segunda-feira, 29 de novembro de 2010

QUARTA EM GOIÂNIA

Estou escalado para a primeira partida das finais da Sul-Americana.

Quarta-feira o Goiás representa o futebol brasileiro na competição e pega o Independiente da Argentina no Serra Dourada.

O jogo de volta é em Buenos Aires no próximo dia 8.

Estarei em Goiânia com os amigos Carlos Lino, Ivan Andrade e André Hernan, pelo Sportv, nesta quarta às 21:50h.

O alviverde goiano poderá lançar algo inédito - me parece - na Libertadores, ou seja, disputar a competição sendo um time da segunda divisão nacional.
Se for o campeão da Sul-Americana disputará a Libertadores jogando a Série B do Brasileiro.

sábado, 27 de novembro de 2010

CHUTANDO.....

Tenho ouvido as mais diversas opiniões sobre o campeão ser conhecido neste domingo, ou não.

No futebol tudo é possível.
Haja vista a vitória do Goiás sobre o Palmeiras pela Sul-Americana, quando a maioria apostava na classificação do Verdão de Luiz Felipe Scolari.

Eu não apostaria numa definição amanhã.
Acho que o Corinthians não perde do Vasco, e que o Fluminense não derrota o Palmeiras.
Como também acredito que o Cruzeiro não perde para o Flamengo.

Pressinto que a decisão vá ficar mesmo para a última rodada, mas é claro que é chute, apenas.

Na parte de baixo da classificação temos cinco times lutando bravamente para não ocupar as duas vagas que restam.
São eles: Galo Mineiro, Atlético-GO, Avaí, Vitória e Guarani.
Entendo como o Flamengo fora dessa parada, embora matematicamente o rubronegro ainda possa cair.

Vejo o Grêmio ficando com a quarta vaga da Libertadores e depois torcendo para que o Goiás não seja o campeão da Sul-Americana diante do Independiente.
Não dá, porém, para descartar o Furacão nessa briga e muito menos o Fogão.
Mas na base do chutômetro, aposto mais no Tricolor Gaúcho para o quarto lugar.

O certo é que o Brasil vai parar neste domingo à partir das 17 horas.
Bola em jogo e muita gente envolvida nas emoções do Brasileirão.

PACAEMBU - A MISSÃO

Neste domingo estarei envolvido na cobertura da importante rodada do Brasileirão, trabalhando em Corinthians x Vasco no Pacaembu, pelo PFC ( nacional e internacional ).

Comigo no Paulo Machado de Carvalho, Carlos Eduardo Lino, Carlos Cereto e Edgar Alencar.

Rodada quente, reta de chegada do Brasileirão.

Todos ligados em todos os jogos.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

A CULPA É DO HOMEM

Muito tem se falado e escrito sobre as suspeitas de "entrega" de resultados no Brasileirão.

Sem entrar no X da questão, se tal time entregou ou não, é bom deixar claro que o problema não se prende ao campeonato ser deste ou daquele modelo.

Quando o foco é MORAL, ÉTICO e de RESPONSABILIDADE, os eventos podem ser de qualquer natureza e esquemas de disputa, que os pilantras vão agir de acordo com a sua índole.

A ferida não é o campeonato de PONTOS CORRIDOS. A questão é moral, ética, de honradez.

Nos torneios que chamamos de MATA-MATA também há manobras em fases classificatórias para "escolher" adversários mais na frente.

É só ficarmos atentos às novas leis que são implantadas no País. É só elas acabarem de ser promulgadas para que apareçam modos de burlá-las. Em todos os setores.

Que culpa têm os "pontos corridos" se a violação é das pessoas?

E nesse contexto incluem-se várias personalidades. Poucos escapam. Infelizmente.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

VÔLEI EM OSASCO, HOJE

Esta semana tenho vôlei quase todos os dias.

Ontem transmiti São Bernardo e Araçatuba, com vitória do Vôlei Futuro por 3 a 1.

Hoje tem Osasco x Pinheiros, seis e meia, no ginásio José Liberatti, em Osasco.
Na primeira partida o Pinheiros venceu por 3 a 0.

