sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

ROGÉRIO CENI - A DESPEDIDA.

Rogério Ceni deixa os gramados.

25 anos de São Paulo, goleiro artilheiro, grandes conquistas, grande identificação com a galera tricolor, uma carreira digna de elogios e história.

Nunca me atrevo a dizer que esse ou aquele jogador foi o MAIOR mito desse ou daquele clube.

Várias gerações vestiram a camisa e no seu tempo se tornaram mitos da galera.

No próprio Tricolor eu citaria José Poy, Sérgio Valentim, Waldir Peres, De Sordi, Mauro, Oscar, Beline, Canhoteiro, Zizinho, Roberto Dias, Bauer, Yeso Amalfi, Pedro Rocha, Zetti, Cafu, Gino Orlando, Alfredo Ramos, Raí, Serginho, Gilberto Sorriso, Gerson, Careca, Muller, Silas....e etc etc etc.

Cada um, a seu tempo, foi ídolo da galera sãopaulina.

Mas nesse grupo de elite que citei - e fatalmente muitos nomes faltaram na lista acima - é óbvio que Rogério Ceni entra com um peso extraordinário.

Ele, inclusive, viveu na carreira todo o favorecimento da expansão de mídia que hoje existe.

A visibilidade nos dias de hoje e já de algum tempo é espetacular.
E aqui entra o mérito de Ceni ter entrado na mídia como um profissional sério, dedicado, tecnicamente ótimo, um ícone da galera.
Outros, com toda a força da mídia, lançaram seus nomes na lama com procedimentos pobres, de má conduta.

Rogério pode ser criticado pelo seu temperamento e tal, e ele mesmo admite que tem gênio difícil, mas isso é um fato pessoal.   Como atleta, em análise fria e justa, não dá para colocar defeito em sua carreira, que é muito vencedora.

E fico muito à vontade para escrever sobre Ceni pois nunca tive contato pessoal com ele, o que poderia influenciar a minha análise, se alguém pudesse pensar assim.

Minha homenagem ao atleta ROGÉRIO CENI.

O São Paulo e o futebol agradecem.




















Nenhum comentário:

Postar um comentário