domingo, 2 de março de 2014

COPA CHEGANDO

Mais ou menos 100 dias para a abertura da Copa.

Dada à insatisfação de muita gente pelo Brasil realizar o evento, o clima continua pesado e percebe-se que pouco se fala do futebol em si, da competição propriamente dita.

Fala-se do que se gastou com as obras, de quanto levaram nas comissões e nos superfaturamentos, da falta de mobilidade urbana adequada, dos estádios com inúmeros problemas, aeroportos.  Tudo muito válido e perfeito.   Democracia é isso.    Liberdade de expressão.
E tudo é verdade.

Analisando, porém, pelo lado exclusivamente do futebol, a constatação é frustrante.
Não está parecendo que vamos sediar uma Copa do Mundo.
Pouco tem se falado das seleções que aqui estarão, dos craques, dos treinadores famosos, da história dos Mundiais, e isto não é bom.

Copa é um evento marcante.
Reúne desde 1930 as melhores seleções do Planeta.
Por mais criticas que a FIFA mereça, é uma competição muito bem organizada.
Os preços são abusivos, é verdade, mas sempre foi assim.    Vendo um documentário, por exemplo, da Copa de 1962 no Chile, já naquele tempo os preços dos ingressos eram inacessíveis e os estádios não lotaram.

É evidente que é um evento comercial.
Vivemos num mundo capitalista e o modelo é cruel em muitos aspectos.
Fifa explora demais os países que sediam a Copa.  Sempre foi assim.
Mas desde que o país aceita abrigar o Mundial já sabe dos encargos do pacote.

Mas no fulcro do conteúdo, que é o futebol, o produto é emocionante.
À cada 4 anos sai o campeão do Planeta.
Pela segunda vez o Brasil vai sediar a Copa.
Talvez o País vá receber novamente o Mundial daqui há 40 ou cinquenta anos.
Portanto, vejam a importância de uma Copa do Mundo.

Corremos o risco de manifestos durante os jogos.  Certamente teremos.
A insatisfação do povo é clara, justa, altamente procedente.
Caberá às autoridades policiais a difícil tarefa de conter os manifestantes violentos, pois os apenas ideológicos agem na paz e sem dar trabalho a ninguém.

Quanto ao mundo tomar conhecimento das manifestações durante a Copa, não vejo como algo depreciativo, pois é algo legítimo da democracia.  No mundo todo acontecem protestos, manifestos, por que não haveria aqui em nosso País?

Sobre os favoritos ao título, a lista é sempre a mesma.
Brasil, Alemanha, Espanha, Argentina, Itália.
Correndo por fora temos Inglaterra, França, Holanda, Uruguai, Portugal e alguma seleção africana.
Falam do bom futebol que o Chile vem apresentando.   A Bélgica.   
Mas tudo é chute, palpite.

Enfim, que tenhamos um envolvimento maior com a Copa daqui em diante.
Impedir a realização aqui no Brasil deveria ocorrer fortemente em 2007 quando o então presidente Lula bateu o martelo e decidiu por ser sede do evento.
Agora não tem volta.
É fazer de tudo para que a normalidade reine antes, durante e logo depois da Copa.










2 comentários:

  1. Jota, realmente sentia mais o clima da Copa quando era longe, como na Itália, México, Estados Unidos. Agora, parece que estamos indo pra forca, é só lamentação. Falar de Copa antes gerava expectativa, aquele frio na barriga. Agora, gera discussão sobre investimentos, sobre valores, sobre tudo, menos sobre futebol.

    Dou apenas um exemplo: Campinas foi escolhida como sede por duas seleções: Nigéria e Portugal. A Nigéria vai treinar no Brinco de Ouro e Portugal no CT da Ponte. Agora atente a isso:

    - o tobogã do Brinco fica visível para uma boa área na cidade, e o pessoal de marketing do Guarani não tomou o cuidado de pintar um "Bem vindo Nigéria" ou coisa do tipo no muro superior do tobogã, para enaltecer o fato;
    - pior ainda foi a Ponte: o CT do Eulina, onde a Seleção de Portugal (e Cristiano Ronaldo - sim, o tal do CR7) vai treinar fica às margens da Anhanguera, onde passa uma baciada de carros por minuto. E os caras não colocam uma bandeira de Portugal, não colocam um Outdoor dizendo que a seleção portuguesa vai ficar ali.

    Enfim, desculpe o texto longo, mas a Copa aqui no Brasil é isso: fala-se muito em dinheiro, mas quem deveria se preocupar efetivamente com isso dá as costas. Seja gastando mais do que deve, seja ignorando o atual Bola de Ouro da FIFA.

    Quanto ao futebol, o que é isso mesmo?? Saber se Diego Costa vem, não importa. Tevez??? Uai, mas ele não vem?? Não, talvez não. Mas ninguém fala disso.

    Mais uma vez, me desculpe pelo longo texto.
    Abraços, Rodrigo

    ResponderExcluir
  2. Mais uma vez obrigado pelo texto, Rodrigo.
    Corretas e oportunas as suas observações.
    abraço.
    jota júnior.

    ResponderExcluir