domingo, 3 de outubro de 2010

PÁGINA NEGRA DO VÔLEI

Não gostei do que fez a seleção de vôlei no Mundial da Itália.

Não foi saudável "entregar" o jogo para a Bulgária.
Feriu a ética do esporte.
Pegou muito mal.

O nível do nosso selecionado é tão alto que não precisaria "escolher" grupo para a sequencia do campeonato.

Bernardinho, o grande e competente comandante da seleção, dá palestras e sempre enaltece o foco principal da "vitória", da ética, da disciplina, e foi incoerente nessa.

Se o regulamento é mal feito, tendencioso ou sei mais o que, é outra história e nada justifica o Brasil agir como o fez.

Todo time, seja desta ou daquela modalidade, tem de entrar em campo para ganhar, para exercitar o esporte com aquilo que é o mais sagrado, ou seja, a VITÓRIA.

A garotada que começa a acompanhar o esporte e especificamente o vôlei, teve uma péssima lição, a de "jogar para perder".
Creio que muitos jovens ficaram decepcionados.
Sei também que outros devem ter aplaudido, dentro da "filosofia" da esperteza e das manobras para se chegar às vitórias.

O Brasil tinha condições de vencer a Bulgária, cair nessa ou naquela chave, e chegar ao titulo mundial. Temos talento e força para tal.

E se por acaso perdesse, teria cumprido o seu papel de respeito ao esporte, qual seja, o de entrar em quadra e jogar para vencer.

Página negra do estupendo vôlei masculino brasileiro.

4 comentários:

  1. Grande Jota
    Há uma palavra no dicionário que define essa questão tão bem colocada por você: malandragem. Em Portugal se usa mais o termo marotagem, que, no fundo é a mesma coisa. Tudo é safadeza. Mas, no Brasil, a palavra malandragem, mormente no esporte, chega a ser difundida nos dias de hoje como um vocábulo que caracteriza qualidade. Alcides Drummond

    Narrei ou comentei em minha vida profissional centenas de jogos de volei. Viajei com muitas equipes, seleções,masculinas e femininas e sempre tive o volei como um esporte sério, diferenciado de um excelente nível moral. A atitude da Seleção de Bernardinho que deveria ser um exemplo a ser seguido (E VINHA SENDO), choca-me, na medida em que nos coloca na condição de uma republiqueta de bananas, habitada por um povo atrasado, sem ética sem moral. A turma do volei acabou arranhando ainda mais a já arranhada imagem do Brasil no exterior.
    O brasileiro tem sido uzeiro, vezeiro, PHD nessa matéria chamada malandragem o que é profundamente lamentável.
    Infelizmente, muitos da imprensa não apenas valorizam, mas consagram a utilização dessa abominável prática, sob a alegação de que os outros também fazem.
    Jota: ao levantar a situação sem que você use o subterfúgio de mencionar o que muitos colegas seus o fazem de dizer que "o time está jogando com o regulamento embaixo do braço", você mostra porquê é um profissional de comportamento diferenciado no contexto da grande mídia.Parabéns!
    Siga agindo assim que você terá o apoio de todos aqueles que propugnam por um esporte limpo em que o "Fair-Play", o bom-senso e a lisura representem o limite das ações humanas.
    Bernardinho me fez corar e ter a vergonha de ser brasileiro. Já estou torcendo contra a conquista de um título manchado que eu teria vergonha de comemorar ainda que fosse pelo meu Palmeiras.

    ResponderExcluir
  2. Não estou conseguindo inserir o meu nome no comentário. Assino em segunda postagem o comentário anterior:
    Alcides Drummond

    http://www.observatorioalviverde.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. JOTA

    Perfeito!

    Forte abraço

    PAULOFILÉ
    ET: O SEU DVD("O FILÉ DOS ESPORTES") JÁ ESTÁ PRONTO, VAMOS NOS CONVERSAR PARA AGENDAR A ENTREGA...

    ResponderExcluir
  4. Aliviado fico por saber que não estou sozinho neste pensamento, Jota. Muito bom saber que pensamos igual neste caso.

    ResponderExcluir