quarta-feira, 30 de novembro de 2016

CUBA SEM FIDEL.

Fidel Castro morreu e eu estive apenas uma vez em Cuba.

1984.

Eu e o amigo Álvaro José fomos pela Bandeirantes transmitir o pré-olímpico feminino de basquete em Santiago de Cuba, cidade litorânea muito linda, conhecida como o Balcão do Caribe.

Muito comum ver golfinhos fazendo seus malabarismos por lá.   Vimos muitos deles.

Para nos locomovermos na ilha tínhamos um senhor motorista cubano de nome Cordoví.
Simpático, anfitrião carismático, um autêntico cicerone das belezas cubanas.

Alegre, falava bastante, mas quando o assunto era Fidel e o regime ele franzia a testa e se fechava hermeticamente.
Mas essa rigidez de Cordoví não durou muito tempo, pois na convivência diária conseguímos ganhar a confiança dele nos assuntos relacionados à vida em Cuba.

É claro que nem tudo era maravilhoso para ele e os irmãos cubanos.
Havia os pontos favoráveis, é claro, mas também os espinhos de uma ditadura.

Naquela oportunidade Cuba e Brasil não mantinham relações diplomáticas e só conseguimos o visto de entrada na Ilha através do consulado em Lima, Peru.

32 anos se passaram da nossa estada em Cuba e muita coisa mudou.

Agora com a morte de Fidel levanta-se novamente a dúvida sobre como ficará Cuba sem ele e com Donald Trump presidente dos Estados Unidos?

A verdade é que nenhuma população merece ser tratada como totalmente submissa ao seu Governo e engessada nas suas vontades políticas.

O povo vira escravo dos tiranos e isso é profundamente desrespeitoso, desumano.

Víamos nos olhos do humilde Cordoví o medo, a submissão, o pavor de ser apanhado agindo fora da cartilha da família Castro.

Que o povo cubano não continue sofrendo com o cerceamento de sua liberdade, que Trump seja humano nas relações com o País vizinho e que haja um racional entendimento com Raul Castro.

Se cada um ceder um pouco nas suas convicções e pensar humanisticamente o favorecimento recairá sobre o POVO.   

Reforço a tese simples de que se todos os governantes visassem exclusivamente o bem estar social e dessem prioridade humanística aos projetos, eles estariam cumprindo seus papéis e oferecendo condições básicas a seus conterrâneos.






















terça-feira, 29 de novembro de 2016

A DOR DA TRAGÉDIA.

Quanta dor.

Quantas lágrimas sendo derramadas incessantemente.

Que tragédia.

Quantos amigos e colegas tendo seus sonhos interrompidos, interceptados pelas mãos do imponderável.

Quantas famílias em desamparo afetivo nessa hora com a perda de entes muito amados.

Diretores, conselheiros, equipe de apoio, comissão técnica, jogadores, convidados, jornalistas e radialistas, todos levados de roldão pelas malhas do imponderável, que muitos chamam de Destino ou Determinismo, seja lá o que for.

Vidas perdidas.
Corações partidos.
Sonhos barrados de uma realização palpável.

Que choque saber dos amigos Deva, Mário Sérgio, Paulo Júlio Clement, Vitorino Chermont, Jumelo, Ari Júnior, os Guilhermes(TV Globo) e Caio Júnior.

Caio Jr. encerrou a carreira de jogador/artilheiro no meu Rio Branco de Americana em 1999.
Foi nessa época que passei a conhecer Caio em seu íntimo na sua personalidade, caráter, responsabilidade.  Ser humano do mais alto quilate.

Mário Sérgio foi meu companheiro de Band à partir de 1987 e depois de deixarmos a emissora fomos para o Sportv à partir de 1999.
Quem conheceu profundamente o Mário sabe do gigantismo de seu coração, apesar de sempre se mostrar brincalhão e gozador.
Fomos muito amigos, além de colegas de trabalho.

Vitorino Chermont.
Fomos companheiros de Sportv.
Fizemos muitas jornadas juntos.
Profissional dedicado, estudioso, um craque no "ao vivo" e de caráter irretocável.
Tinha muita admiração por ele.

