quinta-feira, 28 de novembro de 2013

NILTON SANTOS

Aos poucos o nosso time de campeões mundiais pela Seleção vai ficando muito desfalcado.

Num curto espaço de tempo perdemos Gilmar, De Sordi, Djalma Santos, e agora o Nilton.

Restam poucos das gloriosas seleções de 58 e 62.

O tempo da matéria tem prazo de validade.

Felizmente a memória é imortal.

Jamais a história deixará de registrar os feitos dos campeões mundiais de futebol com a camisa da CBD ou CBF.

Não sei se a gente naquela época era mais romântico ou pouco se preocupava com os problemas da vida e por isso valorizava mais os eventos - éramos crianças ou jovens - mas tudo parecia ser mágico naqueles tempos.

Ainda hoje só de ver aqueles filmes das Copas de 1958 e 1962, em preto e branco, algo dentro de mim vibra muito intensamente.

Ainda hoje só de ouvir as narrações dessas duas Copas, com aquele imbatível "som de telefone" do rádio, me arrepio e volto no tempo.

Nosso campeões estão indo para outros Planos e levando consigo a rica bagagem de terem feito uma Nação inteira chorar de emoção.

E desta vez lá se foi o simples, modesto, humilde, Nilton Santos.

Um exemplo de riqueza espiritual.
Sem muitos estudos, sem religião ( como ele próprio confessava ), Nilton foi família, foi amigo, solidário, um ser de imensa sabedoria.

O grande exemplo foi sua eterna fidelidade ao amigo Mané Garrincha, pajeando-o até os últimos momentos. Mané e tantos outros jogadores de futebol da época receberam o apoio e a solidariedade de Nilton.

Questionado certa vez sobre não ter uma religião, Nilton foi direto, objetivo ao responder: " Minha religião é fazer o bem sem olhar a quem. Dar o ombro a um amigo. Ser feliz. "

Assim era o cidadão Nilton Santos.

E vejam que pouco escrevi sobre o Nilton Craque, a Enciclopédia com a bola nos pés.
Pois como jogador a história registra e só nos resta aplaudir e agradecer por ele ter existido.

Enfim, missão cumprida pelo mestre Nilton.
Outras se descortinam na sua caminhada cósmica.
E com toda a certeza ele as enfrentará com coragem e simplicidade.
















Nenhum comentário:

Postar um comentário