segunda-feira, 1 de setembro de 2014

GALO x PALMEIRAS EM BH

Quinta-feira vou a Belo Horizonte.

Copa do Brasil, jogo que vai definir o classificado entre Atlético e Palmeiras para as quartas-de-final.

Transmissão do SPORTV e PFC INTERNACIONAL às 8 da noite.

Quem passar irá pegar Corinthians ou Bragantino, que se enfrentarão um dia antes.

Estarei no estádio Independência com Wagner Vilaron, Belletti, Felipe Diniz e grande equipe de geração, produção, coordenação e apoio.




sábado, 30 de agosto de 2014

É PRECISO COMBATER ENERGICAMENTE.

Há muitas coisas repugnantes na vida.
Muitas.
Ainda estamos em processo de aprendizagem, social, moral e ética.
Os erros humanos até que são compreensíveis, exatamente por estarmos ainda aprendendo a viver e a conviver.
Mas as repreensões e punições fazem parte do processo e precisam ser fortes, enérgicas.

Os fatos de racismo e qualquer outra discriminação necessitam de mão forte punitiva aos seus praticantes, para corrigir e para exemplificar aos demais seres humanos.

No futebol ocorre algo interessante e é certamente objeto de estudos por parte dos profissionais da área da psicologia.
O cidadão à partir da sua entrada em um estádio parece receber um alvará amplo para agir totalmente livre de métodos éticos e morais.
Ele se transforma e pensa estar imune a qualquer punição da lei.

Quantas pessoas conhecemos que no cotidiano agem com lhaneza de conduta, são profissionais bem sucedidos, excelentes chefes de família, mas que ao adentrar um estádio se transfiguram de maneira até assustadora.

As injúrias raciais continuam acontecendo.   No Brasil e fora dele.
A herança cultural de muitas pessoas sobre suposta superioridade a outras raças, por ser branco ou rico, é uma imbecilidade que precisa ser combatida.
Nesse ponto invoco a possível carência de formação espiritual/religiosa.
Somos filhos do mesmo Universo.
Corre em nossas veias sangue da mesma cor.
A pele é decorrência exclusiva da miscigenação, da mistura de raças.   Só isso.

Por tudo isso é que precisamos combater energicamente toda manifestação que agrida, ofenda, pessoas que tragam na pele esta ou aquela cor.
Assim como também as diferenças de crenças, credos e por aí vai.

Em resumo, precisamos CRESCER.

E as punições são indispensáveis, ainda que entidades ou agremiações sejam arroladas no processo, para quem sabe inibir futuros contraventores. 



sexta-feira, 29 de agosto de 2014

CORINTHIANS x FLUMINENSE.

Neste domingo estarei em Itaquera.

Às quatro da tarde tem Corinthians x Fluminense pelo Brasileirão.
Penúltima rodada do primeiro turno.

Transmissão do Premiére Futebol Clube.

Estarei com Belletti, Joanna de Assis e Thiago Crespo.

Estaremos à disposição do programa TÁ NA ÁREA do Sportv desde às 15 horas.


terça-feira, 26 de agosto de 2014

ADEUS GIOVANNI BRUNO!!!

De repente fico sabendo da morte (física) de GIOVANNI BRUNO.

Um vencedor na vida, em todos os sentidos.
Chefe de família, empresário, amigo, conselheiro, em tudo ele brilhou.

Que coração doce o de Giovanni.

Eu o conheci no final dos anos 70 quando fui levado a um restaurante de sua propriedade.
Daquelas cantinas aconchegantes, um pedaço da Itália em São Paulo.
E a comida.......
Ah, a comida.  Divina, irresistível.

Mas a história de signore Bruno no Brasil começou em 1950 quando aqui chegou.
Com a Itália no pós-guerra, ele decidiu viajar e buscar vida nova.
Ainda jovem, cheio de saúde, veio com todo o gás.

Começou como garçom, morou em cubículos, passou por necessidades básicas, mas fruto de suas virtudes pessoais e da força de vontade, tempos depois comprou o restaurante em que trabalhava como empregado.
Transformou-se em uma importante personalidade da noite paulistana com seu carisma, suas especialidades italianas e muito sangue nas veias.

Gente badalada passou a frequentar sua cantina e aos poucos todos foram conhecendo aquele italiano puro, doce, amável, educado, um gentleman.

Mas à par de seu sucesso como homem de restaurantes e da magnífica cozinha italiana, ele trazia no coração o seu amor pelo Nápoli, apegando-se fortemente às cores da Sociedade Esportiva Palmeiras.