Paulo Júlio Clement.
Fizemos muitos jogos pelo Premiére em transmissões ao vivo.
Jornalista com letras maiúsculas.
Cara de bom senso.
Um amigo dileto.

Jumelo, coordenador da Fox, me constrangia positivamente toda vez que nos encontrávamos pelas viagens e estádios.
Ele me abraçava, sorria gostosamente pra mim, dizia ser meu fã.  Fazia dos nossos encontros uma festa.
Alegre, competente, dedicado, chefe de família.    Avô recente.
Que pena.

Ari Júnior, repórter cinematográfico de primeira linha.
Quantas viagens.
Quantas jornadas.

Deva Pascovic  ( Devair Paschoalon ).
Que alma.
Que caráter.
Que respeito ao próximo ele nutria no coração.
Quantas pessoas ajudou, estendeu a mão.
Que comunicador extraordinário.
Nós o apelidamos de o Pavarotti da narração.
Além de profissional da comunicação e narrador consagrado no rádio e na televisão, Deva era um empreendedor nato.
Ganhou a batalha contra um câncer 10 anos atrás.   Foi um guerreiro contra a doença.
Quando cheguei ao Sportv em 1999 ele me recebeu como se eu fosse um irmão dele.
Nunca deixamos de nos corresponder, de nos comunicar.
Quando ele acertou para trabalhar na Fox conversamos muito no Pacaembu.
Ele relutava um pouco pois iria precisar morar no Rio de Janeiro.
Mas na Olimpíada me disse que já havia alugado um apartamento na Cidade Maravilhosa e que ia encarar mais esse desafio na vida.

Sei que é simples, mas engrosso o coro da solidariedade ao povo de Chapecó e às famílias enlutadas.

E aos que nos deixaram, a grande convicção de que nada termina com a morte física.

A matéria perece, mas a nossa essência cósmica ( a nossa consciência ) é extrafísica.  Essa é imortal.

Por isso reforço meus pedidos aos Amigos de Cima para que acolham esses irmãos que acabam de perder o corpo físico.
E já estão sendo amparados, COM TODA A CERTEZA.

Mesmo com essa compreensão é claro que a dor é grande pela separação física das pessoas queridas.
É legítimo sentir as dores das perdas, mas é importante também confiarmos na grandiosidade da Inteligência Maior.





















segunda-feira, 28 de novembro de 2016

O FUTEBOL EM SEU DEVIDO LUGAR.

Tem maior imbecilidade alguém cometer violência por causa de futebol?

Continuo me indignando com o desequilíbrio das pessoas em relação a questões futebolísticas.

Quanta falta de equilíbrio, discernimento, respeito e conhecimento do verdadeiro valor da vida.

Esporte é lazer.
É também competitivo, mas na sua essência ele existe para distrair, descontrair, espairecer, estabelecer um bem estar interior.

Perder ou vencer é consequência do embate técnico.

Nada mais do que isso.

Precisamos cada vez mais valorizar as nossas vidas e as vidas de nossos circunstantes, seja família, rol de amigos, ambiente de trabalho e etc.

É uma grande estupidez perder amizades, rivalizar com familiares e tudo mais, por causa de uma partida de futebol.

Quantos relacionamentos e vidas já foram perdidos por causa dessa grande bobagem.

Não consigo digerir o fato de pessoas abraçarem o futebol como a coisa mais importante.
Agir assim é desprezar bens muito mais valiosos, como a saúde, a família, o trabalho, a educação e a cultura.

Não é proibido gostar desse esporte e de uma agremiação.
É claro que não.

O que assusta é a prioridade total que se dá ao futebol e o quanto algumas pessoas se perdem no comportamento social.

Sei também o quanto é inócua e ineficaz essa abordagem nessa publicação, mas é quase impossível ficarmos calados diante de tantas atrocidades que assistimos cotidianamente.

Confesso que já desestimulei muita gente em relação a priorizarem o futebol em suas vidas.
Não é inteligente agir assim.

