sexta-feira, 30 de agosto de 2013

DUAS ESCALAS

Duas atividades profissionais neste fim de semana.

Sábado estarei no Canindé pelo Premiére FC.
Às 18:20 tem Portuguesa x Bahia pelo Brasileirão.
Estarei com Juliano Belletti e Ewerton Souza e grande equipe de apoio Rio/SP.

Domingo estarei na retaguarda do amigo Cléber Machado na transmissão de Botafogo x São Paulo à partir das 4 horas da tarde.


quinta-feira, 29 de agosto de 2013

ESTÁDIOS, DIVÃS DE ANALISTAS.

As mais diferentes maneiras de como se comportam os seres humanos são um eterno desafio aos profissionais que estudam o comportamento humano.

Não sou psicólogo mas presto muita atenção nas pessoas e suas atitudes.

Nos estádios é que se nota fortemente como as pessoas têm comportamentos diferentes de quando estão no seu dia-a-dia, no trabalho ou em casa.  Mas sempre com uma estreita relação de conduta e de formação educacional.
E tem também os que se comportam mal nas 24 horas do dia, sejam quais forem o local e as circunstâncias.

Mas num jogo de futebol elas se soltam, se sentem livres e no direito de ofender quem quer que seja.
Sobra para jogadores, treinadores, gandulas, juízes e bandeirinhas, jornalista, policiais.....
Ninguém escapa.
O desfile de palavrões, impropérios, é vasto, robusto, elaborado eu diria.

O tempo de estrada, porém, foi me dando compreensão e paciência com os mais exaltados.
Hoje tiro de letra.
Entendo que os estádios são verdadeiros divãs de analistas, onde muitos se deitam e botam pra fora todos os seus recalques e questões pessoais mal resolvidas no cotidiano. Porém às vezes com consequências tristes, trágicas.

A paixão pelo clube exacerba as ações, mas no fundo, no fundo, isso é apenas um pretexto para a desova de instintos primitivos, que beiram à imbecilidade e selvageria.

E a ocorrência é em todos os lugares.
Não há exceções.
Ontem foi em Curitiba, amanhã será em São Paulo, mês que vem no Rio, e por aí vai.
Não se trata de região, localidades, mas do SER HUMANO, dotado de inteligência mas que insiste em agir sem o exercício da dita cuja.

E o mais triste é que quando tocamos no assunto aparecem os defensores do indefensável.
Dizem que aqui no Brasil "é assim mesmo", que no futebol "é assim mesmo", e atacam o politicamente correto, fazem de tudo para levantar garbosamente a bandeira da ignorância.

É preciso intensificar a indignação.  Precisamos massificar o movimento da Paz no esporte.  É necessário não desistir de combater a violência física e verbal.

O esporte, e principalmente o futebol que é a modalidade mais popular do País, está precisando ser preservado no seu fundamento de competitividade mas de respeito e dignidade dos envolvidos.  Dentro e fora de campo.

Repito: não há exceções.
Já testemunhei tudo isso em TODOS os estados brasileiros.  Estados e estádios.

E é bom deixar claro que a má conduta dessas pessoas independe de classe social.
Tem os que estudaram, tem os que não puderam estudar e os que não quiseram frequentar bancadas escolares.
Tem os brancos, os negros, amarelos, pardos e mamelucos.

E, é claro, tudo isso é muito preocupante, porque o clima de beligerância só tem a aumentar e colocar em risco vidas e vidas.

Perdão pelo desabafo e pela reflexão, mas o tempo vai nos dando a preocupação com o presente e o futuro do planeta e das relações sociais.
E a continuar assim a projeção é das mais negativas e com poucas esperanças de reversão.

















terça-feira, 27 de agosto de 2013

QUARTA EM CURITIBA

A missão profissional deste meio-de-semana é em Curitiba.

A escala me manda para a capital paranaense onde a previsão para o horário do jogo - 9:50 da noite - é de 6 ou 7 graus.

Atlético x Palmeiras é a atração na Vila Capanema, um estádio que abrigou jogos da Copa do Mundo de 1950.

Vale vaga nas quartas-de-final da Copa do Brasil.
Palmeiras, o aniversariante da semana, tem a vantagem do placar feito em São Paulo ( 1 a 0 ) e joga por empate para se classificar.  Se fizer gols  poderá até perder, por 2 a 1, ou 3 a 2 e assim por diante.

