quarta-feira, 16 de abril de 2014

SANTOS x MIXTO HOJE NA VILA

Hoje, quarta, vou à Vila Belmiro.

Santos x Mixto de Cuiabá, 10 da noite, Copa do Brasil, valendo passagem para a próxima fase da competição.
No primeiro jogo na Arena Pantanal foi 0 a 0.

Estarei na jornada com os amigos Wagner Vilaron, Fabiola Andrade, Thiago Crespo, Léo Taunay e Juliana Mattos.

A transmissão é do Sportv-3.


segunda-feira, 14 de abril de 2014

A TÉCNICA NO FUTEBOL

Sempre achei muito questionável a análise do "aspecto técnico" de uma partida de futebol.

Já cheguei a ouvir logo após um 5 a 4 que o jogo não agradou "tecnicamente".
Com nove gols anotados será que o torcedor deixou o estádio se preocupando com o aspecto técnico?

Acho também que a análise técnica de um jogo é muito superficial, além de depender bastante da boa vontade de quem avalia.

Vejo jogos internacionais sofríveis onde os comentários são amenos nas críticas e até com alguns elogios.
Hoje em dia é comum apreciar-se mais os campeonatos europeus do que os nossos.

Ainda estamos devendo - e muito - no aspecto organizacional e tudo mais, isso é indiscutível, mas temos grandes jogos, belos espetáculos por aqui.
Repito: falta-nos boa vontade em elogiar partidas e os nossos atletas.

Parece até que algumas pessoas sentem receio de elogiar, pois estariam sendo confundidas como chapa-branca ou puxa-saco das entidades que promovem os campeonatos.

Ouvi certa vez de um colega influente na mídia que se elogiasse o Brasileirão estaria enchendo a bola da CBF.    Vejam o absurdo constatado.

Imprimo esse comentário hoje em cima das decisões dos estaduais pelo Brasil, onde não faltaram emoções.   E com a maioria dos estádios recebendo grande público.

Perguntem a qualquer italiano se aquela conquista da Copa de 1982 não teve graça, só porque o Brasil "tecnicamente" foi superior a Azurra?

Claro que é tudo questão de ponto de vista, no futebol e na vida é assim, mas me apego ao tema de que o torcedor comum quer "jogo jogado", com gols, viradas, correria, empenho dos jogadores, as rivalidades domésticas e etc.

Evidentemente que se tivermos um 5 a 4 com uma qualidade técnica exuberante, ótimo. Mas nem sempre é assim que funciona.

Nem nos tempos de Pelé tínhamos TODOS os jogos maravilhosamente sendo disputados e com técnica perfeita.
Naquele tempo também havia mediocridade, peladas, pernas de pau.
Eu presenciei, vivenciei, sou testemunha.

Nos anos 60, só como exemplo, aqui no Brasil, poucas equipes eram "tecnicamente" extraordinárias.  Contavam-se nos dedos os times brilhantes nesse aspecto, como também ocorre hoje no badalado futebol europeu.
Salvam-se poucos com técnica refinada.

Escrevo o tema, também porque vai começar o Brasileirão e de todos os certames nacionais é o que mais gosto de ver.
Minha intimidade é com os clubes do meu País.
Não consigo me relacionar sentimentalmente com equipes de outras nações.
Me desculpem, mas é a minha maneira de ser.

Respeito todos os gostos, é claro, mas me permitam externar o meu, que é pelo futebol brasileiro e suas competições diversas.

E com o detalhe: sejam os jogos BONS ou não, no aspecto TÉCNICO.

Não sou exigente.













sábado, 12 de abril de 2014

FIM DE SEMANA

Depois de transmitir na sexta-feira o jogo entre Osasco x Sesi pela Superliga feminina, descanso neste fim de semana.

Voltarei às transmissões na quarta-feira pela Copa do Brasil.

Santos x Mixto(Cuiabá) às 10 da noite ao vivo do Sportv-2.
A primeira partida foi 0 a 0.

E, depois, transmitirei Internacional x Vitória, abertura do Brasileirão.
Sábado, dia 19, no Beira-Rio.
Ao vivo pelo Sportv.

Vamos ficar de olho nos acontecimentos deste final de semana com as decisões pelos estaduais e aguardar a entrada da nova semana.







quarta-feira, 9 de abril de 2014

COMENTÁRIOS NO BLOG

Recebo às vezes alguns cutucões sobre o por quê deste espaço (blog) não tecer muitos comentários à respeito do futebol, ou dos esportes em geral, afim de gerar discussões e debates.

Já fiz isso "lá longe"......

Mas confesso que desisti de me aprofundar nas análises em razão das reações truculentas e desrespeitosas com que me deparei várias vezes.

Infelizmente para muita gente o debate tem de ser áspero, belicoso, viril.   E não é assim que eu penso.   Gosto da troca de opiniões, de idéias.   Mas algo do gênero "pouca educação" me deixa triste e me faz abandonar o campo das discussões, ainda que em prejuízo daqueles que sabem argumentar ( e que são muitos, felizmente ).

Agressões por conta de idéias divergentes ocorrem à todo momento nas redes sociais.
E é profundamente lamentável que isto aconteça.
Toda e qualquer discussão é saudável, necessária, desde que seja respeitosa, honesta.

Privo neste espaço as pessoas inteligentes e que sabem debater, exatamente por conta do que estou relatando acima.
Peço desculpas, mas não tenho mais idade para me torturar com absurdos de pessoas em desequilíbrio emocional.

Saber discutir, debater, é para poucos, é a conclusão a que chego.   Infelizmente.
Digo infelizmente, porque o Brasil nunca precisou tanto de debates para sair do caos social e político em que se meteu.

