quinta-feira, 11 de julho de 2019

NEI COSTA.

Anos 80 quando cheguei à rádio Bandeirantes de São Paulo.

Mudanças no departamento de esportes e fomos chamados ( Dalmo Pessoa e eu ) para integrar a equipe 840 da Band, chefiada por Osvaldo dos Santos e Flávio Adauto.

A programação musical da emissora bombava na audiência com grandes nomes no ar.

Um dos campeões de audiência, NEI COSTA.
Alegre, vibrante, ele alegrava as manhãs com seu programa "AS MAIS MAIS".
Inteligente, versátil, dava índices extraordinários no Ibope.

Seu programa era tão bom que para a Copa do Mundo de 1982 na Espanha o Nei viajou com a equipe de esportes e apresentava de lá AS MAIS MAIS.

E na Espanha, no Centro de Imprensa ou no saguão do hotel, Nei dava show.
Sua veia artística vibrava intensamente, imitando grandes narradores ( e ele foi um deles, atuando no rádio paranaense e carioca, antes de apresentador musical ).
Riamos muito com ele.

Numa das transmissões que faziamos dos estúdios em Madri minha garganta não estava 100% e ele me substituiu brilhantemente.

Mas o ponto alto dessa cobertura na Copa de 82 foi quando a seleção brasileira caiu diante da Itália no fatídico Sarriá.
Nei dividia o quarto com Luiz Augusto Maltone.
Fiore Gigliotte transmitiu a partida lá de Barcelona e nós vimos o jogo no saguão do hotel juntamente com dezenas de jornalistas estrangeiros.

A decepção foi tamanha que cada um de nós saiu para um lado logo que terminou a partida.

Eu fiquei andando e curtindo a derrota por mais de 2 horas na Gran Via.

Retornando ao hotel encontrei o amigo e saudoso Maltone ali na recepção.
Ele com os olhos esbugalhados me relatou o que tinha acontecido.

Nei Costa tinha arrumado as malas e foi para o aeroporto se aventurar em pegar o primeiro avião para o Brasil, impactado pela derrota do Brasil e a eliminação.

E deixou o recado em cima da cama para o Maltone explicando seu sumiço.

Conto esse ocorrido numa homenagem ao querido comunicador e amigo, além de realçar o que era NEI COSTA.    Sensível, cara de decisões rápidas, impetuoso, autêntico.

Ele marcou no rádio brasileiro.
Marcou na vida das pessoas mais próximas a ele, pela generosidade plena.

VAI EM PAZ, AMIGO NEI!


Nenhum comentário:

Postar um comentário