São as semifinais do campeonato paulista feminino.

Hoje em Osasco estarei com Marco Freitas e Joanna de Assis.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

CONTRATEM O EFEITO SUSPENSIVO

O tal de "efeito suspensivo" entra em campo de novo.

Em resumo, o tribunal pune fortemente, mas depois se arrepende e alivia.

Aconteceu agora com o Palmeiras, mas já aconteceu com tanta gente.

Talvez até o tribunal nem se arrependa, mas a conveniência política em alguns casos é que prepondera.

Vejam agora com o jogo Palmeiras e Fluminense, que aconteceria em Araraquara.
O tribunal cancela a punição e autoriza a partida para Barueri.
Mais pertinho da capital, pertinho do aeroporto para o tricolor carioca e por aí vai...

Isso ocorre também com muitos jogadores que recebem pesada punição, mas que de repente, não mais que de repente, são aliviados na carga punitiva.

E coincidentemente o benefício ocorre rotineiramente aos clubes grandes.

Portanto, Palmeiras x Flu será em Barueri.
Perto de tudo.
Fácil para as duas torcidas, perto do aeroporto para o tricolor carioca e tudo mais.

Enfim, o tal de efeito suspensivo joga muito.

Se o Verdão foi punido em excesso é outra história. Não estou analisando o mérito.
Mas analiso a facilidade com que os grandes clubes conseguem se aliviar junto ao tribunal.

E aí vem a perguntinha: se foi para absolver, por que puniu????

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

HOJE VÔLEI NO SPORTV

Hoje, segunda-feira, estarei transmitindo pelo Sportv as semifinais do Paulista feminino de vôlei.

Aliás, durante toda a semana estarei com as transmissões do vôlei.

O jogo de hoje é Pinheiros x Osasco, seis e meia, no ginásio do Pinheiros.

Comigo, o ex-jogador e jornalista Alexandre Oliveira, com Marco Aurélio Souza nas reportagens.

Muitas campeãs em quadra. O jogo promete ser muito bom.

sábado, 20 de novembro de 2010

ARARAQUARA AO VIVO

Neste domingo transmito Palmeiras x Atlético Mineiro, cinco da tarde, vivo no PFC.

Jogo que vale para o Galo e apenas um amistoso para o Verdão.

Estarei com os amigos Carlos Eduardo Lino e André Hernan, mais todo o time de geração, produção e coordenação. Mais de duas dezenas de profissionais envolvidos no trabalho.

À partir das 15:30h estaremos prontos para participar do programa TÁ NA ÁREA, pelo Sportv.

Previsão de 30 graus em Araraquara na hora do jogo e pequena possibilidade de chuva.

A RODADA DA 'ENTREGA' ????

Na rodada deste fim de semana do Brasileirão, não é apenas a bola que entra em campo, mas também a desconfiança sobre esse ou aquele jogo.

Especula-se bastante, por conta da rivalidade, se essa ou aquela agremiação vai "amolecer" diante do adversário para não favorecer o rival. E por aí vai.

Torcedores e dirigentes são decisivos em afirmar que gostariam que houvesse a "entrega" de resultado, com o intuito de não ver o rival comemorando pontos ou titulo.

Mas, particularmente, não acredito que os jogadores desse ou daquele time entrem nessa.

O atleta, hoje, e mais do que nunca, pensa exclusivamente na sua carreira e nos ganhos dos seus contratos.
À eles pouco importa se está defendendo o clube B ou Z.
* São poucas as exceções aqui. Casos de Marcos no Palmeiras, Rogério Ceni no São Paulo, Harley no Goiás. E não me lembro de mais ninguém.

Então, vejo que os jogadores não entram em campo para "perder", pois eles não têm nenhuma identificação emocional com qualquer agremiação.

Coloco nessa roda os treinadores, igualmente profissionais e sem qualquer ligação sentimental com um clube em especial.

Posso estar sendo ingênuo, mas é a visão que tenho.

