terça-feira, 1 de novembro de 2011

A RECORD NO PAN

Não acompanhei muito dos Jogos Panamericanos de Guadalajara.

Mas sei de todas as dificuldades de se cobrir um evento desse naipe.

É uma maratona de transmissões para todos, mas especialmente para os narradores, comentaristas e repórteres, pois à cada momento é uma modalidade que pinta na tela.

São regras específicas, linguagem específica, recordes, estatísticas, história, e por aí vai.

Defendo os colegas comunicadores da Record, pois com a experiência de vários eventos dessa natureza que vivi ao longo de décadas, levanto aqui todas as dificuldades da execução do trabalho e digo que náo é fácil.

É impossível ficar quinze dias no ar, ao vivo ou em gravação, e não incorrer em alguns deslizes.

O volume de reclamações e criticas, ao meu conceito, foi exagerado.

Aliás, de uns tempos para cá, o patrulhamento que é feito em cima de narradores de televisão é algo muito cruel.
Basta um erro, um ato falho, deslize, chamem como quiser, faz-se um estardalhaço grande, como se os comunicadores fossem infalíveis ou de outro planeta.

Dá até a impressão de um imenso "prazer" de alguns, em ressaltar as falhas.

Dá até a impressão que os "avaliadores" dos trabalhos dos narradores, são impecáveis em suas atividades, e que nunca erram.

Gente, somos todos erráticos, falíveis, de carne e osso.

Levanto aqui a bandeira da defesa dos colegas e amigos da Record, porque sei o quanto é espinhoso fazer uma cobertura de Jogos, sejam Panamericanos ou Olimpicos.

Sem falarmos do cansaço mental e físico, ao longo dos dias, que é inerente à natureza humana.

Portanto, respeito a exigência dos telespectadores, é claro, mas é preciso fazer a defesa dos jornalistas e comunicadores, que têm todo o direito de errar.

Já me acostumei com as críticas, quando são honestas, é evidente, porém é necessário evidenciar as dificuldades dos profissionais, para que o entendimento das falhas seja racional, humano e honesto.

A crítica é livre, democrática, mas machuca quando é eivada de ódio, maldade ou de desequilibrio temperamental de quem a faz.

Portanto, parabéns aos amigos e colegas da Record pelo trabalho em Guadalajara, que certamente entenderam as criticas que pintaram, pois são experientes e muito competentes.

11 comentários:

  1. o INTERESSANTE jOTA, e triste ao mesmo tempo, é saber que as críticas partem de quem "rivaliza" com a
    Rede Record.
    Há tempos não tenho a tv aberta como minha grade de entretenimento por achar que o sensacionalismo e a crítica barata tem tomado conta das redes de televisões, mas confeso como espectador, que fiquei surpreso com a dedicação da Record principalmente pelo fato de ter sido a primeira grande competição que esta emissora cobriu.
    O Triste agora que o Pan findou-se é saber que o que fica de melhor na Record são os Jornalismos e as Séries internacionais que a emissora transmite.
    No mais, viva a TV fechada!
    Abraços de quem admira seu trabalho
    Luciano Andrew - São José do Rio Preto

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela coragem e sinceridade. Parece redundância, mas a verdade mais uma vez está contigo, Jotinha. Abraços, Rafael Ribeiro.

    ResponderExcluir
  3. Jota, meu grande amigo. Você sabe que minha experiencia é por traz das cameras, na direção. Fiz algumas criticas no Facebook, e até o Marcinho me escreveu : " Bto vamos melhorar, pega leve rsrs". O que pegou forte na transmissão da Record foram duas coisas: nos primeiros dias foi um ufanismo monstruoso, e uma repetição constante de que a Record era unica, um gol do Handebol feminino na primeira partida foi narrado como um gol do Brasil, na final da Copa do Mundo aos 45 minutos do segundo tempo, feito de mão. Depois deu uma baixada de bola, mas os narradores estavam sem base de informação ( isto é o que mais me admira, foram pra 230 pessoas, e parece que o apoio era zero - Jota o maximo que trabalhei em uma cobertura foram 110 pessoas, e nos faziamos chover). O segundo ponto, foi a falta de criterio do que seria exibido, colocaram muitos jogos gravados, em troca de transmissões ao vivo - como no segundo domingo, que repetiram a medalha de ouro do volei feminino, e o pau comendo solto, com varios esportes dando medalhas. Dentro do criterio, tambem procurou se concentrar só no Brasil, e pelo menos o meu conceito (e sempre procurei leva-lo em nossas transmissões), foi de sempre mostrar o mais importante - quem está em casa quer ver disputa de medalha. Veja, eu transmitiria a final de Tiro, no lugar de um jogo do Handball feminino de primeira fase, daria sim, flashs da partida.Outra coisa foi a priorização da programação normal, e a saida para breaks em moemntos importantes. Neste quesito, a Record News foi disparadamente melhor, seu criterio de programação foi mais sensato. Acho que para uma primeira vez, o saldo foi positivo, nota 5,5 ,mas para Londres tem que ter um planejamento muito melhor, até porque neste Pan eles nadaram sozinhos ( nadar, me lembra o Xuxa, uma das piores coisas que já vi na Tv ), e no ano que vem tem concorrencia seria, e competente: Sportv e Espn. Falei demais ne Jota rsrsr abs, do amigo BTO Lima