E é bom dizer que nas imbecilidades da violência em virtude do futebol todas as classes sociais são incluídas.
Com estudos ou sem estudos, com diplomas ou sem diplomas, o desequilibrio acontece.

O que posso dizer é que nos distanciemos daqueles que ofereçam perigo à nossa inteligência e à nossa integridade física.


















sexta-feira, 25 de novembro de 2016

ROGÉRIO CENI VAI DAR CERTO ?

A pergunta que mais acontece:  Rogério Ceni vai dar certo como técnico?

A resposta mais equilibrada:  Ninguém pode saber.

Futebol é a modalidade onde menos se pode cravar resultados.
Não basta conhecer a fundo as táticas do jogo e nem ter jogado muito.
A integração de ex-jogadores à carreira de técnico não é tão simples.

Manda a cartilha que todo ex-jogador deva estudar e fazer estágios antes de assumir equipe profissional.
Diz também que o ideal(?) é ele se iniciar nas categorias de base.

Se recorrermos a exemplos já vivenciados, teremos inúmeros casos de ex-atletas que deram certo como treinadores sem qualquer preparação na base e haverá os que estudaram, fizeram estágios e não obtiveram exito.

Aqui no Brasil sabemos da inquietude de torcida, imprensa e dirigentes, quando os resultados não ocorrem.
Pedimos por "tempo de trabalho" aos técnicos, mas a realidade sempre se impõe e com a pressão geral, nenhum treinador resiste.

Na Europa já foi diferente, mas também eles têm sucumbido às pressões e têm demitido treinadores com pouco tempo de trabalho.

Portanto, o caso de Rogério Ceni requer cautela na análise de projeção.
Ter prudência ao analisar o seu inicio de carreira é ser sensato.

Se a diretoria tricolor agiu por questões políticas ou não - haverá eleições em março - a verdade é que nem ela sabe se agiu acertadamente contratando o grande ídolo do clube.

Os cartolas do São Paulo fazem uma aposta.   E o próprio Rogério Ceni sabe disso.

Às vezes, e principalmente no futebol, ficar em cima do muro ( como se diz ) é ser prudente e respeitar as nuanças desse esporte imprevisível.

Estou aqui em cima do meu murinho só observando e preferindo aguardar a bola rolar para o Tricolor sob o comando de Ceni.

E isto não quer dizer que estou contrário à contratação.  Absolutamente.
Por natureza sempre torço para o sucesso de todos.
Todos tendo sucesso a paz se instaura.
E dela, a Paz, estamos todos precisando muito.







quinta-feira, 24 de novembro de 2016

FIM DE SEMANA.

Penúltima rodada do Brasileirão, momentos decisivos do campeonato, quanto ao título, vagas na Libertadores, Sul-Americana, rebaixamento e tudo mais.

Por mais que falem sobre a pobreza técnica do futebol brasileiro não há como negar que o campeonato está empolgante.

E entendo que é isso que vale para o torcedor.

Futebol bonito todos queremos, mas até nos badalados torneios europeus não vejo 100% de espetáculos.
Há jogos medianos tecnicamente lá também.
Aqui não seria diferente.

Paralelamente à Série A temos também as atenções voltadas para os momentos decisivos da B.
Duas vagas serão preenchidas no acesso.
Bahia, Náutico, Vasco, quem irá preenche-las?

No interior paulista teremos a decisão da Copa Paulista, uma competição de pouco brilho, mas que dá ao campeão vaga na Copa do Brasil de 2017.
A belíssima Arena Fonte Luminosa de Araraquara será palco da grande final.
Ferroviária e XV de Piracicaba frente a frente.

No primeiro jogo o alvinegro piracicabano aplicou 2 a 0 na Ferrinha.

Não tenho escala neste final de semana.





sexta-feira, 18 de novembro de 2016

CORINTHIANS x INTER, SEGUNDA-FEIRA.

O campeonato pode até ser decidido no final de semana, mas minha escala é para o último jogo da rodada, Corinthians x Internacional na segunda-feira.

O jogo é em Itaquera às 8 da noite.