Portanto, pessoal, vou continuar mantendo o blog e seguir colocando nele homenagens a esportistas e amigos que mereçam, além das minhas escalas de trabalho.

Mantenho as escalas neste espaço porque quando parei de divulgá-las houve um apelo de várias pessoas para continuar.  Por isso e em respeito aos telespectadores do canal Sportv manterei a divulgação das transmissões às quais for indicado.

Agradeço pela possível compreensão de todos.






domingo, 6 de abril de 2014

SEMANA DE SUPERLIGA

Semana começando, repercussão dos jogos pelas finais dos estaduais fervendo....

...e de minha parte sigo acompanhando a Superliga.

Nesta terça transmito Campinas x Rio de Janeiro, a grande rivalidade, valendo pela primeira rodada das semifinais da competição.

Primeiro jogo em Campinas, o segundo no Rio e se necessário for, a terceira partida acontecerá novamente em Campinas.

Nesta terça, dia 8, estarei com Nalbert, Joanna de Assis, Marina Izidro e grande equipe à partir das 9 da noite, ao vivo do ginásio do Clube Concórdia.

O jogo vai começar às 21:30.   Ao vivo no Sportv e PFC Internacional.

E na sexta-feira vou a Osasco.
É a outra semifinal entre o time da casa e SESI/SP.
Esta partida também terá transmissão ao vivo do Sportv e começará às 21:30.

Boa semana pra todos!!!!!




quinta-feira, 3 de abril de 2014

SUPERLIGA NESTA SEXTA

Sigo nas jornadas pela Superliga.

Nesta sexta-feira transmito Sesi x Praia Clube(Uberlândia) ao vivo do ginásio Marcelo de Castro Leite, Vila Leopoldina, São Paulo/capital.

É o terceiro jogo da série pelas quartas-de-final.   
Quem vencer irá pegar Osasco nas semifinais.
Osasco tem a melhor campanha, invicto há 28 partidas.

O jogo desta sexta vai começar às 21:30 e com transmissão ao vivo do SPORTV.

Estarei na jornada com Marco Freitas(comentários), Anselmo Caparica(reportagens), Léo Taunay e Manoela Ache(coordenação) e a geração no local da produtora D2.
A retaguarda é Globosat-Rio de Janeiro.

Várias campeãs olímpicas em quadra.    Alto nível.       

Galera do vôlei convidada a assistir.




quarta-feira, 2 de abril de 2014

HISTÓRIAS E REGISTROS

Me lembro quando cheguei para trabalhar no rádio paulistano em 1976.

Tinha mais ou menos 7 anos de carreira, tendo começado em Americana e passado pelo rádio de Limeira e Campinas.

Tímido, assustado com a grandiosidade da grande imprensa, cheguei no prédio da Fundação Cásper Líbero na avenida Paulista e entreguei minha Carteira Profissional ao departamento pessoal da empresa.

A TV Gazeta na época tinha uma Mesa Redonda às segundas-feiras que era um sucesso de audiência.  Comandada por Milton Peruzzi ( chefe da equipe ), tinha Peirão de Castro, Rubens Pecce, Paulo Vitor, Dalmo Pessoa, Geraldo Blota, José Italiano, Roberto Petri, Raul Valle...

Como num teste de fogo, a produção do programa resolveu me colocar entre as feras para que Peruzzi me anunciasse como o novo integrante do time da rádio.

Com a voz trêmula agradeci ao comandante pela oportunidade, à Casa de Cásper Líbero, e ali em julho de 1976 iniciava minha caminhada na imprensa da Capital.

Se até nos dias de hoje não gosto de participar de "mesas redondas" com debates e tudo mais, imaginem tomando assento num programa de grande audiência, chegando à São Paulo, aos 27 anos de idade?    Foi uma tortura.

Minha primeira transmissão foi na Rua Javari num sábado à tarde, Juventus x Ponte Preta.
Ao meu lado comentando estava Galvão Bueno e nas reportagens José Isaias e Gerson Araújo.
* Galvão começou como comentarista a sua carreira na Gazeta.

Conto a história para ressaltar que muitas pessoas da equipe me ajudaram na adaptação, mas como ocorre em todos os lugares ( lamentavelmente ) alguns me ignoravam e rotulavam de mais um "caipira" que chegava.
Enfrentei muitas "caras feias" no dia a dia da redação.

Confesso que por vários meses ( os primeiros, principalmente ) pensei seriamente em voltar para o Interior e para a minha cidade, dada à dificuldade de adaptação ao Grande Centro.

Roberto Petri e Galvão foram os que praticamente "me contrataram" pois as gravações de jogos feitos por mim eram todas reprovadas pelo Peruzzi.   O chefe não gostava do meu estilo de narrativa e tinha todo o direito, evidentemente.

Mas Petri e Galvão insistiram tanto com Milton que acabei tendo a chance.
Venceram o chefe pelo cansaço e também pela necessidade de mais um locutor.

Passou um tempo e Peruzzi deixou a Gazeta.   Tentou montar uma equipe em rádios da Capital para acompanhar exclusivamente o Palmeiras ( time do seu coração ) e me convidou para integrar a equipe.   Mas não pude atende-lo pois estava de saída para a rádio Bandeirantes.

São quase 38 anos da minha ida para a Gazeta.
Em 1980 me transferi para a Bandeirantes(rádio) e à partir de 1983 na TV Band.

Encerrei minha jornada na Band em janeiro de 1999 e em março do mesmo ano fui para o canal Sportv.

Dizem que quando começamos a contar histórias é porque começamos a sentir efetivamente a passagem do tempo.  
Reconheço que é a pura verdade, embora seja muito gostoso relembrar.


Histórias e registros.