quinta-feira, 30 de abril de 2015

21 ANOS -

Vamos para mais um "Dia do Trabalho" e a inevitável lembrança saudosa de Ayrton Senna.

21 anos, já.

Cada um de nós tem uma história daquele "1 de Maio" de 1994.
Onde estava?
Como ficou sabendo?
Se assistia ou não àquele fatídico Grande Prêmio?
Como foram as horas de espera pela notícia final da morte de Senna?

Enfim, cada um viveu aquele feriado com as sensações e sentimentos particulares.

No meu caso, depois de vários anos sem assistir à Fórmula-1, naquele domingo acordei e me lembrei de ligar a televisão pelo menos para ver a largada.

Deixei o aparelho ligado e fui fazer a barba, pois logo depois viajaria para São Paulo onde trabalharia em um clássico no Morumbi pela Bandeirantes.

E naquele dia ainda, daria carona para um filho e amigos dele, que iam para São Paulo participar de um evento musical, se não falha a memória.

Com a TV ligada e com um rádio no banheiro ouvindo a transmissão da corrida, veio o momento da batida.
Senna se envolvia tão pouco em acidentes que aquela batida chamou a atenção.

E aquele GP italiano vinha dos acontecimentos durante os treinos, com a morte de Hatzenberg e o acidente de Barrichello, deixando no ar um clima de preocupação.

E o Mundo parou à partir do acidente de Senna.

As imagens, a expectativa, a falta de informações mais detalhadas, o fantasma de tudo o que havia acontecido nos treinos, TUDO deixava no ar a mais pessimista esperança quanto ao piloto brasileiro se sair bem da impessionante batida.

E logo no começa da tarde brasileira chegou a informação da morte de Senna.

E no clássico do Morumbi, que transmiti naquele domingo pela Band, no "minuto de silêncio" o público prestou uma emocionante homenagem ao grande ídolo.

Com a partida de Senna a Fórmula-1 nunca mais foi a mesma para os brasileiros e boa parte de estrangeiros.

O tempo vai passando, a emoção da perda vai se assentando em nossa alma, a saudade não acaba posto que as pessoas queridas são inesquecíveis, as homenagens serão eternas ao ídolo.

A data de "1 de Maio" ficou eternizada também pela morte de Senna, além de sua história social ocorrida nos Estados Unidos quando as mulheres tiveram direito a registro em carteira de trabalho pela primeira vez.












terça-feira, 28 de abril de 2015

DOMINGO, A DECISÃO.

Semana de atividades pela Copa do Brasil e Libertadores, mas minha escala de narração está no domingo para Santos x Palmeiras.

Jogo às 4 da tarde e com transmissão ao vivo pelo SPORTV e Premiére.

Comigo na jornada os amigos Mauricio Noriega, Juliano Belletti, Felipe Diniz e Alexandre Oliveira.

Mais dezenas de profissionais trabalhando duramente no local ( Vila Belmiro ) e na Globosat ( Rio de Janeiro ) a nossa central técnica e de produção.

Vale o título do estadual.

Sigo cobrindo as férias do amigo Milton Leite, que volta em breve.


sábado, 25 de abril de 2015

PARABÉNS AO PACAEMBU

Nesta segunda-feira, dia 27 de abril, o estádio municipal do Pacaembu completará 75 anos.

À partir da conquista da Copa de 1958 na Suécia foi batizado de Paulo Machado de Carvalho, o comandante da Seleção naquele Mundial.
Foi ele que montou a comissão técnica, planejou a trajetória até chegar à Suécia e ganhar o caneco.

Inaugurado em 1940 quando o presidente da República era Getúlio Vargas, o Pacaembu abrigou grandes momentos do futebol.

Seis partidas válidas pela Copa de 1950 aconteceram ali.

Os Jogos Pan-Americanos de 1963 disputados em São Paulo tiveram o Pacaembu como seu grande palco para várias modalidades, inclusive o futebol, é claro.

Quantas decisões ocorreram no estádio do Vale do Pacaembu antes de existir o Morumbi.

Pisaram no gramado nomes históricos do futebol nacional e internacional.

Shows de cantores e bandas renomados encantaram no velho estádio.

A decisão entre Palmeiras e Santos de 1959, que ocorreu nos primeiros dias de janeiro de 60, teve o Pacaembu como cenário.

Recebeu inúmeras vezes jogos da Seleção Brasileira.

O torcedor adora o Pacaembu.

Os jogadores e treinadores gostam muito de trabalhar nele.

