam ser recicladas em razão desse destempero geral das comunidades, é fato, mas quem provoca essa necessidade de mudança é o próprio HOMEM.

Sabe-se que o planeta está vivenciando era de transição e que as ocorrências do cotidiano têm fundamento, em razão da parca evolução de quem por aqui está habitando, mas sabe-se também que a Lei Maior é justa e implacável.

Não há efeito sem causa.

E os causadores são responsáveis pelos seus atos.  Sempre foram e sempre serão.

Ninguém ficará impune às atitudes nefastas ao próximo e aos semelhantes.

Bobagem nossa achar que podemos cometer as mais incríveis barbaridades - e as mais insignificantes também - sem que o Grande Sistema Cósmico esteja registrando.

Tudo se registra.
Tudo se documenta.
Nada escapa aos Olhos Maiores do Universo.

Por isso, quem promove os males terá essa conta a ser paga lá na frente.
Quem só pratica o bem, respeita as leis e o próximo, terá bônus a seu crédito.

Ingenuidade nossa achar que NADA DISSO EXISTE e que o jeito é ir em frente, barbarizando e agredindo a ética e aos bons costumes de civilidade.

Mas quem quiser pagar para ver, que fique à vontade.

As escolhas são LIVRES.

Tudo tem um preço.

E os valores somos nós que escolhemos.

E que "lá na frente" não precisemos chorar, lamentar, ou ranger os dentes.













quinta-feira, 12 de março de 2015

GOSTAR, APRECIAR, SEM PASSAR DO PONTO.

Todo esporte, na sua essência, ainda não foi bem compreendido por muitas pessoas.

Estou me referindo ao esporte competitivo, aquele que é feito por profissionais e que movimenta torneios e mais torneios pelo planeta.

Inclua-se aqui o aspecto capitalista, financeiro, é claro.

De há muito tempo o esporte virou um meio de vida.
Nada contra isso, evidentemente.

Quem treina, se especializa e se compromete a dar espetáculo, precisa de tempo exclusivo para a preparação e por isso ser remunerado.

Mas na verdade meu foco principal é falar daqueles que gostam e assistem às grandes disputas.
Falo do espectador, do torcedor, do aficionado.

Ainda que a meta de toda competição seja a vitória, o sucesso, é preciso raciocinar na base fundamental de qualquer modalidade, qual seja a de COMPETIR.

Sempre haverá um ganhador, um perdedor por consequência, e aí está o espírito principal da coisa.

Por mais paixão que haja, é razoável que se aceite o momento da derrota.

É inteligente que se entenda o desfecho das competições e especialmente a origem de tudo:  respeitar os resultados técnicos e respeitar o vencedor.

Nunca se exigiu tanto que o fair-play seja posto em prática, em razão da onda forte de violência que envolve o planeta. 

Agredir, matar, ameaçar, por causa do esporte são ações totalmente incompatíveis com os fundamentos do esporte, além é claro da imbecilidade da atitude.

O grande barato ( e inteligente ) é levar o esporte numa boa.  Levemente.  Gozar os adversários e saber receber as gozações.  Sempre será um dia da caça e outro do caçador.

Ter equilíbrio é o grande lance.
Raciocinar, acima de tudo.
Agir com a inteligência que nos foi concedida.

Com esse meu enfoque não anulo - é claro que não - as discussões naturais, os pontos de vista sobre resultados técnicos, as críticas e tudo mais.

Tudo é válido, desde que não passe dos limites da razão e do respeito ao semelhante.

E aqui não se trata de nenhuma lição de moral, mas de algo a ser pensado, refletido, discutido.

O mundo está muito violento e nenhum de nós quer que alguém querido seja vítima da irracionalidade em função de qualquer esporte.

E se continuar assim, TODOS seremos alvos em algum momento.

O esporte é para divertir, descontrair, entreter.

Nada mais do que isso.