Tive a honrosa oportunidade de participar com ele das transmissões do campeonato italiano pela TV Bandeirantes à partir de meados dos anos 80. 
Giovanni, convidado de Luciano do Valle para dar o "toque" italiano às jornadas, acabou agradando a todo mundo com sua simplicidade e simpatia nas palavras.

Generoso e carinhoso como era, todos os domingos chegava à Bandeirantes com potes e pacotes de produtos da sua cantina, especialmente para presentear os colegas e amigos.

Em 1996 fui presenteado por ele com o livro "...Aos Nossos Momentos", uma espécie de biografia da sua vida, escrita por um amigo, Angelo Iacocca.

Uma história linda, rica de amor e generosidade.
Um homem de família.
Totalmente voltado para o bem.

Mas hoje, terça, dia 26 de agosto, recebo a notícia do seu falecimento em São Paulo.

Confesso que já há algum tempo me perguntava como estaria o amigo Giovanni.
Soube, há 5 ou seis anos atrás, de uma cirurgia cardíaca a que se submeteu, mas que recuperou-se muito bem.

Mas hoje a vida terrena do amigo se encerra.
Missão brilhantemente cumprida.
E ele falece no dia do centenário do Palmeiras, seu clube adotado aqui no Brasil em 1950.

Na Copa de 1990, Itália, fui com ele e Roberto Rivellino à Nápoles para transmitir um jogo do Mundial.  Fomos de carro, pois Giovanni quis passar pela sua cidade natal, Casalbuono, distante 120 km de Nápoles.  
Fui testemunha de suas lágrimas desde a entrada da cidade onde ele havia residido até os 18 anos de idade.
E no estádio San Paolo pouco antes da transmissão começar o sistema de som tocou O SOLE MIO.......
Demos as mãos nós três e choramos juntos...........





domingo, 24 de agosto de 2014

COPA DO BRASIL NA QUARTA.

Quarta-feira vou ao Pacaembu.
Copa do Brasil, rodada de ida.
Oitavas-de-final.

Transmissão do Sportv às 10 da noite.

Palmeiras x Atlético Mineiro.

Vou nessa com Wagner Vilaron, Felipe Diniz, Fabíola Andrade.
Coordenação de João Paulo Sucupira e Idival Marcusso.


terça-feira, 19 de agosto de 2014

CORINTHIANS x GOIÁS, QUINTA-FEIRA.

Minha escala de trabalho na quinta-feira é Corinthians x Goiás.

Brasileirão, décima sexta rodada.

Transmissão do Premiére Futebol Clube em Alta Definição.

O jogo vai começar às 19:30 na Arena Corinthians.

Estarei na jornada com William Machado, Felipe Diniz e a coordenação de Fred Chimelli e Leonardo Taunay.


segunda-feira, 18 de agosto de 2014

BOM SENSO EM TODOS OS SENTIDOS.

O movimento BOM SENSO é muito bom.

O futebol brasileiro está precisando - e faz tempo - de ordem, organização, uma forte correção na sua rota.

Os efeitos certamente serão benéficos e trarão resultados positivos.

Não é fácil o processo, sabemos, pois aqui no Brasil tudo "é muito difícil" de se mudar, mas uma comoção nacional é capaz de movimentar as classes e o próprio Governo.

Gostaria apenas de fazer uma observação e que não tenho notado nos papos e discussões.

Diz respeito ao comportamento dos ATLETAS ( e treinadores ) nas competições.

E um dos itens é quanto a respeitar as arbitragens, não só nos gestos e atitudes, mas também tendo um comportamento reto com a bola rolando, ou seja, evitando ludibriar o trabalho dos apitadores.

Se todo profissional em sua atividade tem de se comportar com a maior retidão possível, atuando corretamente e com ética, por que o jogador de futebol insiste em ENGANAR quem tem a missão de arbitrar o evento.

Sei que aparecerão aqueles que dirão ser o futebol ASSIM MESMO, que a malandragem faz parte desse esporte e etc etc etc......
Não concordo com isso.

Malandragem é malandragem.  Não é algo saudável, ético e sociável.

Se em nosso cotidiano condenamos a malandragem, no futebol não deve ser diferente.

Estamos num processo de tentar modificar o Mundo - ou o Brasil - e temos que atacar em todas as áreas.
Acho até que demos muita corda à pilantragem e por isso também o Brasil vive esse caos moral que tanto nos incomoda.

Por tudo isso entendo que o BOM SENSO deveria incluir em sua cartilha um modelo de bom comportamento aos atletas profissionais.
E se já incluiu, que se divulgue mais.

O futebol agradece.

A sociedade agradece.