Minha primeira vez no estádio foi assistindo à uma partida do antigo Torneio Rio-São Paulo, anos 60, entre Portuguesa e Bangu, levado por um querido tio que residia na capital.

Trabalhando, foi em 1974 empunhando o microfone da Brasil de Campinas, num jogo da Ponte Preta.

Duas vezes tive a emoção de pisar no gramado do Pacaembu e jogar futebol.
Peladas pela ACEESP - Associação dos Cronistas Esportivos de São Paulo.
Foi muito legal.

Enfim, parabéns ao velho PACA!!!!

Quantas energias já foram produzidas nesse emblemático local, histórico, lendário.







sexta-feira, 24 de abril de 2015

COMEÇA A DECISÃO

Ainda cobrindo as férias do amigo Milton Leite vou fazer neste domingo a primeira partida das finais do Paulistão.

Palmeiras x Santos, 4 da tarde.

Transmissão ao vivo do canal Sportv à partir de 14 horas.

Estarei na jornada de trabalho com Mauricio Noriega - Juliano Belletti - Felipe Diniz e Alessandro Jodar, além de dezenas de profissionais no estádio e na retaguarda Globosat/Rio de Janeiro.

Há tempos que essas duas agremiações não decidem o estadual.

Nos anos 60 e 70 foi o grande duelo paulista.

Todos os ingressos já foram adquiridos.

O espetáculo tem tudo para ser muito bonito.




quinta-feira, 23 de abril de 2015

BRAGANTINO x CRICIÚMA, HOJE AO VIVO!

Hoje, quinta-feira, vou trabalhar em Bragança Paulista.

Jogo da Copa do Brasil, fase segunda, primeira rodada.

Transmissão ao vivo pelo Sportv, 9 da noite.

Bragantino versus Criciúma.

Nunca se enfrentaram por essa competição, mas já jogaram 20 vezes.
Desde 1989.

O Tigre catarinense venceu 9 vezes, contra 4 do Braga.  Foram 7 empates.

A equipe paulista passou pelo Lajeadense na fase anterior.
O Criciúma eliminou o Real Noroeste(ES).

Duas equipes com jovens treinadores.
Osmar Loss é o técnico do Massa Bruta, enquanto Moacir Jr é o treinador do Tigre.

Loss é gaúcho de Passo Fundo, 39 anos, tendo começado os trabalhos de treinador na base do Colorado gaúcho.
Ganhou a Taça São Paulo de juniores com o Corinthians neste ano de 2015.

Moacir Júnior é paulista de Ribeirão Preto.
48 anos.
Passou por Náutico, Bahia, Vitória, América Mineiro, foi semifinalista do Mineiro com o Juiz de Fora em 2012.

Estarei nessa jornada de trabalho com William Machado, Alessandro Jodar, Filipi Cury e grande equipe de apoio e retaguarda.





quarta-feira, 22 de abril de 2015

BLÁ BLÁ BLÁ ...........


É preocupante a ação da maioria dos dirigentes de clubes no futebol brasileiro.

Agem como torcedores, acabam levantando desconfiança de pessoas do meio, e por fim instigando a violência com terrorismo verbal.

Lançam depoimentos levantando suspeitas sobre as arbitragens, provocam os adversários de maneira a mexer com a "imaginação" de mentes desprovidas de inteligência.

Atuam como torcedores e não como homens que deveriam trabalhar em favor do futebol.

Que os fatores errados do futebol devam ser atacados, é claro que sim.  E há muita coisa a ser corrigida.
Mas, lançar bravatas simplesmente por lançar, é perigoso e irresponsável.

É comum antes de jogos importantes a gente ouvir de alguns cartolas que tal árbitro "persegue" seu clube, que o apitador só errou contra a equipe dele e que tudo já está "marcado".

Normalmente esses dirigentes relacionam os erros de determinado árbitro contra a sua equipe em jornadas anteriores, mas jamais realçam os momentos em que o seu time foi favorecido em razão de equívocos dos juízes.

E, convenhamos, TODOS os times já prejudicados por falhas de arbitragem, um dia foram beneficiados.
É a roda da vida do futebol.
Os juízes, enquanto humanos, erram a todo instante.

Jogadores, treinadores, jornalistas, advogados, médicos, gente de todas as classes trabalhadoras, ERRAM em algum momento.

É evidente que devemos separar os erros decorrentes de falhas humanas das ações criminosas.

Há desonestos em todas as atividades.

Mas há muita gente honesta, bem-intencionada, e que só comete falhas porque as suas atividades e suas dificuldades podem provocar os equívocos.