Timão ainda com alguma chance de chegar entre os 6 primeiros e vaga na Libertadores, enquanto o Colorado se debate para permanecer na série A.

Jogo delicadíssimo para a agremiação gaúcha.

Estarei ao vivo no Sportv e Premiére e com os companheiros William Machado, André Hernan, Filipe Cury e grande equipe.




quarta-feira, 16 de novembro de 2016

ENCONTRO DE TRICOLORES.

Nesta quinta-feira vou ao Morumbi.

São Paulo x Grêmio pelo Brasileirão.

O jogo vai começar às 19:30 e terá transmissão do Premiére.

Estarei com William Machado comentando e as reportagens de Alessandro Jodar e Thiago Crespo.

Reta de chegada do campeonato.


segunda-feira, 14 de novembro de 2016

CHILE x URUGUAI, AO VIVO!

Rodada cheia das Eliminatórias nesta terça-feira.

Brasil em campo diante do Peru, mas o meu trabalho estará em Chile x Uruguai.

O jogo é no estádio Nacional de Santiago do Chile.

Vai começar às 21:30 e terá transmissão ao vivo pelo Sportv-2.

No primeiro turno foi 3 a 0 para os uruguaios.

Estarei na transmissão com os comentários de Raphael Rezende.

O Uruguai é o vice-líder e os chilenos começam a rodada na quinta posição.


sexta-feira, 11 de novembro de 2016

HOLANDA EM CAMPO NO DOMINGO.

Domingo tenho transmissão pelas Eliminatórias européias.

Luxemburgo x Holanda, quarta rodada.

O jogo é em Luxemburgo e num estádio acanhado que cabem apenas 9 mil pessoas.

Os holandeses, que não se classificaram para a Euro recente, tentam chegar a mais um Mundial.

Luxemburgo tem seleção fraca, limitada e que sabe serem reduzidíssimas as chances de chegar à uma Copa do Mundo.

O jogo terá início as 15 horas ( horário de Brasília ) e transmissão pelo SPORTV.

Estarei com Raphael Rezende nos comentários e a jornada será feita dos estúdios da Globosat/Rio de Janeiro.

No grupo temos Holanda, Luxemburgo, França, Suécia, Bulgária, Belarús.
As duas primeiras se classificam para a próxima fase.







SUPERLIGA NESTE SÁBADO.

Neste sábado às 21:30 transmito Superliga feminina pelo Sportv-2.

Jogo da terceira rodada.

Ginásio Marcelo de Castro Leite, na Vila Leopoldina, SP.

SESI enfrenta Osasco.

Grandes nomes em quadra, como Dani Lins, Camila Brait, Gabí, Bia, Tandara, Paula, Lorenne, Mayara e muitas outras.

Os treinadores, super competentes, Luizomar de Moura e Juba.

O time da casa ainda não venceu na competição: dois jogos, duas derrotas.
Já Osasco fez 3 partidas ( uma da quarta rodada ) e ganhou todas.

Estarei nessa com os comentários de Nalbert e as reportagens de Fabíola Andrade.





quarta-feira, 9 de novembro de 2016

BRASIL x ARGENTINA, E OS 7 A 1.

Acho que pouco escrevi sobre a goleada de 7 a 1 sofrida na Copa.
Já tivemos espaço de tempo superior a 2 anos da tragédia em Belo Horizonte.

Nesta quinta teremos a Seleção de volta ao Mineirão, porém com outros jogadores e alguns remanescentes daquela goleada para a Alemanha.

É claro que aquela derrota foi trágica para o futebol brasileiro e consequentemente para toda a torcida.

Mas é daqueles jogos que jamais se repetirão, assim como aquela derrota para a Itália em 82 na Copa da Espanha, onde o Brasil podia empatar e acabou perdendo, e onde tinha muito mais técnica e talento que os italianos.

Jogos totalmente atípicos.

Joguem novamente Brasil x Alemanha e com as mesmas formações, quantas vezes quiserem, que nenhuma goleada será registrada.

Goleadas previstas e dentro de alguma lógica ocorrem quando há um desnível técnico muito acentuado entre as equipes.