Já o Furacão terá de vencer por dois gols de diferença ( 2 a 0, 3 a 1 ) ou ganhando de 1 a 0 levará a decisão da vaga para os pênaltis.

O jogo será mostrado pelo SPORTV-3.

Estarei nessa jornada com Juliano Belletti, Lucas Rocha, Gustavo Marques e grande equipe de geração e apoio.








domingo, 25 de agosto de 2013

OS CAMPEÕES ESTÃO PARTINDO

Em um curto espaço de tempo o futebol brasileiro perdeu três campeões mundiais.

Integrantes de uma geração fantástica e que colocaram o Brasil no cenário mundial da bola com destaque.

Djalma Santos, De Sordi e Gilmar deixam o Plano Físico com histórias bonitas de conduta pessoal e profissional.

A geração das conquistas sensacionais dos Mundiais de 58 e 62 está partindo para outras esferas, obedecendo à ordem natural da matéria, que é finita pela sua essência.

Das duas memoráveis Copas ( 58 e 62 ) muitos já se foram.
É a implacável passagem do tempo.

Sobre De Sordi e Gilmar tenho duas recordações pessoais.

O ex-lateral, já aposentado, foi fazer um jogo amistoso na minha cidade, Americana, com um grupo de veteranos do XV de Piracicaba enfrentando o Flamengo local.
Eu, ainda garoto, fui assistir, ver de perto o campeão mundial De Sordi.
Ele não era muito alto mas tinha uma belíssima impulsão para cabecear.
E numa subida de cabeça na área do Flamengo, De Sordi teve um choque com o zagueiro Tiãozão e os dois caíram desfalecidos.
Felizmente nada de grave se desenvolveu e eles se recuperaram plenamente.
Mas aquele acontecimento me marcou.

Gilmar foi durante um período supervisor da Seleção Brasileira.
O Brasil foi jogar no Chile e no estádio onde a seleção havia sido campeã em 1962.
Um dia antes da partida amistosa o time treinou no Estádio Nacional em Santiago e atrás de um dos gols acompanhávamos o ensaio.
Nós, da imprensa, e Gilmar dos Santos Neves.
Foi emocionante estar ali ao lado do grande goleiro e relembrando aquela final com a Tchecoslováquia e como os lances se desenrolaram na grande final.
Muito comunicativo e sempre solícito, Gilmar ficou bem à vontade para contar detalhes a nós, jornalistas presentes.
* fui narrar Brasil x Chile naquela oportunidade pela rádio Bandeirantes.

Todos temos ídolos no esporte e os que compuseram as seleções de 58 e 62, especificamente, constam da minha galeria, em especial.

De Sordi e Gilmar escreveram história importante e vitoriosa no futebol.

Merecem ser homenageados eternamente.










quinta-feira, 22 de agosto de 2013

SÁBADO VOLTO À VILA

Estive na Vila Belmiro transmitindo Santos x Grêmio pela Copa do Brasil.

Volto ao estádio santista no próximo sábado para Peixe x Vitória pelo Brasileiro.

A vitória do Alvinegro levantou o moral da equipe e da sua torcida.
O time só vinha empatando e preocupava à comunidade santista.

Já o Vitória vem bem no Brasileirão e de uma vitória pela Sul-Americana sobre o Coritiba.

O jogo de sábado será mostrado pelo Premiére.

Lá estarei com Luiz Ademar nos comentários e Daniel Moreira Dias nas reportagens.

O jogo vai começar às 6 e meia da tarde.


segunda-feira, 19 de agosto de 2013

44 ANOS DE ESTRADA.

Há 44 anos eu começava a trabalhar em jornal e rádio.

Com 20 anos de idade fui levado por dois amigos do futebol ( Clóvis Magalhães e Paulo Sérgio Camargo ) para ajudá-los em um programa de esportes na Rádio Clube de Americana.

Eu tinha de selecionar as notícias do futebol amador que chegavam à emissora, recortar as principais dos jornais, enfim, produzir o programa que eles apresentavam.

Pouco tempo depois o Clóvis deixou a emissora e ele era o narrador da casa.
O saudoso Paulo Sérgio, o Moka, fazia as reportagens de campo.
Geraldo Pinhanelli, o diretor da rádio, me intimou a começar a narrar futebol, pois estava em andamento um campeonato infantil intitulado "Topo Giggio"(um bonequinho que fazia muito sucesso na época junto à gurizada).
* quando Magalhães narrava as partidas do evento eu já participava ao lado do Moka nas reportagens.