Costumo dizer que num jogo de futebol, se possível fosse levantar, os jogadores erram muito mais que os árbitros durante os 90 e poucos minutos.
E é natural, pois todos são humanos, portanto sujeitos a falhas.

Repito, estou me referindo aos honestos e em todas as classes.

Curioso também - e compreensível - é que esses dirigentes que levantam suspeitas de árbitros antes de jogos, quando indagados se as denúncias são relacionadas a desonestidade, eles negam veementemente, pois sabem das implicações judiciais que podem advir.

Levantar suspeitas sem provas, é cruel, grave, criminoso até.

Em resumo, o blá-blá-blá dos cartolas já cansou e só engana os desavisados, ou os muito apaixonados pelos seus times, onde a cegueira predomina.

Manobras de bastidores devem eternamente ser investigadas, é óbvio.
Os próprios dirigentes de clubes têm essa obrigação de apurar.
E com as provas nas mãos, denunciar e aí sim botar a boca no mundo.

O que ocorre é que os cartolas só esperneiam quando são prejudicados e se omitem quando recebem o benefício dos erros de arbitragem.

Falta de esportividade, no fundo, é o que acontece, além do oportunismo em levar vantagens nas horas convenientes.

Falar por falar é irresponsabilidade.

Sei que o texto é utópico, querer que pessoas despreparadas mudem, mas é sempre válido registrar a insatisfação com maus comportamentos.

O mundo do futebol ficaria melhor, mais ameno, mais justo e honesto, se os que estão nele agissem com lisura e honestidade ética.

Por isso sigo admirando o futebol com BOLA ROLANDO.
É um esporte incomparável.

Mas do blá-blá-blá dos dirigentes, antes e depois da bola rolar, ouço e leio apenas por força da profissão.

Porém sigo me decepcionando com declarações pobres, vazias, repetitivas, normalmente eivadas de rancor, ódio, desconfiança e com alto teor de demagogia visando somar(?) pontos com a torcida.

























segunda-feira, 20 de abril de 2015

QUINTA EM BRAGANÇA

Minha próxima escala de trabalho é Bragantino x Criciúma.

Jogo da Copa do Brasil, segunda fase.

Quinta-feira, 21 horas, no estádio Nabi Abi Chedid.

William Machado estará ao meu lado nos comentários.

Transmissão ao vivo pelo Sportv.

O time de Bragança na primeira fase eliminou o Lajeadense(RS), enquanto o Criciúma passou pelo Real Noroeste do Espirito Santos.


quinta-feira, 16 de abril de 2015

CLÁSSICO EM ITAQUERA

Minha próxima escala é domingo em Itaquera.

Semifinal do Paulistão com o clássico Corinthians x Palmeiras, 4 da tarde, ao vivo no SPORTV.

À partir das 14 horas a equipe já estará a postos e à disposição do programa TÁ NA ÁREA.

Comigo na cabine, Belletti e Wagner Vilaron.

Ainda não tenho a escala dos repórteres.

Dezenas de profissionais envolvidos na transmissão, no local e na retaguarda Rio de Janeiro.


terça-feira, 14 de abril de 2015

DESABAFO DE UM CIDADÃO COMUM

Pipocam demissões em todo o País.

Quanta gente perdendo o emprego e especificamente na minha área de atuação, que é o jornalismo. 

Discutir política é mais ou menos como discutir futebol, sempre havendo defesas de bandeiras e ideologias, mas fica claro que desdenhamos daquela grande crise mundial - há poucos anos atrás - cantando autonomia e autossuficiência, até com ares arrogantes.

Aquela marolinha cantada em verso e prosa por um importante líder popular chegou a convencer muita gente de que ela jamais atingiria o Brasil.

Nossos governantes batiam no peito e proclamavam as reservas em dólares do Brasil, como a cruzar os braços e a rir dos irmãos europeus que apertavam a fivela do cinto.

Toda crise, na verdade, num mundo globalizado, atinge a todos.
Ninguém fica imune.  
O entrelaçamento é integral, intenso, geral e irrestrito.

É algo fácil de se compreender, pois a interdependência é própria do mundo dos negócios.

Sabia-se que o Brasil não estaria isento dos efeitos das grandes ondas do tsunami internacional.

Poderia demorar a chegar, mas chegaria.

E chegou.

Os entendidos dizem que faltou humildade e competência aos nossos governantes para admitir o envolvimento na crise externa e naquele momento tomar medidas duras no combate à inflação e na gestão prudente da coisa pública.