    ResponderExcluir
  4. Caro Jota, evidente que a cobertura foi fraca, pela inexperiência dos profissionais, exagero da direção da empresa em fazer estardalhaço, mais pela conquista da exclusividade, que com o PAN em si. É claro que faltou na equipe um JOTA JR por exemplo. Mais bondoso e gentil como você , não poderia ter comentário diferente do que esse post.

    ResponderExcluir
  5. Jotinha!
    Concordo contigo quando digo que há a patrulha do "erro". Tb tenho a sensação de que as pessoas ficam de olho apenas para cornetar, por um motivo simples: apontar erros alheios dá manchete, dá clique, viraliza em rede social. Uma pena, porque o foco acaba sendo muito superficial e não se avalia o trabalho como um todo.
    Beijo grande e lembranças pra Su!

    ResponderExcluir
  6. Jota ou você é mais um cooperativista da mídia esportiva, ou quem sabe de repente "pinta" uma vaga na record...

    ResponderExcluir
  7. Parabens. Pelo COMENTÁRIO e ainda o site. Uol que parece que foi pro mexico só pra corneter a record ainda publica ok vc. Escreveu foi a q mais ataco os comentarista parabéns mais uma vez achei muito boa a trasmissao da record. A globo não mostarda a metade do que a record mostrou

    ResponderExcluir
  8. Caro Jota Jr.
    Nao sou profissional de TV, sou apenas um telespectador que adora esportes em geral. No Pan e nas Olimpiadas procuro ver um pouco de tudo. O comentarista BTO LIMA disse tudo o que penso de forma clara. Só esqueceu um detalhe: A Record transmitiu eventos gravados como se fosse AO VIVO e isso é um absurdo, a gente se sente como um bando de idiotas, babacas. O narrador se esgoelando, fazendo suspense, narrando ao vivo um evento gravado. Ridiculo. Em poucos minutos os internautas denuciaram a armação. Alem de tudo isso tem a questão da prioridade. A Record gastou milhoes de dolares pra conseguir os direitos de transmissão dos jogos e na hora H deixa de transmitir o evento pra passar programas que passam o ano inteiro, em detrimento de um evento que só ocorre de 4 em 4 anos durante 15 dias. Programas como o do Gugu, da Ana Hickman e do Rodrigo Faro, podem perfeitamente ficar dois finais de semana fora do ar que não vão fazer falta nenhuma e quem assiste aquilo vai voltar a assistir quando voltar. Dá férias pra esse pessoal e um descanso pra nós. Dá até a impressão que a Record só comprou o evento pra sacanear a Globo e não pelo evento em si.

    ResponderExcluir
  9. Jota, o mais lamentavel não foi a participação dos jornalistas, que até foi boa, mas a direção da Rede Record transmitir jogos gravados como se fossem "ao vivo" num total desrespeito ao telespectador. Nos trataram como idiotas. Abraços!

    Mario Donizetti Tomazella - Novo Horizonte SP

    ResponderExcluir
  10. Concordo, em partes, com sua análise caro Jota!
    A minha maior crítica nem é a respeito dos narradores e repórteres (que na minha opinião, erraram acima da média), mas sim de falta de direção, planejamento e produção.
    Coisas muito gritantes, como intervalos comerciais em cerimônias de abertura e encerramento, cortes de tela equivocados, uma preocupação monstra de bater na concorrente e de se auto-promover, mostrando desinteresse no evento em si e falta de informação para abastecer tanto aos profissionais da linha de frente e para o público!
    E fica claro, que a alta cúpula da emissora, não se prontifica a melhorar a curto prazo, tendo em vista Londres 2012. Muito triste!

    ResponderExcluir