Na roda viva da atualidade, onde os atletas mudam de clube anualmente, ou até em menor tempo, fica dificil acreditar que eles se apeguem sentimentalmente às associações.

Mas a rodada vai começar e todos estarão ligadíssimos nos acontecimentos.

Haverá um policiamento sobre o comportamento dos times envolvidos em possíveis armações, haverá desconfianças, não faltarão conclusões precipitadas sobre alguns lances e desempenho de atletas, e árbitros.
Enfim, o futebol é assim.
A nossa cultura é assim.

Prefiro defender a minha tese sobre os jogadores e treinadores.
Eles defendem o "deles" e os clubes que os remuneram.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

FLÁVIO ARAÚJO, O GRANDE NARRADOR

Prosseguem as justissimas homenagens a Eder Jofre, que em 18 de novembro de 1960 conquistou o título mundial dos galos diante de Eloy Sanches.

Aproveito a data para homenagear e lembrar do grande narrador dos memoráveis combates de Eder naquela época: FLÁVIO ARAÚJO.

Ouvia as lutas de Eder pelo rádio e a comunicação do estupendo Flávio.

Brilhante narrador, inteligente, culto, fiel aos acontecimentos, vibrante.
Além do ser humano especial que sempre foi.

Quando fui contratado pela rádio Bandeirantes, tive a enorme responsabilidade de entrar no lugar de Flávio Araújo, começo de 1980.

Araújo deixava a emissora do Morumbi depois de quase 30 anos de casa.

Um nome consagrado do rádio.

Uns dias depois de assinar o contrato, encontrei Flávio pelos corredores da Bandeirantes.
Fui cumprimentá-lo e já nos conhecíamos de viagens e jornadas.

Naquele fim de semana ele faria a sua despedida transmitindo um jogo no Morumbi.

Para a minha surpresa, Flávio me parabenizou por chegar à emissora e me convidou para acompanhá-lo na sua última transmissão pela Band.

Me disse que seria importante eu estar na cabine ao seu lado, afim de tomar conhecimento do esquema de transmissão e de como tudo funcionava.

Enfim, uma pessoa de grande caráter, compreensiva, amiga, solidária.

Poderia perfeitamente estar revoltado com a saída da emissora e desprezar qualquer tipo de ajuda e cortesia a quem estivesse chegando, mas Flávio Araújo deu um exemplo raro de maturidade e de coleguismo.

Nunca me esqueci disso.

E agora quando se comemoram os 50 anos do titulo mundial de Eder Jofre, rendo homenagens a Flávio Araújo, hoje morando no interior paulista e com a merecida aposentadoria.

Nunca tive oportunidade de dizer isto pessoalmente a ele, mas escrevo agora com todas as letras: UM DOS MEUS IDOLOS DO RÁDIO.

PALMEIRAS X GALO É O JOGO

Domingo vou a Araraquara, belíssima Arena da Fonte Luminosa, transmitir Palmeiras e Atlético Mineiro, pelo PFC.

O jogo é às cinco da tarde, horário de Brasilia.

Palmeiras deve ir com uma escalação meia-boca, enquanto o Galo terá de jogar tudo o que sabe para ganhar e dar mais um passo pra fugir do descenso.

Estarei com os amigos Carlos Eduardo Lino e André Hernan.

À partir das três e meia da tarde já estaremos prontos para o TÁ NA ÁREA, programa do canal Sportv.

HOJE O ARENA SPORTV

Hoje, quinta, apresento o Arena Sportv.

Mauricio Noriega, titular do programa, está voltando de Goiânia, e por isso estarei a postos na apresentação.
Duas da tarde, ao vivo.

Direção do amigo Carlos Cereto, comando de produção de Laura Fonseca, coordenação do excelente Wilson Gomes.

Debates sobre Brasil e Argentina, a vitória do Palmeiras em Goiânia, os amistoso internacionais, além da projeção para a rodada quentíssima do Brasileiro no fim de semana.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

NARRADOR DE FUTEBOL

Quando me perguntam sobre a importância do narrador esportivo, analiso com frieza e dou respostas que muitas vezes se chocam com o pensamento coletivo.

