sábado, 28 de julho de 2012

SEMANA DE PERDAS

Meus amigos e amigas.

Tive uma semana muito dificil.
Perdi duas pessoas muito queridas, intimas, importantes na minha vida.

Primeiro foi o falecimento de meu sogro, o palmeirense Restil Cia, um senhor de 88 anos, bondoso, trabalhador, ético, chefe de familia exemplar.
Fomos muito amigos, leais, parceiros na vida.

Depois minha querida mãezinha, dona Aquilina, 85 anos de idade, que já há vários anos estava com a saúde debilitada.
Foi uma mulher guerreira ao longo de sua existência.
Sempre voltada para o bem.  Caridosa.  Solidária.  Honestíssima em todos os sentidos.

Portanto, semana dolorosa para mim e todos os meus.

Mas de tudo isso fica o entendimento sobre como tudo funciona em nossa passagem terrena.

Somos eternos e a estada no planeta é transitória.
Vestimos a roupa de carne, mas a verdadeira vestimenta é outra, a eterna, espiritual.
A matéria se decompõe, é perecível, portanto falece.
O espírito é indestrutível. Nada o deteriora nem o aniquila.
É assim que somos: SERES ESPIRITUAIS.

Portanto, todos os que são rotulados de MORTOS, continuam a viver, só que em outra esfera.

Mamãe e meu sogro seguem a caminhada.
Um dia os reencontraremos, sem nenhuma dúvida quanto a isto.

E se é difícil entender tudo isso, acho muito natural.  Que ninguém se assuste.  Ainda nos detemos em somente aceitar tudo o que é visível, palpável.
As Leis do Universo são amplas, maiores, inteligentes, ainda sem o nosso alcance.
Mas que podemos deduzir, concluir, só pensando um pouquinho, com inteligência e fé.


8 comentários:

  1. Guto Oliveira - Aracaju28 de julho de 2012 12:18

    Grande Jota, muita força e fé sempre, pra você e todos da sua família, nesse momento difícil.
    O que fica, com certeza, são todos os bons momentos que você teve com essas duas pessoas queridas e importantes em dua vida.
    Fique bem.
    Abração
    Guto / Aracaju

    ResponderExcluir
  2. Professor Jota, desejo que você se recupere o mais rápido possível desses dois golpes que a vida lhe proporcionou. Tenho certeza que você com essa grande inteligência e com essa sabedoria magnífica estará logo fortalecido e que os seus pensamentos espirituais façam você volta ao seu cotidiano mesmo lembrando da sua maezinha e do seu sogro. Abraço forte amigo.

    ResponderExcluir
  3. Jota
    Meus pêsames.

    ResponderExcluir
  4. Meus pêsames, muita força, Deus está contigo hoje e sempre.
    Abraço.
    Kauê - Rio Claro-Sp

    ResponderExcluir
  5. Prezadíssimo Jota

    Solidarizo-me com vc, com sua esposa e com toda a sua família.

    Foram dois golpes duríssimos, mas você os assimila através de sua religiosidade sensata e do amplo conhecimento dos mecanismos que regem a verdadeira vida, a espiritual.

    QUERO LHE CONTAR UM FATO!

    Em 1970 submeti-me a uma cirurgia abdominal. Fui anestesiado e a partir daí, senti meu espírito elevar-se sobre o meu corpo e dirigir-se ao espaço.

    Por trás de minha última vértebra cervical, no início de minha coluna havia uma espécie de cordão como se fosse feito de fumaça, mas não era fumaça.

    Esse cordão se esticava à medida em que eu me elevava e buscava as alturas, obedecendo o meu comando.

    Então eu subia, parava num determinado lugar então o espírito fazia uma parábola, descendo até onde eu queria.

    Em minha volta eu via outros seres realizando a mesma viagem, sem, no entanto, discernir-lhes as fisionomias.

    Entusiasmado, fui subindo, subindo, subindo e cheguei ao teto daquele espaço. Lá encontrei um teto intransponível, mas com buraco, suficiente para a passagem de um homem ou de uma mulher.

    Quando tentei intrometer-me por aí, eis que surgiu uma entidade feminina, de cor morena, semelhante à imagem de N.S. Aparecida que existe no Santuário da cidade de Aparecida.

    A entidade, então, barrou-me e impediu-me de adentrar-me por aquele buraco, dizendo-me textualmente de forma telepática que a minha hora não havia chegado e que eu teria muito a fazer aqui na terra.

    De fato, decorridos 42 anos e doze cirurgias continuo peregrinando pela terra gozando de boa saúde, consciência, muito mais sofrido, mas muito mais sabido, embora eu saiba tão pouco...

    Descobri, anos depois, através de leituras espiritualistas que viajei usando o meu cordão de prata e estive exatamente nos lugares que os livros descreviam.

    Hoje sei que quando o cordão de prata é seccionado o espírito sobe e vai para um local onde não sente nenhuma dor e onde o corpo espiritual imediatamente se regenera.

    Esse vôo transcendental provisório e rápido permitiu-me sentir a maior alegria e a melhor sensação que tive em toda a minha vida, em contraste com a dor e o sofrimento que senti após retornar ao meu corpo rasgado pelo bisturi e costurado pelo categute.

    Pense, amigo Jota, que os seus entes queridos, sobretudo a senhora sua mãe que fez de você essa criatura especial e iluminada, não voltarão aos seus corpos debilitados e enfermiços, mas, certamente, subirão espiritualmente aos páramos celestes de paz, felicidade, alegria e contentamento, os quais tive, um dia, a ventura de conhecer.

    Sei que s saudade é grande, mas a vida continua até que nós, também, cumpramos a nossa missão terrestre.

    Meu abraço e meu conforto!

    AD (Belo Horizonte)

    ResponderExcluir
  6. Alcides, que relato impactante e verdadeiro.
    Sua experiência é exatamente a vivida por todos aqueles que "deixam o corpo", mesmo que por instantes ou em definitivo.
    Obrigado pela mensagem.
    Que bom você continuar entre nós, por aqui, passando suas experiências e ensinando àqueles que ainda não despertaram para a GRANDE REALIDADE.
    forte abraço.
    jota júnior.

    ResponderExcluir
  7. Kauê, obrigado pelo apoio e solidariedade.
    Muito importante nessas horas.
    forte abraço, amigo.

    jota júnior.

    ResponderExcluir
  8. Guto, Roberto Carlos e Negativo, muito grato pelas mensagens, amigos.
    Palavras de conforto e apoio.
    Grande abraço a vocês.

    jota júnior.

    ResponderExcluir