Foi, então, que comecei a narrar futebol.

Naquele mesmo ano de 1969 um acidente automobilístico vitimou um querido amigo jornalista, professor Ayrton Ortolano, então editor de esportes do jornal da cidade, O Liberal.

Como eu já atuava no rádio local, amigos do jornal me levaram para redigir as noticias do esporte enquanto Ortolano se recuperava do acidente.

Tudo começou para mim, portanto, na área da comunicação esportiva, naquele ano de 1969.

E felizmente não parei mais.

Agradeço demais pela profissão em que atuo há tanto tempo.

Desde pequeno adorava ouvir rádio e principalmente as narrações de futebol.

Me lembro de escutar e prestar muita atenção a locutores como Darcy Reis, Fernando Solera, José Paulo de Andrade, Fiori Gigliotte, Pedro Luís Paoliello, Haroldo Fernandes, Luis Aguiar, Luis Noriega, Edson Leite, Jorge Cury, Oduvaldo Cozzi, César Rizzo, Joseval Peixoto, Antonio Rangel, Geraldo José de Almeida, Braga Júnior, Alfredo Orlando, Sérgio Moraes, e tantos outros..........da época.
( isto nos meus 13, 14 anos de idade, aproximadamente ).

E como eu sonhava em um dia ocupar o microfone de uma emissora de rádio.

Profissionalmente, muito tempo depois, passei a conviver com muitos deles e sempre que pude relatei esse lance de infância onde "eles" eram meus ídolos.

E a minha imensa satisfação mais tarde em integrar a equipe da rádio Bandeirantes de São Paulo, na famosa Cadeia Verde Amarela, o Escrete do Rádio, ao lado de Ennio Rodrigues, Alexandre Santos, Paulo Edson, Roberto Silva, Wilson de Freitas, Fiori, Luis Augusto Maltone, Sérgio Carvalho, Dalmo Pessoa, Tony José, Oscar Ulisses, João Zanforlim, Flávio Adauto, Osvaldo dos Santos, Darcy Reis(nosso chefe)......

Tive a dificílima missão de substituir na Bandeirantes, janeiro de 1980, o espetacular Flávio Araújo, um dos homens mais cultos do rádio que conheci.  Culto, elegante, educado, ético, uma figura humana fantástica.
Narrava com uma precisão extraordinária.  Era chamado de o locutor que narra "em cima da bola", tamanha era a sua fidelidade ao que acontecia no gramado.

Enfim, meus amigos, comemoro aqui do meu canto e com imensa alegria, os 44 anos de profissão.
Tudo o que sonhei na infância/juventude, realizei profissionalmente.
E familiarmente, também.
Sou daqueles que de nada posso reclamar.
O Universo foi e continua sendo extremamente generoso comigo.
Tenho amigos e admiradores que me seguem dando força para continuar.
Aproveito as criticas, quando honestas, e busco corrigir as falhas.

E quando me perguntam sobre o time que torço?
A resposta parece ser política, mas não é.
Torço fervorosamente pelo FAMÍLIA FUTEBOL CLUBE.
Essa "agremiação" é que realmente mexe comigo.  Por ela eu sou capaz de "brigar" até o fim.

O resto é.......restante, complemento.


















SANTOS x GRÊMIO, COPA DO BRASIL.

Jornada profissional do meio de semana será em Santos.

Quarta-feira transmito pela Copa do Brasil, Santos x Grêmio, 7 e meia da noite, pelo Sportv e PFC Internacional.

É o primeiro jogo do confronto na competição/2013.  Depois haverá a partida de volta, em Porto Alegre.

Estarei em Urbano Caldeira com Mauricio Noriega, Tiago Crespo e Daniel Moreira Dias. Mais toda a grande equipe de coordenação, geração e produção, no estádio e na retaguarda/Rio de Janeiro.

À partir das 18horas participaremos do programa TÁ NA ÁREA pelo Sportv.



sábado, 17 de agosto de 2013

FOLGA FIM DE SEMANA

Fora das escalas do final de semana.

Volto a narrar pelo Sportv na quarta-feira, dia 21, Santos x Grêmio pela Copa do Brasil, oitavas-de-final, primeiro jogo do confronto.
Depois haverá a segunda partida em Porto Alegre.