Em primeiro lugar, é preciso fazer a distinção entre o narrador de rádio e o de televisão.

O comunicador do rádio é mais importante, porque é ele quem relata o evento em minúcias e detalhes, tendo a enorme responsabilidade de formar a imagem da partida para o ouvinte.

É ele quem desenha o que se desenvolve no gramado e nas arquibancadas. Ele é o guia do ouvinte. Mentor das idéias e do relato.

Precisa ser ágil, fotografar mentalmente tudo o que está à sua frente e transmitir todas as cores do que se lhe apresenta.

Tem de colocar a dose certa de emoção. Viver as emoções dos lances e passar para os ouvintes.
A linguagem do rádio é a da emoção, mesmo em eventos mornos.

O locutor de rádio numa transmissão de futebol é quem carrega nas costas a carga maior.
Tudo é importante, é óbvio, como o analista, os repórteres, os coordenadores, produtores, operadores técnicos, e tudo mais.
Mas se o narrador não tiver carisma, tudo desmorona.

Já na televisão, tenho uma visão diferentes e algumas vezes contestada até por diretores do veículo.
Não vejo o narrador como a principal peça da máquina.
Em primeiro lugar tem a IMAGEM.
Televisão é o que? IMAGEM.

Assim, a imagem é que prepondera.
Os comunicadores apenas fazem parte do trabalho, ilustrando o que o telespectador está vendo, e nada mais.
É preciso cuidados, obviamente.
É preciso muita atenção aos cortes do diretor de imagens.
É preciso respeitar o que o telespectador está assistindo.

É preciso estar inteirado do evento, com todas as informações.
Precisa estar situado no contexto do espetáculo que se desenrola.

Alguns diretores de televisão acham que o narrador deve ser um animador de transmissão.
Já ouvi isto de importantes diretores.
Outros entendem que quanto mais polêmico o comunicador, melhor para a repercussão do trabalho.

Mas aqui do meu simples cantinho, prefiro que o narrador seja discreto e que não queira ser mais importante do que as imagens transmitidas.

Descontrair é uma coisa, superar-se às imagens é ir na contramão do veículo.

Não falo apenas como um profissional da área, mas como um telespectador que também sou.

Pessoalmente, não gosto que o narrador me inquiete no sofá.
Não gosto que a minha inteligência e o meu discernimento sejam aviltados, com imposições ou coisa que o valha.

É claro que o narrador precisa, em alguns momentos, ser incisivo e emitir o seu parecer - embora essa tarefa seja especialmente do comentarista - mas na dose certa.
Fazer prevalecer a sua opinião não é legal.

Em resumo, a função do narrador esportivo é séria, dificil e muito delicada.
Mexe com as emoções das pessoas.
Conflita, às vezes, com a interpretação de quem está do outro lado.
Está todo o tempo exposto na vitrine.
São centenas de milhares de pessoas ouvindo e tendo suas conclusões.

Deixo claro nesse post que são observações pessoais sobre a profissão. Nada mais do que isso.

Longe de mim lançar criticas a companheiros. Não tenho o direito e nem autoridade para tal.

Cada um faz do seu jeito, de acordo com as suas convicções e características.

A CHORADEIRA É LIVRE. E NORMAL

Reta final de campeonato e a choradeira é inevitável.

Nem me refiro ao penalti marcado em cima de Ronaldo no jogo contra o Cruzeiro, mas de maneira geral.

Agora, quando a coisa aperta pra muita gente, a saída é jogar tudo nas costas das arbitragens para justificar jogos perdidos, desclassificação ou até rebaixamento.

Ninguém fala de pontos absurdamente perdidos ao longo da competição.
Ninguém fala de gols perdidos de maneira infantil durante o campeonato, de falhas gritantes de planejamento ou até de lances isolados de deficiência técnica.

Ninguém quer admitir erros e falhas, afinal, é mais fácil jogar em cima dos apitadores e levantar hipóteses de armação, conspiração e por aí vai.

Ninguém ressalta favorecimentos em erros de arbitragem, aqui ou ali. Isso, rápida e convenientemente é esquecido.

