sexta-feira, 10 de junho de 2011

MORTE NA PISTA

Vendo agora a pouco as imagens dos treinos da Fórmula-1 para o GP do Canadá, voltei no tempo para uma corrida nesse circuito e que foi fatídica para um jovem piloto.

1982.
Véspera da abertura da Copa do Mundo da Espanha.

Viajamos, eu e Edgar Mello Filho, para duas corridas antes do Mundial de futebol.

Faziamos o trabalho para a querida Rádio Bandeirantes de São Paulo.

A primeira aconteceu em Detroit, circuito de rua, e depois Montreal, Canadá.

Edgar depois voltaria para o Brasil e eu seguiria para a Espanha me juntando ao time da rádio para a cobertura.

Nesse GP de Montreal 1982, logo na largada, houve um problema com um carro da primeira fila, que ficou parado.

Os que vinham atrás fizeram o possivel para desviar do carro parado, mas um dos pilotos que estavam na última fila, não conseguiu evitar o choque.

Era o jovem italiano, Ricardo Paletti, 27 anos, iniciando-se na Fórmula 1, quem pilotava esse carro que acabou se chocando e decolando para cair uns 50 metros à frente.

Após a queda do carro, os bombeiros e a segurança correram para socorrê-lo.

Quando os socorristas chegaram perto do carro de Paletti, houve uma explosão e o incêndio.

Foi impossível salvá-lo das chamas.

Muito tempo depois o piloto foi retirado e levado de helicóptero para um hospital de Montreal.

Mas pela gravidade do acidente, Paletti já deixou a carenagem do carro sem vida.

Foi bem à nossa frente.

Estávamos em um trailler que abrigava as rádios internacionais, ao nivel da pista.
Vimos tudo de muito perto.
Chocante e desesperador.

A corrida só voltou a ter a largada duas horas depois e o clima era de velório, de total constrangimento, evidentemente.

Detalhe: acompanhavam o jovem piloto italiano no autódromo, a mãe e a noiva de Paletti.

Um dos momentos mais angustiantes que vivi com um microfone na mão.

Ricardo Paletti, uma das muitas vitimas do automobilismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário