terça-feira, 10 de novembro de 2015

MUDANÇA DE ATITUDE

Nos últimos tempos tento não desestimular as pessoas apaixonadas pelo futebol, mas faço advertências sobre os perigos dos excessos e sobre o que acontece nos bastidores desse esporte.

O torcedor deve continuar admirando o futebol porque afinal é uma modalidade magnetizante.
É lindo ver a bola rolar e as nuances que uma partida oferece.

Porém é prudente que se analise o quanto é inteligente respeitar os limites da paixão.
Todos os envolvidos são profissionais, menos o torcedor.
Portanto é necessário avaliar se vale a pena brigar, discutir, perder amizades, por causa de um jogo de futebol.
Vale brincar, se divertir, gozações leves e respeitosas, e principalmente com quem conhecemos, mas apenas isso.  

Não há que colocar o futebol como a matéria mais importante de nossas vidas.
Não é.

É inteligente priorizar elementos mais importantes e colocar o futebol no seu devido lugar.

Outra coisa que se faz necessária é mudar o comportamento em relação ao analisar lances e resultados.
É bonito o torcedor reconhecer, por exemplo, os méritos da vitória do adversário.
Seria ótimo que os lances duvidosos fossem analisados com justiça, isenção, visando o bem do esporte, aquilo que chamamos de fair-play.
Se queremos honestidade em nosso cotidiano e cobramos das pessoas, precisamos também agir assim nas coisas relacionadas ao futebol.

No vôlei, no tênis, há muita elegância e disposição quanto a ajudar as arbitragens em possíveis equívocos.  Um belo exemplo para o futebol pensar e refletir.

Tudo isso é um sonho, sei que a maioria está dizendo.
Devo estar sendo tachado de sonhador por outros.
Mas estamos no mundo para tentar mudá-lo.
E somente com alertas, conselhos, discussões saudáveis, ATITUDES, é que poderemos começar a modificar o padrão de idéias e pensamentos.

Não tiro dos torcedores com quem falo o direito de seguirem fanáticos e apaixonados, mas sempre alerto para os perigos decorrentes e para a necessidade de se agir mais cautelosa e prudentemente.
É uma questão de inteligência a ser aplicada no sentido de tudo melhorar.

Em suma, precisamos melhorar a nossa cultura, o entendimento do que seja correto para que tudo caminhe equilibradamente e depois certamente virá a melhoria do País.

Vamos colocar o futebol no seu lugar, qual seja o de ser um esporte para entretenimento, diversão, preenchimento das horas de lazer.   Nada além disso.

É uma competição, claro, envolve milhões de reais e interesses comerciais, mas do lado de cá, da torcida, trata-se apenas de um esporte para entreter.

Enfim, não se envolva em rancores e ódios desnecessariamente.
Produzir venenos em nosso organismo por causa de um esporte é pouco inteligente.

Pensemos seriamente nisso.












4 comentários:

  1. Jotinha, o que você disse "Enfim, não se envolva em rancores e ódios desnecessariamente." se aplica para todas as nossas atitudes, no dia-a-dia. Sem rancor e ódio, tudo fica melhor, inclusive o Futebol! Boa, Jotinha! Abs,

    ResponderExcluir
  2. Penso exatamente assim, amigo Jota. Sou torcedor do Palmeiras, gosto quando o time vai bem, e de acordo com as regras do jogo. Muito melhor perder, mesmo retrocedendo para divisões inferiores, do que vencer usando artifícios ilícitos. Precisamente por isso, admiro o grande esportista brasileiro Guga Kuerten, que sempre soube vencer e perder com a mesma elegância. Nunca vou esquecer seus feitos em Roland Garros e nas quadras mundo a dentro.
    Precisamos lembrar que se nosso time é grande, é porque seus adversários também o são...se fossem medíocres, o nosso talvez nem mediano seria.
    Você tem razão de sonhar comum futebol absolutamente ético...o sonho precede a realidade.
    Um abraço, amigo!

    ResponderExcluir