segunda-feira, 19 de agosto de 2013

44 ANOS DE ESTRADA.

Há 44 anos eu começava a trabalhar em jornal e rádio.

Com 20 anos de idade fui levado por dois amigos do futebol ( Clóvis Magalhães e Paulo Sérgio Camargo ) para ajudá-los em um programa de esportes na Rádio Clube de Americana.

Eu tinha de selecionar as notícias do futebol amador que chegavam à emissora, recortar as principais dos jornais, enfim, produzir o programa que eles apresentavam.

Pouco tempo depois o Clóvis deixou a emissora e ele era o narrador da casa.
O saudoso Paulo Sérgio, o Moka, fazia as reportagens de campo.
Geraldo Pinhanelli, o diretor da rádio, me intimou a começar a narrar futebol, pois estava em andamento um campeonato infantil intitulado "Topo Giggio"(um bonequinho que fazia muito sucesso na época junto à gurizada).
* quando Magalhães narrava as partidas do evento eu já participava ao lado do Moka nas reportagens.

Foi, então, que comecei a narrar futebol.

Naquele mesmo ano de 1969 um acidente automobilístico vitimou um querido amigo jornalista, professor Ayrton Ortolano, então editor de esportes do jornal da cidade, O Liberal.

Como eu já atuava no rádio local, amigos do jornal me levaram para redigir as noticias do esporte enquanto Ortolano se recuperava do acidente.

Tudo começou para mim, portanto, na área da comunicação esportiva, naquele ano de 1969.

E felizmente não parei mais.

Agradeço demais pela profissão em que atuo há tanto tempo.

Desde pequeno adorava ouvir rádio e principalmente as narrações de futebol.

Me lembro de escutar e prestar muita atenção a locutores como Darcy Reis, Fernando Solera, José Paulo de Andrade, Fiori Gigliotte, Pedro Luís Paoliello, Haroldo Fernandes, Luis Aguiar, Luis Noriega, Edson Leite, Jorge Cury, Oduvaldo Cozzi, César Rizzo, Joseval Peixoto, Antonio Rangel, Geraldo José de Almeida, Braga Júnior, Alfredo Orlando, Sérgio Moraes, e tantos outros..........da época.
( isto nos meus 13, 14 anos de idade, aproximadamente ).

E como eu sonhava em um dia ocupar o microfone de uma emissora de rádio.

Profissionalmente, muito tempo depois, passei a conviver com muitos deles e sempre que pude relatei esse lance de infância onde "eles" eram meus ídolos.

E a minha imensa satisfação mais tarde em integrar a equipe da rádio Bandeirantes de São Paulo, na famosa Cadeia Verde Amarela, o Escrete do Rádio, ao lado de Ennio Rodrigues, Alexandre Santos, Paulo Edson, Roberto Silva, Wilson de Freitas, Fiori, Luis Augusto Maltone, Sérgio Carvalho, Dalmo Pessoa, Tony José, Oscar Ulisses, João Zanforlim, Flávio Adauto, Osvaldo dos Santos, Darcy Reis(nosso chefe)......

Tive a dificílima missão de substituir na Bandeirantes, janeiro de 1980, o espetacular Flávio Araújo, um dos homens mais cultos do rádio que conheci.  Culto, elegante, educado, ético, uma figura humana fantástica.
Narrava com uma precisão extraordinária.  Era chamado de o locutor que narra "em cima da bola", tamanha era a sua fidelidade ao que acontecia no gramado.

Enfim, meus amigos, comemoro aqui do meu canto e com imensa alegria, os 44 anos de profissão.
Tudo o que sonhei na infância/juventude, realizei profissionalmente.
E familiarmente, também.
Sou daqueles que de nada posso reclamar.
O Universo foi e continua sendo extremamente generoso comigo.
Tenho amigos e admiradores que me seguem dando força para continuar.
Aproveito as criticas, quando honestas, e busco corrigir as falhas.

E quando me perguntam sobre o time que torço?
A resposta parece ser política, mas não é.
Torço fervorosamente pelo FAMÍLIA FUTEBOL CLUBE.
Essa "agremiação" é que realmente mexe comigo.  Por ela eu sou capaz de "brigar" até o fim.

O resto é.......restante, complemento.


















3 comentários:

  1. Que bom que mais da metade desse tempo, sou seu fiel ouvinte. Lembro até hoje os primeiros jogos que assisti com sua narração, no inesquecível Show do Esporte da Tv Band.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Jota que continue por mais uns 50 anos ou mais, além da sorte de ser seu amigo sou um fã de suas narrações, gostaria de ter ouvido uma narração sua através do rádio, tem alguma gravada? Abraços

    Emerson Mateus

    ResponderExcluir
  3. Obrigado, amigo Emerson.
    Privilégio meu privar da sua amizade, você que é TOTALMENTE do bem.
    Meu filho tem umas gravações dos meus tempos de rádio....rss

    abraço.
    Boa semana!!!
    jota

    ResponderExcluir