segunda-feira, 5 de julho de 2010

A SAÍDA DE DUNGA

Reflexões da saída de Dunga.

Fiquei surpreso, confesso.

Pelo desempenho dos números, não havia motivo para a dispensa.
Dunga fez 50 jogos e apenas perdeu meia dúzia.
Ganhou duas competições - Copa América e Copa das Confederações - e classificou bem o Brasil para o Mundial da África do Sul.

Se Ricardo Teixeira colocou Dunga com a missão de apagar os desmandos de 2006 no aspecto disciplinar, isso aconteceu. Até com requintes ditatoriais.

O argumento de que o contrato do treinador com a CBF estava terminando, não tem peso.
O vinculo podia perfeitamente ser renovado.

Será que Dunga desobedeceu a alguma determinação do presidente?
Será que se rebelou ante "orientações" do chefe?
Teria contrariado Teixeira em alguma coisa?

Alguma coisa houve.

Ricardo Teixeira se decepcionou com o treinador só agora, durante a Copa?

Ao desembarcar em Porto Alegre Dunga deu ares de que poderia continuar.
Jorginho, no Rio, da mesma forma.

O que teria desaguado na demissão de TODA a comissão técnica?

Com a agravante de que Dunga teria sido avisado "por telefone" da sua saída. O que entendo ser desrespeitoso.

** Deixo claro que este post não é uma defesa do técnico. Desde a indicação de Dunga me posicionei contrário, entendendo que o cargo de treinador da seleção é para profissionais rodados, experimentados. São apenas indagações, dúvidas...

3 comentários:

  1. JOTA

    Dunga cumpriu seu papel... a "dinastia João Havelange" não aceitou até hoje a "democrática" posição adotada pela CT de 2006, embora o resultado tenha sido semelhante ao da "clausura" estabelecida nesta Copa 2010.

    Quanto à ridícula atitude em se demitir por telefone ou até internet como divulgaram alguns meios de comunicação... sem comentários. Como podemos ser profissionais, se no órgão maior do futebol no Brasil, o amadorismo reina...

    Enquanto imprensa, cobramos constantemente o profissionalismo de jogadores, dirigentes, comissões técnicas e até categorias de base dos clubes de futebol... mas, e o exemplo que deveria vir "de cima"...

    Também não sou adepto ao "estilo" Dunga, ou até a falta de vivência como técnico em seu curriculum, galgando logo no início o cargo maior da profissão no país, sem antes passar por fases intermediárias e por maiores que sejam as experiências como atleta... é muito diferente! Mas, já que ele esteve lá, cumpriu sua missão, levou o trabalho à serio e até o fim... merecia mais respeito!

    Boa abordagem... ôpa, "quem vem lá no horizonte"... Felipão, Ricardo Gomes, Muricy, Leonardo ou Wanderley Luxemburgo?

    Estamos na expectativa, com a palavra a CBF!

    Forte abraço

    PAULOFILÉ55

    ResponderExcluir
  2. Jota
    Acredito que o Dunga foi demitido porque a "criatura" ficou mais forte que o seu "criador" durante a Copa, explico: O Dunga não tomaria aquelas atitudes intempestivas desde o inicio do seu trabalho se não tivesse o apoio do seu Chefe, porem acredito que durante a Copa o seu Chefe deve ter solicitado para ele suavizar para não afetar o relacionamento com os parceiros da CBF, porem o Dunga não deve ter aceito e não tinha como ele ser demitido por esta insubordinação, afinal como demitir o técnico durante a Copa se os resultados estavam sendo ótimos?
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Jota, de fato, alguma coisa aconteceu.

    O Dunga, certamente, contrariou ordens, certas ou erradas, do todo poderoso.

    Aliás, no Bem Amigos, a figura do presidente da CBF parecia incólume à eliminação da seleção, como nada tivesse com o enredo e o final trágico.

    lamentável.

    Acho que, com o Dunga, deveria seguir o seu criador, Ricardo Teixeira.

    ResponderExcluir