O sangue ferve e a culpa é sempre atirada em quem apitou o jogo.

É compreensivel, mas convenhamos, não é justo.

Nada me convence sobre a tese que defendo: TODOS ERRAM.
Em sendo HUMANOS, todos cometem equivocos.
Todos.
Árbitros, jogadores, treinadores, preparadores fisicos, dirigentes e jornalistas.

Ninguém é perfeito em qualquer atividade.

E se todos erram, por que a culpa exclusiva dos árbitros?

Não me refiro a desonestidade, evidentemente.
Há desonestos em todos os setores.
Mas prefiro atribuir os erros dos juizes às dificuldades de se apitar futebol.
Ainda mais nos dias de hoje com as câmeras de tevê, a pressão dos clubes e da própria imprensa em alguns momentos.

Mas a choradeira é livre.

E quanto as suspeitas de armação para que este ou aquele seja o campeão, isso é muito antigo.
Faz parte da nossa cultura desconfiar de tudo e de todos.
E confesso que temos razão para tal, em todos os segmentos.

Mas no futebol, caso especifico, há acontecimentos que derrubam a tese(?).
Por exemplo, o Fluminense não é campeão brasileiro desde 1984.
O Flamengo fazia tempo que não levantava o caneco e foi campeão só no ano passado.
E o Vasco, então?
Palmeiras. Há quanto tempo não é campeão nacional?
E todos são grandes clubes e que na tese da conspiração, deveriam ser favorecidos.

Lembram-se de quando o Corinthians ficou 23 anos sem ganhar o Paulista?
Será que a Federação Paulista naquela época foi muito incompetente nas "armações"?

Gente, futebol é paixão e por isso as especulações, as ilações, conclusões sobre isto ou aquilo.

Prefiro crer nos ERROS HUMANOS.

Mas as observações e os julgamentos são livres.

Particularmente, depois de muitos anos na estrada, ouço as reclamações e as acusações com grandes ressalvas. Compreendo o desespero e relevo inteiramente.

Mas fico indignado com a carga colocada EXCLUSIVAMENTE na cabeça dos apitadores.

domingo, 14 de novembro de 2010

TÁ CHEGANDO A HORA DA DECISÃO

Fim de rodada.

Grêmio Prudente matematicamente rebaixado.
As outras três vagas ficam entre Goiás, Avaí, Guarani, Atlético Mineiro, Vitória, Flamengo e um pouco mais distante o Atlético Goianiense.

Corinthians e Fluminense estão mais diretamente ligados na briga pelo título.
Nos números, o Cruzeiro ainda tem chance.
A quarta vaga da Libertadores - caso Goiás ou Palmeiras não levante o caneco da Sulamericana - está entre Botafogo, Atlético PR, Grêmio e São Paulo.

Cresce a expectativa sobre as futuras atuações de São Paulo e Palmeiras diante do Fluminense, concorrente direto do Corinthians pelo titulo.
Haverá amolecimento ou não?
Prefiro acreditar na responsabilidade profissional de palmeirenses e sãopaulinos.

No próximo domingo o Fluminense encara o São Paulo no Morumbi.
No mesmo dia e horário, Vitória e Corinthians, em Salvador.

Na parte de baixo da classificação, o Prudente já caiu.
Flamengo pega o Guarani no Engenhão, sábado, e Luxemburgo pediu para a diretoria rubronegra abaixar o preço do ingresso.
Atlético Mineiro, que vai se reabilitando, pegando o Palmeiras o interior paulista.
Goiás terá o Santos no Serra Dourada.
Avaí joga na Ressacada com o Atlético Goianiense.
Vitória terá o Corinthians no Barradão.

Faltam três rodadas e está tudo em jogo, à exceção da queda do Grêmio Prudente.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

BASQUETE FEMININO COMEÇANDO

Neste sábado tenho transmissão de basquete.

Abertura do Nacional feminino.

Santo André x Americana, cinco da tarde, vivo no Sportv.

Lá estarei com o professor Byra Bello nos comentários e as reportagens do querido Marcos Peres.

