quinta-feira, 1 de maio de 2014

1 DE MAIO DE 1994 - 58 MIL VOZES

Faço uma interrupção na série sobre as Copas de Luciano do Valle pela Band.

Hoje é Primeiro de Maio, data celebrativa do Trabalho, mas que no esporte ficou marcada pela tragédia de 1994 em Imola, Itália.

Ayrton Senna encantava o mundo da velocidade com o seu talento e arrojo.
Projetavam-se com ele recordes e mais recordes na Fórmula-1.
O piloto brasileiro seria imbatível por muitos anos seguidos.
O povo brasileiro adorava acordar cedo aos domingos e ligar a televisão na certeza de que vibraria com Senna nas pistas.

Me lembro de quando transmitia as corridas da F-1 pela rádio Bandeirantes de São Paulo, e quando um dia em Silverstone ( 1981 ) o amigo Edgar Mello Filho me apontou para um garoto que circulava pelos boxes.
Mello, profundo conhecedor de automobilismo, falou que aquele menino, Ayrton da Silva, iria se transformar num dos maiores pilotos do mundo.
Nas fórmulas inglesas Senna já papava todas as corridas e troféus.

Mas voltando ao Primeiro de Maio de 1994....
Dificilmente eu acordava para ver as corridas, mas naquele dia "algo" me despertou e me recomendou assistir à largada do GP de Imola.
Acompanhei a largada...comecei a ler o jornal do dia e momentos depois a voz de Galvão Bueno sentenciou a gravidade do acidente, com as imagens sendo repetidas e também denunciando fatalidade irreparável.

Naquele 1 de maio de 1994 eu estava escalado para um clássico no Morumbi, Palmeiras x São Paulo,  pela TV Bandeirantes ( acho que era um VT apenas, não me lembro ).

Peguei o carro, saí da minha Americana levando um dos meus filhos (Rodrigo) e um amigo dele para São Paulo.
E fomos acompanhando toda a cobertura pelo rádio daqueles momentos de angústia e expectativa sobre o estado de saúde de Senna.

Cheguei ao Morumbi e fique sentado abaixo das cabines de transmissão.
As pessoas que ali estavam permaneciam silenciosas, perplexas.
No fundo, todos já sabiam do desfecho, mas restava aquela pontinha de esperança.....

Mas não demorou muito para que o placar do Morumbi anunciasse a morte física de Senna.

58 mil pessoas compareceram naquele dia ao estádio para acompanhar Palmeiras x São Paulo.

58 mil vozes emocionadas cantando o nome de Senna.







Um comentário:

  1. A energia que ele passava é sentida até hoje mesmo por quem não vivenciou a carreira de Ayrton Senna. Eu completei três anos de idade no dia em que o corpo dele foi enterrado em São Paulo, mal lembro da corrida de Ímola, mas o tenho como uma das maiores referências de brasileiros na história. Escrevi no meu blog falando como é ser parte dessa geração que aprendeu a gostar do Senna por meio de pesquisas, relatos de familiares e momentos como os que o Sportv proporcionou neste 1° de maio ao retransmitir corridas desse gênio do esporte. http://papodevelocidade.com/2014/05/01/como-e-ser-parte-da-geracao-que-nao-viu-ayrton-senna-correr-na-formula-1/

    Transmita meus parabéns e agradecimento pelo dia maravilhoso que a equipe do Sportv nos deu nesta semana, Jotinha!

    abraço!!!

    ResponderExcluir