É na Vila Belmiro, 7 e meia da noite.

Lá estarei com Mauricio Noriega, Tiago Crespo, Daniel Moreira Dias e grande equipe.


quinta-feira, 15 de agosto de 2013

A CRISE DO SÃO PAULO

Hoje a missão profissional é no Morumbi.

São Paulo x Atlético Paranaense, 7 e meia da noite, transmissão ao vivo pelo Premiére em Alta Definição.

Estarei nessa com Wagner Vilaron e Felipe Diniz, mais as equipes Globosat ( Rio e SP ).

É a grave crise do tricolor diante do Furacão.
O Atlético não perde há 6 rodadas e é o sétimo colocado.
São Paulo vai tentar quebrar uma indigesta série de 6 derrotas consecutivas no Morumbi.

Diretoria são-paulina baixou os preços dos ingressos e 10 mil bilhetes já foram adquiridos.

Previsão de muito frio e garoa durante a partida.



segunda-feira, 12 de agosto de 2013

ENNIO RODRIGUES - O QUE VALE É BOLA NA REDE!

Outro registro triste.

Morreu o queridíssimo amigo ENNIO RODRIGUES Caraça.

Um dos mais importantes comunicadores do rádio brasileiro.

Começou a carreira em Araraquara e logo foi "convocado" para o rádio da Capital.

Foi na Bandeirantes que se consagrou, desfilando toda a sua competência e categoria na arte de narrar futebol.
Permaneceu décadas na emissora do Morumbi e integrando a famosa e inesquecível equipe ao lado de Fiori, Flávio Araújo, Borghi Jr., Mauro Pinheiro, Loureiro Jr., Alexandre Santos, Roberto Silva, Eduardo Luís, Jota Háwilla, João Zanforlim, Paulo Edson, Flávio Adauto, Osvaldo dos Santos e tantos outros.

Eu trabalhava na rádio Gazeta de São Paulo e nas viagens que fazíamos juntos para as transmissões, o Ennio me tratava com muito carinho e dizia que gostaria de me ver no time da Bandeirantes um dia.

E isso se concretizou à partir de janeiro de 1980 quando fui contratado pela emissora do Morumbi.

Passamos a viver e conviver no mesmo ambiente de trabalho e a nossa amizade se estreitou fortemente.

Depois o Ennio foi comandar forte equipe na Gazeta/SP onde continuou a brilhar como locutor e líder de grupo.

Posteriormente, narrou por muitos anos jogos da Portuguesa com a equipe do saudoso Armando de Barros e depois com o filho dele, o Alexandre.

Recentemente estava na rádio Tupi de São Paulo.

Ennio tinha o bordão O QUE VALE É BOLA NA REDE, sempre que concluía o seu grito de gol.
Fez dupla muito entrosada com o saudoso Roberto Silva, o Olho Vivo.  Os dois tinham "tiradas" muito engraçadas, leves, nada agressivas ao ouvinte.  Inteligentes.

Fica aqui a minha homenagem ao AMIGO que nos deixa.
E o rádio brasileiro jamais deve se esquecer do ENNIO.
Que dona Lígia e sua filha tenham muita força nessa hora, mas que se orgulhem muito dele.

Vá em paz, amigo!!!
E obrigado pelo carinho da sua AMIZADE.






PALMEIRAS, O LÍDER, EM JOINVILLE

Nesta terça-feira meu trabalho é em Santa Catarina.

Pego o avião logo pela manhã em Campinas, aeroporto de Viracopos, e sigo para Joinville.

Lá me juntarei aos amigos Mauricio Noriega, André Hernan, Karen Couto e Idival Marcusso para a transmissão de JEC x Palmeiras, pela série B.

É o encontro do líder com o oitavo colocado.

O jogo está marcado para a Arena Joinville e terá o seu início às 9:50 da noite com transmissão pelo SPORTV para todo o País, exceto S.Catarina que poderá acompanhar pelo Premiére.

A partida será mostrada também para dezenas de países pelo PFC Internacional.

Rodada 15 da série B do Brasileiro.

Verdão não perde há 9 rodadas, o Joinville não ganhou nos dois últimos jogos.

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

PROFESSOR PEREIRA NETO

Tomo conhecimento do falecimento de PEREIRA NETO em Campinas.

