segunda-feira, 8 de outubro de 2018

POLÍTICA. DECEPÇÕES. CONSTATAÇÕES.

Por que me calo em época de eleições?

Primeiro porque pouco entendo de política apesar de entender muito bem as manobras que nela os oportunistas praticam.

Há tempos que deixei de acreditar no discurso da imensa maioria dos políticos.

Vejo principalmente nas campanhas que o oportunismo e a hipocrisia campeiam escandalosamente ofendendo e menosprezando a inteligência de todos nós.

Vou às urnas desde os anos 70 e tive uma experiência em campanha nessa época, onde as decepções começaram a surgir à minha frente.

Não é preciso dizer que generalizar é sempre um erro e muitas vezes uma injustiça.
Mas o balanço é que é forte no sentido de que a pilantragem prevalece.

Os que têm boas intenções e propósitos tem sido engolidos pelo viciado sistema político.

Na verdade, tudo tem raiz na conduta moral e ética das pessoas.
Comportamento reto, honesto, digno, é que norteia o rumo das coisas.
E infelizmente a política tem um poder funesto de tirar proveito dos defeituosos de caráter.

E tem sido assim ao longo da história brasileira.

Outra coisa que contribui para que os políticos profissionais cresçam e apareçam é o fato de sempre serem endeusados, bajulados e colocados num pedestal que não merecem.

Político jamais deveria ser idolatrado.
Eles, eleitos, nada mais fazem que nos representar publicamente e com o dever de nos defender.
São muito bem remunerados, tem equipes de apoio além do necessário, vantagens exageradas em todos os sentidos, afora outras benesses indevidas.

Fico indignado quando vejo alguém beijando políticos, querendo selfies, dando tapinhas nas costas, pois ídolos verdadeiros temos em outras áreas, como na ciência, na benemerência, no sério trabalho espiritual e por aí vai.

O político quando atende à população nas áreas básicas e essenciais está simplesmente fazendo sua obrigação, cumprindo o que prometeu quando empossado no cargo.

Idolatrar políticos é dar alimento à sua vaidade e ao seu pretenso empoderamento.

As reformas que o País verdadeiramente precisa não saem do lugar.   São empurradas para a frente descaradamente há décadas.

E nesse aspecto sou pessimista, pois do jeito que a classe política trabalha(?) nenhum presidente de plantão conseguirá mexer nas feridas abertas.
É uma indolência e uma conveniência revoltantes.

Me desculpem o pessimismo, mas a vida ao longo de meus quase 70 anos é que me mostrou um quadro escancarado disso.

E nada é modificado num piscar de olhos.
O processo é lento, demorado, e muitas vezes emperra por conta da irresponsabilidade dos que são eleitos.

Que os otimistas estejam certos.




Um comentário:

  1. Abonei em salto ! Parabéns Jota! Foi o que eu li de mais bonito e sensato até agora ! Abraços

    ResponderExcluir