HOJE O VÔLEI

Deixo Florianópolis e hoje, sexta feira, transmito Superliga de Vôlei.

Seis e meia da tarde tem Pinheiros x Cruzeiro, no ginásio do Pinheiros, ao vivo no Sportv.

Comigo os amigos Alexandre Oliveira e Joanna de Assis, mais Estevão Nunes e Gustavo Vilella, os homens competentes da coordenação.

Tem Giba em quadra.

É o comecinho da Superliga.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

QUINTA EM FLORIANÓPOLIS

Tenho trabalho nesta quinta-feira em Florianópolis.

Jogo das quartas-de-final da Sulamericana entre Avaí x Goiás, oito da noite.

Na primeira partida em Goiânia foi 2 a 2.
Os dois gols feitos no Serra Dourada dão ao Leão Catarinense a vantagem nessa partida de volta na Ressacada.
Empatando em zero a zero, ou por 1 a 1, O Avaí chegará às semifinais da competição.

O alviverde goiano precisará, caso não vença, de um empate por 2 a 2 para levar aos pênaltis.
Se houver 3 a 3 o Goiás estará se classificando.

As duas equipes jogam a Sul-Americana, mas na verdade estão angustiados com suas situações no Brasileiro. Os dois treinadores armam esquema de escalações e poupança de atletas visando mesmo as rodadas finais do campeonato nacional.

Estarei na Ressacada com os amigos Carlos Eduardo Lino, Dolmar Frizon e Ivan Andrade.
Transmissão do Sportv às 8 da noite, para todo o País, inclusive Santa Catarina.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

A HORA DO DESESPERO

Reta final de campeonato é onde começam as especulações, ilações, propostas de conspiração, e a velha choradeira de pontos perdidos ao longo do campeonato.

Tudo é válido.
O futebol é assim, mesmo.
Ele suscita comentários dos mais diversos teores.

Não faltam também as suspeitas sobre algumas arbitragens.

Reta de chegada emociona, bate o desespero, quebram-se expectativas, é tiroteio verbal pra todos os lados.

Eu diria que é tudo isso, MAS na verdade o que pesa são os vacilos dos clubes ao longo do campeonato.
Aqueles empates em casa, aquele tropeço num jogo que parecia vencido, as derrotas para adversários teoricamente mais fracos, e por aí vai.

Foram os gols perdidos, as gritantes falhas táticas, os erros dos árbitros, tudo o que possa justificar o momento delicado agora na reta final.

Busca-se tudo o que é possível para explicar(?) as dificuldades dessas últimas partidas.

O futebol provoca choros.
Provoca leviandades ao se acusar esse ou aquele profissional sem a devida prova.
Não adianta querer que seja diferente.

Particularmente, dou de ouvidos às reclamações e entendo todo o espernear dos envolvidos, tanto na briga pelo acesso e Libertadores, como na zona de rebaixamento.

Cá entre nós, não seria compatível se fosse diferente o comportamento das pessoas em um esporte tão empolgante como o futebol.

Um rio de lamentações continuará a correr nessas últimas rodadas, nesses últimos momentos do Brasileiro.
Absolutamente normal.

domingo, 7 de novembro de 2010

FALTAM SÓ 4 RODADAS

Perdão, amigos.

Corrigindo o titulo do post anterior.

FALTAM SÓ 4 RODADAS.


obrigado.

FALTA SÓ 4 RODADAS

Fechada mais uma rodada do Brasileirão.
Faltam apenas quatro.

Continuo achando que três clubes brigam pelo título: Flu, Corinthians e Cruzeiro.
Pela vaga restante da Libertadores - caso um brasileiro não seja o campeão da Sulamericana - temos Botafogo, Atlético Paranaense, Grêmio, São Paulo.

Palmeiras segue de olho no caneco da Sul-Americana para se garantir na Libertadores de 2011.

Guarani cada vez mais se candidata ao rebaixamento. Queda livre do Bugre. Nas últimas oito partidas somou apenas dois pontos.

