quinta-feira, 25 de julho de 2013

MÊS DE JULHO. AH, MÊS DE JULHO...

Mês de julho.
Ah, mês de julho.

Em 1996 aconteceu a partida de meu pai.
Em 2012 a viagem espiritual de minha mãe.
Ainda em 2012, poucos dias antes de minha mama, partia meu sogro.

Por mais que entendamos o ciclo da vida terrena, onde um dia ele tem de terminar, a dor é muito grande.
Tudo o que é matéria se deteriora.  E o corpo físico é matéria.  Um dia acaba.

Por mais que saibamos da existência eterna da essência cósmica, que é o espírito, e que os entes queridos aqui falecidos continuam a viver, a separação é muito cruel.

A saudade é inerente a quem tem amor no coração.  O apreço pelos que partiram é notório quando há amor e respeito.  Só sente saudade quem ama.  E esse precioso sentimento devemos cultivar dentro de nós.

Sente saudade quem fica, sente saudade quem parte.
Os sentimentos não são físicos, são mentais, espirituais, por isso sobrevivem.
E isto é fantástico.

Quem a tudo criou, fez TUDO bem feito.
E é muito fácil concluir a grandiosidade da obra.  Basta ter sentimentos profundos, percepção aguçada.
Basta ter um mínimo de discernimento para detetar o quanto é grandiosa a Obra Divina.

Não se trata de facção religiosa, ou bandeira religiosa, nada disso.
A religião é importante para muitas pessoas.  Ela é necessária neste nosso estágio evolutivo.
Mas o principal é SENTIR.  Ouvir o CORAÇÃO.  Estar voltado para a prática do BEM.  Prestar MUITA ATENÇÃO em tudo o que nos rodeia.

É importante ter a compreensão do quanto somos ainda pequenos, mas a inteligência que nos foi dada nos credencia a captar os sinais da inteligente "máquina cósmica" acima das nossas cabeças.

Creio porque penso, raciocino, e concluo do quanto a Engenharia Universal é superior e soberana.

Por tudo isso e por essas divagações é que rendo homenagens aos entes que deixaram o Plano Físico e desejo à eles uma boa continuidade de VIDA.

E, consequentemente, um ATÉ BREVE.










3 comentários:

  1. -Com seu coração aberto você expressa o sentimento mais puro o do Amor, que independe da presença fisica.

    ResponderExcluir
  2. Muito bonito, Jota! Quem já perdeu entes queridos há de admirar esse texto. Sempre gostei das tuas narrações, mas não sabia dessa sensibilidade na escrita. Meus sinceros parabéns. Um abraço!

    ResponderExcluir