terça-feira, 30 de abril de 2013

O DRAMA DE ANDRADE

Acabei de ler no UOL uma matéria chocante com Andrade, treinador campeão brasileiro pelo Flamengo em 2009.

Andrade foi um volante de muita qualidade e campeão do mundo também pelo rubro-negro nos anos 80.
Jogou na Roma, dentre tantos outros clubes famosos.

Nos últimos meses ele quase morreu.
Ficou um bom tempo na UTI.
Havia feito uma cirurgia num dos joelhos e teve complicações no pós-operatório.
Enfim, em um determinado momento pensou até no pior.

Faço esse registro para dizer que algumas carreiras são intrigantes.
Estive na festa de encerramento do Brasileirão de 2009 e vi de perto o quanto Andrade foi assediado por torcedores, imprensa, cartolas.  Não conseguia dar um passo diante de tantos pedidos de autógrafos e fotos.

Tudo indicava naquele momento que o ex-jogador iria se firmar de vez como técnico de futebol.
Me lembro claramente que o papo naquele instante era de Andrade na seleção brasileira.

Não passou muito tempo tudo foi esquecido e ele demitido do rubro-negro da Gávea.
Com a agravante de uma dívida trabalhista que hoje chega a quase R$ 500 mil.
E que evidentemente ainda não recebeu um centavo.

Andrade hoje vive de uma poupança que fez quando jogava no futebol italiano e que nunca havia mexido.
Mas agora ela é que está salvando a sua vida financeira.

Depois daquele titulo brasileiro em 2009 o simples e modesto Andrade não foi valorizado por nenhum outro clube brasileiro.  Nem mesmo pelo Flamengo.

Somente teve oportunidades em clubes médios e pequenos.

Fico pensando se não faltou ao Andrade um "bom empresário", daqueles que atuam às vezes até rispidamente nos contatos para obter exito. Na sua simplicidade, Andrade talvez tenha pensado que apenas aquela conquista do Brasileirão seria o suficiente para sua carreira decolar.

E infelizmente no futebol da atualidade não é assim que a banda toca.
Quantos treinadores "meia-boca" têm sucesso maior que Andrade por terem procuradores ousados e também aliados a alguns dirigentes de clubes.

Quantos jogadores de mediana competência técnica conseguem grandes contratos em grandes clubes, mercê desses empresários - os desonestos, é claro - trabalharem junto aos bastidores e muitas vezes em arranjos financeiros com cartolas.
Isso é fato.
Todos os dias tomamos conhecimentos desses "arranjos" via bastidores.

O futebol atrás das cortinas, fora dos gramados, se deteriorou muito, assim como o nosso meio social em vários segmentos.
Hoje mais vale o "quanto vou ganhar?" do que a real qualidade técnica dos profissionais.

Faltam lisura e honestidade de parte a parte.

Mas aí você poderia perguntar?
'" É tudo assim. É geral? ""

Claro que não.   Há pessoas honestas, íntegras, no futebol.
Mas o porcentual dessa casta é ÍNFIMO, quase INSIGNIFICANTE.
Normalmente são engolidos pela forte onda da desonestidade, da ganância.

Por isso, você que é torcedor apaixonado, pense e reflita antes de colocar o futebol em primeiro lugar em suas vidas.  Goste, assista, aprecie, mas não leve muito a sério.

E as pessoas ainda se assustam quando afirmo que meu time do coração nada mais significa para mim.
Conhecendo os bastidores......

Permitam dizer que escrevo tudo isso com tristeza, pois amo o futebol e profissionalmente atuo nele desde 1969.
Mas não dá para deixar tudo às escuras e ludibriar os que amam tal esporte.














Um comentário:

  1. Caro jota, acho que no caso do Andrade, infelizmente, há outra questão: racismo.

    abraços

    ResponderExcluir