terça-feira, 11 de julho de 2017

EDUARDO LUIZ, O LIGEIRINHO.

Por mais que queiramos entender que a MORTE é apenas da matéria, pois esta é perecível, quando surge a notícia da partida de um amigo dói o coração.

Eduardo Luiz, o Ligeirinho, deixa o mundo terreno depois de 71 anos de caminhada.

Conheci Ligeirinho ainda na rádio Gazeta de São Paulo quando lá cheguei em 1976.
Ele se revezava no plantão informativo e nas reportagens ainda se iniciando.

Simples de coração, porém sempre empenhadíssimo como repórter, apurador de fatos.

Ganhou o apelido de "ligeirinho" pois era só um jogador se machucar que lá estava ele em desabalada carreira para saber o que se passava.
* naqueles tempos o repórter tinha essa liberdade nas laterais do gramado.

Chegava sempre antes que os outros.  Rápido, ligeiro, priorizando a informação.

Vim depois a trabalhar com ele na rádio Bandeirantes, inicio dos anos 80.

Dileto amigo, companheiro, batalhador incansável na carreira.

Fez seu nome do rádio e constituiu família linda.
Seu filho, Marcos Luís, é brilhante repórter também, atuando hoje na Bandeirantes/Campinas, tendo passado por vários prefixos da Capital.

Ligeirinho, apelido carinhoso dado por Fiori Gigliote nos tempos de Band, deixa legado valioso para o rádio esportivo e principalmente para a sua família, rica em honestidade, ética e amor ao próximo.




2 comentários:

  1. Que noticia triste Jota, o Ligeirinho fez parte da minha iniciação de torcedor, na época de Bandeirantes onde o radio era uma potência, me lembro dele e me lembro que tinha outro repórter com o apelido de "Olho Vivo", alias sabe noticias dele?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Roberto, quanto ao Roberto Silva, o Olho Vivo, infelizmente ele também faleceu e já faz algum tempo. Lamentável.
      abraço do jota.

      Excluir