terça-feira, 11 de maio de 2010

LEALDADE QUE PODERÁ CUSTAR CARO

Creio que desde a primeira convocação para uma Copa do Mundo - 1930 - houve discussão e disque-disque sobre a lista dos selecionados.

Normalíssimo que isto aconteça.

Sempre houve preferências pessoais, clubísticas, federacionistas, e outras questões na escolha dos jogadores.

Atualmente é da mesma forma, acrescentando-se ainda o aspecto do momento que vivemos, o da prioridade que se dá aos atletas que jogam no exterior em detrimento dos que aqui trabalham.

Dunga foi coerente preservando o grupo que o prestigiou em várias convocações e eventos, mas empobreceu tecnicamente a Seleção, pois muitos deles estão em péssimo momento, enquanto no Brasil há vários profissionais vivendo grande fase e merecendo convocação.

Fechar com um grupo de atletas em detrimento da qualidade técnica da Seleção não é ser leal e justo com a entidade.

O treinador desprezou quem está em melhor fase, preferindo o currículo de alguns jogadores que o apoiaram em várias situações, aqueles que foram leais e solidários a ele.

Respeita-se a posição do treinador, mas não se pode ignorar o teórico prejuizo técnico da Seleção.

Evidentemente, não estamos sentenciando que o Brasil perderá a Copa por causa disso, mas o bom senso não recomendaria que assim se procedesse.

Boa sorte à Seleção.
Boa Copa.

Um comentário:

  1. Jota,

    Vou me estender um pouco, já peço perdão antecipadamente.

    Em meio à comoção causada pela convocação do Dunga, acredito que você NÃO pertença ao grupo que, nitidamente, está de má-vontade com o selecionador. Digo isso, porque é falso que Dunga tenha fechado "com um grupo de atletas em detrimento da qualidade técnica da Seleção".

    Até parece que Dunga e Jorginho não desejam uma equipe técnica. Imaginar isso é cair em certos pré-juízos que não correspondem com a realidade.

    Os critérios de Dunga são auto-evidentes. Ele buscou atletas com caráter -nenhum treme- e comprometimento com o trabalho. (Aliás, foi contratado para isso!) Mas para saber disso, é necessário conhecer o jogador. É por isso que as não-convocações de Ronaldinho, Adriano, Ganso e Neymar possuem razões diferentes.

    Os dois primeiros, jogadores de reconhecida qualidade, foram exaustivamente convocados pelo Dunga nesses três anos em que ele é treinador. O primeiro, simplesmente, não rendeu; o segundo, apesar de ter rendido, mostrou-se completamente anti-profissional.
    Já os dois últimos, jogadores de enorme POTENCIAL, tiveram o problema de estourar tarde demais. Neymar, ainda, joga num setor em que a Seleção possui opções muito boas e muito mais experientes. Já Ganso surgiu em posição em que o Brasil é absolutamente carente. Tivessem estourado no ano passado, e Neymar dificilmente iria à Copa (sim, é mero palpite), mas Ganso provavelmente não (e isso é mais que puro "achismo").

    Ganso só não vai porque apareceu tarde demais. Tivesse surgido entre os profissionais um pouco mais cedo, até mesmo apenas uma ou duas convocatórias atrás, e teria recebido uma oportunidade. Dunga não é louco, e não é à toa que Paulo Henrique está na (absolutamente formal) "lista dos 30". Só não foi chamado porque Dunga não o conhece.

    Os 23 jogadores chamados, Doni inclusive (e olha que sou gremista), se colocados em campo, jogam, lutam, se entregam e não se abatem. Dunga já provou que sabe o que faz. A Seleção já demonstrou que pode vencer qualquer um, e que quer muito fazer isso na Copa. Não reconhecer isso, não que seja o seu caso (mas é o de muitos colegas seus), é leviandade.

    Abraço e desculpe-me o desabafo.

    ResponderExcluir