E entre Brasil e Alemanha jamais haverá uma grande supremacia técnica de alguém quando se enfrentarem.

Goleadas entre grandes equipes e grandes seleções são fortuitas.   Ocasionais.   Não acontecem a todo instante.

Os holandeses golearam a Espanha no Mundial e depois ficaram fora da recente Eurocopa.

São resultados esporádicos no contexto futebolístico.

Por tudo isso eu entendo que ser repetitivo nos 7 a 1 com a volta da Seleção ao Mineirão nesta quinta-feira para enfrentar os argentinos é bater numa tecla passada, superada e desnecessária.

Outro jogo, outra competição, adversário diferente e tudo mais.

Isso tudo não invalida a possibilidade de uma derrota para a Argentina agora, o que seria aceitável pela qualidade das duas seleções.
Eles nos vencerem aqui e nós vencermos em Buenos Aires ou qualquer outro local de lá, tudo absolutamente normal e natural.

Vale, sim, a indicação de um grande jogo e da grande expectativa pelo confronto.
Vale a forte rivalidade.
Teremos Messi e Neymar em campo.
O jogo tem de ser valorizado por esses ingredientes.

Os 7 a 1 já ficaram para trás.
Foi triste, decepcionante, impactante, sim foi.
Mas uma extrema obra da raridade no futebol quando duas seleções do porte de Brasil e Alemanha se defrontam.

















DUAS ESCALAS

Duas escalas de trabalho pro fim de semana.

Sábado Superliga feminina no ginásio Marcelo de Castro Leite, em SP.
SESI x Osasco pela terceira rodada.
Ao vivo no Sportv-2.
Estarei nessa com Nalbert e Fabíola Andrade.
8 e meia da noite.

Domingo Luxemburgo x Holanda pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.
3 da tarde.
4a rodada.
Transmissão dos estúdios no Rio de Janeiro.
Carlos Eduardo Lino nos comentários.


segunda-feira, 7 de novembro de 2016

A IMPLACÁVEL LEI DO RETORNO.

O destempero mundial nas relações está intenso.

Sempre houve desentendimentos, desta ou daquela natureza entre pessoas, povos e nações, e eles são positivos quando respeitosos, pois levam a conclusões boas para o progresso e em todos os níveis.

Quanta coisa melhorou no planeta depois de discussões, controvérsias, divergências e etc.

Não estou falando de guerras e muito menos de vandalismo, violência e matéria desse gênero.
Falo de embates inteligentes, técnicos e é claro cheios de boas intenções.

Transfiro isso tudo para o esporte, mais especificamente para o futebol.

A capacidade que esse esporte tem de mexer com as pessoas é algo notável.
Não sei qual o percentual, mas há os que entendem que é apenas uma modalidade esportiva e portanto sujeita a vitórias e derrotas.  É do jogo.
E há os que encarnam o futebol como a coisa mais importante de suas vidas.
Grande equívoco nesse caso.

Fico perplexo quando presencio atitudes irracionais em relação ao futebol.
Entendo que são vítimas da paixão, porém penso também que não é difícil discernir sobre o que representa uma partida de futebol em nossas vidas.
NADA.
Absolutamente NADA.

Seu time ganhando ou perdendo em nada irá interferir no seu dia a dia, quanto à responsabilidade de família, estudos, trabalho, saúde e tudo mais.

Gostar do jogo da bola é absolutamente legítimo.
Torcer ou ser apenas simpatizante desse ou daquele clube, também legítimo.
Vibrar com as conquistas, ótimo.
Entristecer nas derrotas, normal.

O que não se concebe é passar dos limites do bom comportamento.
Agredir, incitar, premeditar violência, compor grupos para embates físicos, tudo completamente condenável.

Nada é mais importante do que respeitar o semelhante, em seus gostos, preferências, opções.
Assim como gostamos de ser respeitados em nossas escolhas.