Pereira foi professor e narrador da antiga Rádio Educadora, hoje Bandeirantes.

Volto no tempo, 1974, quando cheguei a Campinas para trabalhar na Brasil, da família Pedroso.

Brasil, Cultura e Educadora brigavam pela audiência.

Pereira Neto era o titular da Educadora.

Foi de então que passei a conhecer o professor Pereira, ótimo locutor e grande figura humana.
Fizemos muitas viagens pelo interior paulista, cada um defendendo o seu prefixo, mas sempre em clima de amizade e muito respeito.
Pereira, me lembro, passou-me conselhos e toques importantes sobre a profissão, o rádio campineiro.
Era uma figura dócil, amiga, igual.

Faleceu na quarta-feira em Campinas aos 84 anos de idade, depois de várias complicações de saúde.

É mais um amigo e colega que levo no coração em preito de saudade e agradecimento pelo carinho recebido.

E homenageando Pereira Neto, e ainda do rádio campineiro, me lembro de grandes nomes amigos da imprensa local e que já deixaram o plano físico, como Sérgio José Salvucci, Geraldo Carreira, Renato Silva, Washington Luis de Andrade, Dionisio Pivato, Dirceu José, Jaime Ginez(o Tiririca), Cláudio Grillo, José Sidney, Roberto Leite.  E peço desculpas em caso de esquecimento de mais alguém que já nos deixou da mídia campineira.




SÁBADO NO PACAEMBU.

Sigo fazendo transmissões da série B pelo Sportv/Premiére e PFC Internacional.

Sábado estarei no Pacaembu para Palmeiras x Paraná Clube.
Jogo da rodada 14 do campeonato.
Duas equipes que não perdem há muitas rodadas: o Palmeiras há 8 jogos e o Paraná há 9 partidas.
Verdão com um aproveitamento de 80% dos pontos disputados, enquanto o tricolor paranaense tem 60%.

Torcida do Palmeiras promete colocar 30 mil pessoas no Paulo Machado de Carvalho.
O jogo promete ser muito bom.
É o encontro do líder com o quarto colocado.

Transmissão do Premiére e PFC Internacional.
Lá estarei com Mauricio Noriega e Felipe Diniz.
A coordenação é de Ailton Amalfi, o grande compositor do bairro do Ipiranga.

A partida está marcada para começar às 16:20.


quarta-feira, 7 de agosto de 2013

O QUE ESTAMOS FAZENDO POR AQUI ????

Nenhum ser humano é perfeito.

Em nossa caminhada cósmica - e aqui é apenas uma das etapas - vamos vivendo e evoluindo, galgando degraus no crescimento interior.

Há quem nos classifique como ainda estagiários da "pré-infância cósmica" e por esse prisma dá para avaliar o grau evolutivo que vivemos neste momento.  Baixíssimo, quase insignificante, beirando à selvageria.

Isso talvez explique o porque do Planeta estar vivendo tempos atribulados e nos indignando à cada acontecimento que nos choca.

Todos brigam por espaços e brinquedinhos, irracionalmente, sem medir consequências.

Ainda achamos que o mundo irá acabar amanhã, que irá faltar terra para pisarmos, e por isso atropelamos os bons costumes, a ética, a lealdade e o respeito ao próximo.

Os bilhões de habitantes do planeta precisam acordar para a realidade da evolução e para a Justiça Maior que a tudo vê.
Se aqui nos vangloriamos dos nossos computadores fazendo mágicas mirabolantes, basta imaginar como são as "máquinas" das mais altas esferas.
Nenhum dos nossos atos - bons ou ruins - escapa ao Registro Maior.
Nenhum.
Os ultramodernos "equipamentos" da espiritualidade são implacáveis.  Acredite.

E, por favor, deixem de lado ao ler esta mensagem qualquer conotação religiosa de minha parte.
Religião é dos homens.
É necessária, mas acabou sendo contaminada pelo mau comportamento dos homens e desvirtuada em seus reais propósitos, tornando-as hoje, muitas delas, desacreditadas.

Isento, é claro, aquelas que ainda caminham com passos firmes e fiéis aos ensinamentos de grandes missionários e profetas que aqui estiveram deixando legados morais importantíssimos.
Mas o cotidiano do mau comportamento de "guias" religiosos têm deixado as Igrejas em maus conceitos.
Enfoco, aqui, simplesmente o Mecanismo Universal, que é Superior e Infalível.

