sexta-feira, 10 de setembro de 2010

PEDRAS NA MÃO. PRA QUE ?

E triste ver como as pessoas se agridem nos dias de hoje.

É um antagonismo brutal, até gratuito muitas vezes.

Mínha área é a do esporte, mas como ele faz parte do grande contexto social, posso me aventurar a abranger toda a questão.

São poucos os que se dispõem a elogiar alguém, e muitos os que se especializam em criar casos, sempre cutucando os "oponentes" ( que no fundo são irmãos de caminhada terrena ).

É óbvio que o contraditório deve existir e é ele que toca o mundo, mas estou me referindo a ítens como respeito, responsabilidade, ética, amor ao próximo, paciência, equilibrio.

Criticar somente por criticar é maldade.
Competir é saudável, é da vida, mas se utilizar de artimanhas sórdidas, é pequenez moral.

O ser humano é dotado de inteligência, de oportunidades, discernimento, e não precisa baixar o nível das discussões para obter vitórias ou fazer prevalecer suas idéias e teses.

No meio jornalístico não é diferente. Nem poderia, pois é formado de "pessoas" da sociedade.

As disputas têm sido, com raríssimas exceções, batalhas desleais, pessoais, longe das ideologias.
Odiosas, eu diria.

Quando me perguntam por que o mundo está tão conturbado, respondo rapidamente que é falta de amor, compreensão, humildade, respeito ao diálogo e pensamentos.

Não é proibido divergir, evidentemente.
Não é proibido contestar teses e ações de supostos oponentes.
Mas é necessário ter boa educação.

Falta amor aos habitantes do planeta, e isto não é pregação religiosa, pois não sou agregado a nenhuma delas.

Um amigo diz que é falta de inteligência.
E aqui é tema para reflexão.

Somos abordados muitas vezes com ofensas, desafios bélicos, ameaças.
Quando na verdade tudo poderia ser conduzido com elegancia, boa educação, debate saudável.

Sei também que os habitantes desse planeta, neste momento, incorporam vestimentas carregadas de erros e por conta de declarada infantilidade cósmica - tema para anos de debates -
mas temos condições de mudar, modificar a nossa postura.

E o pior, parece que não queremos evoluir, crescer. Teimamos na insistência de fomentar o ódio, o rancor, as divergências, as más energias.

Amigos e amigas, não se trata de nenhuma lição de moral, por favor.

Pode até ser um desabafo. Isto sim.

E não me incluo naqueles que se julgam perfeitos, intocáveis, evoluidos.

São reflexões, apenas.

Momentos de incursão interior e de botar pra fora o que nos engasga.

Um comentário:

  1. Grande texto, ou desabafo Jota, concordo e estou com vc...

    Abraco

    ResponderExcluir