Mas sabemos que o mundo está povoado por mentes desequilibradas.
O planeta passa por transição e esses transeuntes do mal aqui estão por razões maiores que a nossa compreensão.
Nada passa despercebido pelos comandantes do Universo Inteligente.
Se temos dificuldades para encontrar aqui uma Justiça Plena a quem exerce atividades maléficas às comunidades, fica a certeza de que impunidade não tem vez no Plano Acima.
Todos somos responsáveis pelas nossas atitudes.

Nada escapa às "câmeras vigilantes" do Cosmo.
Imprimimos em nossas ações e atitudes a BOA ou a MÁ energia e isso fica impregnado no Universo.
E aí entra a implacável Lei do Retorno.
O que se produz, o que se dá, é o que se recebe.

Seja aqui, neste momento, ou DEPOIS.






domingo, 6 de novembro de 2016

PALMEIRAS x INTER, HOJE.

Hoje, domingo, Palmeiras x Inter, 5 da tarde, pela rodada 34 do Brasileiro.

Transmissão do Premiére à partir de 16:40

Jota, Noriega, Filipe Cury, Alessandro Jodar e grande equipe de trabalho.

Bom domingo a todos!!!!

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

O VÔLEI E O BOM ASTRAL.

Sempre vou para as transmissões do vôlei com o coração feliz.

O astral nos ginásios é espetacular.

As pessoas entram sorrindo, acompanham os jogos vibrando mas com total respeito aos adversários e às adversidades técnicas, e no final aplaudem os atletas seja qual for o resultado.

Isso é viver o esporte com inteligência, sabedoria e desfrutar dele com intensidade.

Quem perde não gosta, evidentemente, mas respeita o resultado e muitas vezes enaltece os méritos de quem ganhou.

Os vencedores comemoram efusivamente e muitas vezes ressaltam os valores do adversário que perdeu.

Não há brigas nas arquibancadas, ofensas verbais, nada.
Os torcedores entoam apenas cânticos de incentivo ao seu time.

A energia de um jogo de vôlei é fantástica.

Por tudo isso é gostoso trabalhar nessa modalidade.

Saímos das transmissões com a alma leve e com a consciência do dever cumprido.

Está começando mais uma Superliga e felizmente sigo sendo escalado nela.


terça-feira, 1 de novembro de 2016

VOLEI E FUTEBOL.

Se na sexta-feira volto ao trabalho narrando a Superliga em Osasco, no domingo estarei na partida Palmeiras x Internacional pelo Brasileirão.

Osasco e Pinheiros há poucos dias decidiram o título do Campeonato Paulista - deu Osasco - e agora se enfrentam pela 2a rodada da Superliga feminina.

Já no futebol, com todos os ingressos já comprados pela torcida, o líder do Brasileirão vai tentar se reabilitar diante do preocupado Inter com o risco de cair.

Nessa partida o Palmeiras cumprirá a última fase da punição sofrida, não podendo vender ingressos para o Setor Norte da Arena onde normalmente ficam as organizadas.

Sexta o jogo da Superliga é no ginásio José Liberatti, em Osasco, começando as 9 e meia da noite e ao vivo no Sportv-2.

Estarei narrando o vôlei com os comentários do grande campeão Carlão e as reportagens de Alexandre Oliveira.

Domingo em Palmeiras x Colorado a transmissão é do Premiére.
Vai começar a jornada às 16:40, ou seja, 20 minutos antes do início da partida.
Ao meu lado estará Mauricio Noriega e no gramado os repórteres Alessandro Jodar e Filipe Cury.


SUPERLIGA NA SEXTA.

Sexta-feira volto às transmissões do Sportv.

Estarei em Osasco com Carlão, Alexandre Oliveira e grande equipe para uma partida da Superliga feminina.

Jogo da segunda rodada.

Osasco e Pinheiros farão a reedição das finais do Campeonato Paulista deste ano.

Ginásio José Liberatti, 21:30, ao vivo pelo Sportv-2.

Adoro o vôlei e seu ambiente.
Ginásios lotados e com todas as pessoas se respeitando mutuamente.
Vemos crianças, idosos, jovens, enfim, famílias reunidas e se divertindo muito.

Uma boa.