Flamengo dá mais um susto na sua galera, embora não acredito que vá ficar entre os últimos quatro colocados.

Goiás está se juntando ao Prudente rumo à Série B.
O mesmo se podendo dizer do Avaí.

Internacional daqui a pouco viaja para o Mundial e deixará por aqui somente os reservas e juniores, uma leve esperança aos adversários do Brasileiro que enfrentarão o Colorado na sequencia do campeonato.

Dá uma olhada na próxima rodada....

Corinthians x Cruzeiro, no Pacaembu.

Santos x Grêmio, na Vila Belmiro.

Vasco x São Paulo, em São Januário.

Fluminense x Goiás, no Engenhão.

Guarani x Vitória, em Campinas.

Atlético Mineiro x Flamengo, em Sete Lagoas.

Inter x Avaí, em Porto Alegre.

Atlético Goianiense x Palmeiras, em Goiânia.

Ceará x Botafogo, em Fortaleza.

Atlético PR x Prudente, em Curitiba.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

VAMOS A SETE LAGOAS

Neste sábado vou a Sete Lagoas, Minas Gerais.

Tem Atlético Mineiro e Santos, sete e meia da noite, vivo no Sportv ( menos MG ) e PFC (nacional e internacional).

Reencontro da meninada do Peixe com Dorival Júnior, ou mais especificamente de Neymar com o treinador.

Galo meio no desespero pra escapar da degola, um Peixe tranquilo apenas cumprindo tabela.

Estarei nessa com os amigos Bob Faria, Josino Ribeiro e André Hernan.

Sete Lagoas fica a aproximadamente 70 quilometros de Belo Horizonte.
A Arena do Jacaré é um estádio muito bonito e com ótimo gramado.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

HOJE PACAEMBU E A FESTA NA BAHIA

Hoje tenho transmissão no Pacaembu.
Corinthians x Avaí, nove e cinquenta, no PFC.

Ontem estive narrando Bahia e Coritiba, um jogo emocionante, casa cheia, e o lamentável acontecimento da fratura do lateral Triguinho.

Duas equipes que praticamente já subiram.
Aliás, nesta série B entendo que só falta a definição da quarta vaga, que está entre Sport e América Mineiro.
Bahia, Coritiba e Figueirense já podem planejar a participação na elite em 2011.

Show da galera tricolor baiana. 32 mil pessoas em Pituaçu e uma vibraçao fantástica.

Nota DEZ para o gramado do estádio Roberto Santos, um dos melhores do País.
Com o detalhe de que são poucos, hoje, os bons gramados no Brasil.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

O PERDÃO.

Luiz Felipe Scolari continua sem pedir perdão pelas grosserias cometidas nas últimas coletivas.

Alguns poderão dizer que pedir perdão é hipocrisia, algo formal. Mas um pedido de perdão, além de ser um ótimo exemplo, alivia as tensões e faz as pessoas refletirem melhor.

Por sinal, divagando um pouco, aí está uma das coisas mais dificeis da vida: pedir perdão.
Mexe com a nossa tola vaidade, com o nosso orgulho próprio e por aí vai.

Outra coisa que é também muito dificil: perdoar.
Resistimos até o último instante para perdoar alguém, como se o ato fosse depreciativo ou coisa que o valha.
Quando na verdade, perdoar é um ato de grandeza interior.
É um "up" em nossso crescimento espiritual.

Mas voltando ao caso Felipão, ele pisa na bola em se recusar a dar entrevistas e em manter um novo contato com os jornalistas.
Nós, profissionais, ficamos de biquinho, achando que "merecemos" um pedido de desculpas.

No fundo dá para concluir o seguinte.
Cada qual com a sua consciência, ora bolas.
Se esse senhor de 60 anos de idade, vivido, bem sucedido na vida material, chefe de familia, não se rende em pedir desculpas aos profissionais, o que mais se pode fazer?

Que Felipão continue nas suas convicções pessoais, e que a mídia siga trabalhando da mesma maneira, ou seja, reportando, criticando, informando, opinando, com o respeito que o semelhante sempre merece.