Demos de ombros, continuamos gastando demais com a máquina pública, esbanjamos, e agora veio a fatura.  Inflação, medidas drásticas, aumento de taxas, tarifas e impostos, e como sempre com o povo socorrendo o Governo, apertando os cintos e tentando pagar essa conta.

Agora, a onda de demissões e em todos os segmentos.  
Chefes de família desmoralizados com a perda do emprego.
Famílias sem os salários e com as contas não parando de chegar.
Empresários sendo obrigados a dispensar, sob pena de falência.

É claro que já vivemos outros momentos como esse e superamos etapas difíceis do País.
Mas o que incomoda é que os verdadeiros culpados são os mesmos de sempre.
Os políticos não aprendem as lições que o tempo se lhes apresenta.
Eles continuam vivendo num mundo à parte do que vive o povo.

A máquina administrativa é espantosamente grande e o que se gasta com ela é algo revoltante.

Nem estou falando da roubalheira, que esta o Ministério Público e a Polícia Federal estão atacando severamente, mas que igualmente é culpa de quem governa.

Precisamos pensar num Brasil de TODOS.
O País não é de partidos, muito menos dos políticos.
Pensa-se muito pouco no POVO, a essência da existência da Nação, e muito mais nos engenhos político-partidários ao longo de cada ano.
Os prejuízos sempre cabem a quem paga os impostos e que esse fator nem mexe com a sensibilidade dos homens públicos.
E não mexe, mesmo.

Nos duelos entre parlamentares fica claro que os políticos estão preocupados apenas com suas siglas, quem ganha quem perde, no troca-troca de cargos, relegando as causas públicas a terceiro ou quinto plano.

Profundamente lamentável.

E repito: mais uma vez na história desse lindo Brasil quem irá SALVAR a pele da Nação é o POVO.  Pagando impostos, apertando os cintos, perdendo o emprego, em total sacrifício.

E o lamentável é que enquanto isto continuar acontecendo, os governantes irão seguir irresponsáveis, incompetentes e frios em relação às feridas populares.

Neste momento homens e mulheres estão se desesperando ao receber a carta de demissão de suas empresas.

Além de empresários cuidando de fechar as portas encerrando as atividades.

Quanto aos homens públicos, certamente muito poucos estão sensibilizados com a desgraça popular, visto que com o povo eles apenas se preocupam e bajulam em ano de eleição.

De nossa parte com esta insensibilidade dos políticos, cabe uma profunda reflexão na hora do VOTO.
Vamos deixar de nos impressionar com os surrados discursos.
Vamos protestar, seja com voto NULO ou em BRANCO.
Pois até na escolha desse ou daquele a decepção é IMENSA.

Votamos, votamos, votamos, procurando acertar, e as decepções vão se somando à cada pleito.

Mas sem esquecer de que o BRASIL É DO POVO!




















segunda-feira, 13 de abril de 2015

LIBERTADORES AO VIVO NA QUARTA

Quarta tenho jornada pelo SPORTV.

Libertadores da América.

O Tricolor do Morumbi vai ao Uruguai pegar o Danúbio.

A partida vai começar às 10 horas da noite.

Estou na escala com os amigos Mauricio Noriega, Juliano Belletti e Felipe Diniz, além de todos os envolvidos no trabalho do canal.


quinta-feira, 9 de abril de 2015

LUCIANO DO VALLE - 1 ANO

Faltam poucos dias para completar-se o primeiro ano do falecimento de LUCIANO DO VALLE.

Aquele 19 de abril de 2014 marcou pelo impacto do acontecimento.

Eu me preparava no estádio Beira-Rio para a transmissão do Sportv que abriria o Brasileirão quando recebi pelo canal de comunicação a informação - ainda extraoficial - da morte do grande comunicador.

Imediatamente liguei para o celular dele e o aparecimento da mensagem de caixa postal foi como uma dura decretação da verdade.
Minutos depois recebi a notícia confirmando o lamentável ocorrido.
O Brasil ficava sabendo da morte de um jornalista importantíssimo na história da comunicação e do esporte nacionais.

Fui consultado pelo canal se teria condições de narrar a partida - dada a minha proximidade com Luciano por décadas - e sinceramente não tinha certeza se teria.

Mas lá do fundo do meu interior veio uma força incrível e um "recado":  faça essa transmissão por ele, e para ele.

Me enchi de energia, tive o apoio de amigos e colegas, e fiz o trabalho carregado de muita emoção e de dor.