É ao Comando Universal que devemos responder pelos nossos atos e atitudes na escala evolutiva de nossas caminhadas.
E também à nossa consciência, que não falece com o corpo físico.  Ela é imortal, eterna.  E irá nos cobrar impiedosamente quando estivermos fora da Esfera Terrestre.

Está em jogo o nosso FUTURO neste momento de vida aqui na Terra.
Se não vibrarmos positivamente as energias que nos cercam, ruiremos estrondosamente no aspecto moral e ético e destruiremos as Ondas do Bem que insistem - felizmente - em equilibrar o Planeta.

Viver por aqui é um grande desafio, sem nenhum dúvida.
Mas os desafios é que nos libertam da ignorância e da zona de conforto que insistimos em habitar.

São apenas algumas linhas para que reflitamos sobre o que estamos fazendo na Terra e por que a turbulência vivenciada por todos os cantos?
É compreensível pelo estágio de evolução de milhões de "pessoas" - que ainda é pequeno, pobre - mas que também nos alerta para a extrema necessidade de MUDAR o estado de coisas.












segunda-feira, 5 de agosto de 2013

EXAGEROS À PARTE.........

Algumas considerações a respeito da goleada sofrida pelo Santos em Barcelona.

Ouço muita gente dizer que "qualquer time" brasileiro nos dias de hoje passaria vergonha diante de clubes europeus.
Há um exagero, no meu modo de entender.

Contra Barcelona, Bayern de Munique, Chelsea e talvez o Manchester, a maioria dos times brasileiros realmente entra em desvantagem técnica e tática.
Mas diante de outras agremiações européias, jogariam de igual para igual.
Haja vista o São Paulo contra o Milan e o Benfica recentemente.  Nenhuma grande diferença técnica nós vimos.  Houve paridade.

Os exageros e também um claro complexo de inferioridade povoam cabeças aqui no Brasil.
O endeusamento do futebol que se pratica lá fora é dimensionado em excesso.

O Peixe perdeu para "o" Barcelona.  Sendo uma equipe que recentemente ficou órfã de Neymar e agora lançando jovens e ainda inexperientes, é óbvio que o Santos entraria em clara desvantagem diante do time catalão.
O placar foi muito elástico?  Sim, foi.   Mas que o Peixe perderia com folga já era esperado.

Portanto, reconheço que estamos defasados, desatualizados em questões táticas, mas nada de menosprezar o nosso potencial técnico, de nossos times e de nossos jogadores.
Há oito meses o Corinthians ganhava do Chelsea e se sagrava campeão do mundo.

Nossa seleção derrotou os poderosos espanhóis, campeões do mundo, há algumas semanas atrás e está com a Copa das Confederações na sala de troféus.

Como diziam as minhas saudosas vovós: devagar com o andor que o SANTO é de barro, gente!!!!!




domingo, 4 de agosto de 2013

UM TIGRE CENTENÁRIO

Dentre as inúmeras agremiações brasileiras que já comemoraram o centenário e outras que estão vivendo o momento histórico, meu destaque é para o RIO BRANCO DE AMERICANA, o Tigre da Paulista.

Um clube que conheci quando criança na rua Fernando Camargo onde além da sede social havia também o "campo de futebol" do Alvinegro.
Levado pelos tios Primo e Quartilho vi os meus primeiros jogos de futebol no Rio Branco.

Nos final dos anos 50 o Tigre parou com o futebol pois dava prejuízo ( já naquele tempo ).

Mas em quase duas décadas de paralisação do futebol o clube seguiu sua vida social.
Era a referência na cidade e região.  Chegou a ter mais de 10 mil associados.  Em suas festas, bailes e grandes eventos da cidade, o Tigre marcou sua vida que hoje chega ao Centenário.
Quantas pessoas se conheceram no interior do clube, namoraram, casaram e formaram sólidas famílias, hoje tradicionais em Americana.  E seus filhos e netos seguiram a tradição.

O Tigre não comemora 100 anos apenas pelo futebol, mas pela entidade social importante que sempre foi.
Ele foi sucesso também no basquete, futsal, hóquei, voleibol, tênis de mesa....

