domingo, 1 de junho de 2014

AS PERDAS FÍSICAS QUE COMOVEM

O fantasma da morte (física) continua a nos assustar, a nos amedrontar.

E quando perdemos pessoas queridas ou muito próximas aumentam a nossa ansiedade e inquietude sobre esse "fenômeno" que chamamos de MORTE.

Independentemente de crenças religiosas ou teses filosóficas, perder o contato com pessoas da nossa relação, seja intima ou profissional, é sempre muito doloroso, machuca demais.

E perdemos o querido Mauricio Torres, amigo e colega de profissão.
Não tive muitos contatos com ele, mas os poucos que aconteceram foram de respeito e de admiração mútua.  Algumas vezes trocamos e-mails e através das redes sociais, sobre a vida e o futebol.

Mauricio foi uma entidade gentil, educada, correta, profissional competente e super dedicado.
Integrou grandes equipes de rádio e televisão com autoridade, simpatia e carisma.

A verdade é que ele foi "chamado" e é assim que devemos entender, à partir da crença fiel de que há um Comando Cósmico Inteligente, e justo.

Fico com a corrente de que a morte é FÍSICA, e que nosso principio inteligente ( nossa consciência ) não falece, pois este sim é imortal.
Portanto, as pessoas queridas que falecem fisicamente, seguem seus caminhos espirituais, cósmicos, etéreos, em outra vestimenta cuja capacidade de compreender ainda nos é difícil, mas não impossível de depreender. 

E além de Mauricio Torres, o falecimento físico de MARINHO CHAGAS.
Um dos mais importantes jogadores brasileiros na história.
Marinho encantou o mundo na Copa de 74 na Alemanha.
Simples, autêntico, modesto, jogava muita bola.
Deixa seu nome encravado na história do futebol.
Vai com Luz em sua nova caminhada, Marinho.







Um comentário:

  1. Infelizmente, o Marinho Chagas foi mais uma vítima do vício que tanto abala a humanidade, o álcool. Que Deus o abençoe na nova etapa de sua existência, assim como sua família. O Maurício Torres é mais um desses baques que a gente sofre na nossa profissão este ano, difíceis de entender, talvez porque não tenhamos nem de longe a capacidade necessária para compreender esses desígnios, apenas para aceitar e seguir em frente com a fé necessária para tocar a vida e buscar um mundo físico melhor para nós que aqui ficamos.

    Boa semana, Jota!

    ResponderExcluir