Coube a mim informar o telespectador do canal Sportv a morte de Luciano.
Informei, lamentei e dei um depoimento sobre o grande amigo.
É claro que, do que eu disse naquele momento, certamente faltou muita coisa a enaltecer, mas tudo o que foi dito veio do coração e da alma.

Um dos momentos mais espinhosos da minha carreira, sem dúvida.

Outros dois momentos muito dolorosos foram quando minha mamãe e meu papai deixavam a vida física e eu estava em missão de trabalho.
Fiz as narrações e logo depois corri para os seus sepultamentos.

No caso de Luciano, fiz a transmissão no fatídico sábado - 19 de abril - em Porto Alegre e já no domingo cedo viajei para Campinas afim de acompanhar o enterro do queridíssimo amigo.

Um ano sem a voz, o carisma e o grande coração de Luciano do Valle.

Um homem do rádio, da televisão, dos empreendimentos no marketing do esporte.

Um terno amigo.











SUPERLIGA PELA FRENTE

Mais duas etapas de trabalho pelo Sportv.

Sexta em Osasco.
Semifinal da Superliga.
10 da noite tem Osasco x SESI.
Segundo jogo da série, onde no primeiro embate o time osasquense venceu.
Sesi, portanto, precisa da vitória para provocar a terceira partida.

Estarei na missão com Carlão, Joanna de Assis e grande equipe de apoio.

Domingo estarei em Belo Horizonte.
Final da Superliga masculina.
Cruzeiro x SESI.
10 da manhã.
Jogo único para a decisão do título.
Mineirinho é o palco da final.

Comigo, Nalbert, Marco Freitas, Alexandre Oliveira e grande equipe.


segunda-feira, 6 de abril de 2015

SEMANA E ESCALAS

Minhas próximas duas escalas de trabalho.

Quarta estarei em Piracicaba para uma transmissão do Premiére FC.

XV e Corinthians, 10 da noite, jogo importantíssimo para o alvinegro do interior, que busca vaga nas quartas-de-final.

Na sexta-feira vou a Osasco.
Superliga feminina, segundo jogo do confronto pelas semifinais.
Na primeira partida deu Osasco na casa do SESI.
O time da Vila Leopoldina precisa vencer para forçar um terceiro jogo.
Essa partida vai começar às 22 horas e o Sportv mostrará ao vivo.

Boa semana pra todos !!!



quinta-feira, 2 de abril de 2015

A PÁSCOA E O TRABALHO

Sábado e domingo tenho escalas de trabalho.

No vôlei da Superliga sábado, 11 e meia da manhã, com SESI x Osasco pelas semifinais, primeiro jogo da série melhor-de-três.

Estarei no ginásio da Vila Leopoldina com Carlão, Alexandre Oliveira e Joanna de Assis na comunicação pelo Sportv e PFC Internacional.

Domingo vou à Campinas.
Paulistão, penúltima rodada da primeira fase.
Ponte x Penapolense, 18:30, ao vivo no Sportv.

Atuo nessa com Ivan Andrade, Alexandre Oliveira e Felipe Brisolla em Moisés Lucarelli.

Aproveito para desejar a todos os que estejam lendo o blog um ótimo final de semana.

Aos cristãos e não-cristãos, que o período de descanso nesses dias seja de reflexão.

Sempre é bom refletir sobre como anda a nossa vida no Planeta, se temos nos cuidado física e mentalmente, se temos auxiliado o próximo quando necessário e possível, se temos perdoado a quem nos ofende, se temos compreendido as falhas do semelhante(pois também falhamos bastante), enfim, se temos praticado a Lei do Amor.

Reciclagem é muito importante para o nosso equilíbrio e consequente evolução.

Não fomos colocados nessa jornada apenas por dileção do Grande Comando Universal.  Aqui estamos em processo evolutivo, pois daqui iremos para outros desafios, outras jornadas.

O mecanismo da evolução pode não ser muito bem compreendido por nós, neste estágio da nossa existência cósmica, mas ele é perfeito, implacável, extremamente necessário.

Por mais que não entendamos, ou não queiramos entender o processo, é de bom alvitre que aceitemos uma Inteligência Superior e cuidemos de nossa intimidade espiritual.

Quando pensarem em tudo isso esqueçam as religiões e suas crenças e dogmas.
Elas são boas, interessantes, guias para muita gente, mas acima delas há um Grande Comando do Universo, inteligente e coerente.

São energias que movem o Universo e nos movem.
E as boas energias são geradas através do amor, do perdão, do equilíbrio, da caridade, da humildade e do bom senso.