Com a bola rolando no gramado cumpriu todas as suas metas.  Ganhou titulos importantes na década de 20 enfrentando o poderoso Corinthians. Voltou para brilhar no final da década 70.  Chegou à primeira divisão em 1990 e durante muito tempo enfrentou os grandes Corinthians, São Paulo, Palmeiras, Santos, Guarani, Ponte Preta, de igual para igual no estádio Décio Vitta, o Riobrancão.

O atual momento não é dos melhores, já que assim como a maioria dos clubes brasileiros o mergulho em dívidas quase impagáveis foi inevitável.  Mas o velho Tigre sobrevive, heroicamente.

Merece todas as nossas homenagens.
De Americana, da região, do estado de São Paulo.
Um clube importante no cenário brasileiro.
Ninguém chega aos 100 anos por acaso.

1913 - 2013.
4 de agosto.







sexta-feira, 2 de agosto de 2013

PALMEIRAS EM CAMPO HOJE

Hoje, sexta-feira, volto ao Pacaembu para transmitir Palmeiras x Bragantino.

Jogo da rodada 12 da série B do Brasileiro.
Palmeiras, líder.  Braga, nono colocado.

Transmissão do Sportv para todo o País, menos o estado de São Paulo, que poderá ver o jogo pelo Premiére FC.

Esse confronto tem um tabu: o Braga não derrota o Palmeiras na capital há 22 anos.

Palmeiras x Bragantino é às 7 e meia da noite.

Estarei na jornada com Mauricio Noriega - André Hernan - Tiago Crespo.
Mais os produtores, coordenadores e grande equipe técnica no Pacaembu e na Globosat/Rio.



quinta-feira, 1 de agosto de 2013

NOVOS ESTÁDIOS, UM NOVO COMPORTAMENTO.

Me lembro quando foram colocados os primeiros assentos nas arquibancadas do Pacaembu.
( nas numeradas eles já existiam ).

Os comentários ( inclusive o meu ) eram de que os vândalos destruiriam todas elas em curto espaço de tempo e que a medida era desnecessária.
Um colega ao lado retrucou dizendo que no começo poderia ser assim, mas que com o tempo as pessoas iriam se acostumar com a comodidade e deixariam de arrancá-las ou depredá-las.

Dito e feito.
Logo nos primeiros tempos alguns energúmenos depredaram e arrancaram as cadeiras, mas nos dias de hoje dificilmente esses fatos acontecem.
O povo foi se acostumando com a comodidade e com o respeito ao patrimônio da municipalidade.

Podemos dizer o mesmo em relação às novas arenas brasileiras?
Vejam que há uma inquietação quanto a "locais" de torcidas, resistência ao fato de haver cadeiras e as torcidas organizadas não poderem ficar em pé.  Bobagens culturais(?) desse tipo.
Mas com o tempo acredito que a boa educação de comportamento nos estádios será inevitável.
Pode demorar, mas vai acontecer.

Assim como o ser humano imita os maus exemplos, ele é capaz de imitar os exemplos positivos, saudáveis e correspondentes à boa educação.

Vândalos existirão sempre.  O mundo é assim.
Mas há uma esperança de aumentar o número de resignados e corrigidos culturalmente.

Portanto, as novas arenas impõem - mesmo que num primeiro momento sejam antipáticas as medidas - um novo comportamento ao torcedor brasileiro.
Ninguém quer que a massa vá aos estádios de paletó e gravata, nada disso, mas é preciso que o nível de conduta seja compatível com elementos racionais, que nós somos.

Mas essa transformação, ou adaptação aos novos tempos, precisa da contribuição de TODOS.

Só assim, acredito, os maus elementos que POLUEM os nossos estádios serão expurgados e a violência irá diminuir.
E esse "expurgo" será natural, pois eles não se sentirão confortáveis num ambiente onde todos estarão se respeitando.

Repito.  Ninguém quer elitizar a frequência nos estádios ( embora os preços estejam abusivos ) mas o futebol é um espetáculo que merece ser respeitado e acompanhado em ambiente de respeito mútuo.

Precisamos pensar no fato de que uma família tem o direito de ir assistir a um jogo de futebol sem que seja ameaçada em sua integridade física e moral.

É possível!

* e se alguém invocar o argumento de que essas "modernizações" vão acabar com o nosso futebol, cito o exemplo do vitorioso futebol europeu, que é exemplo, e que cresceu muito mais depois das eliminações dos torcedores que apareciam nos estádios apenas para tumultuar.