quarta-feira, 6 de maio de 2009

TORCIDA CASEIRA

Peço desculpas aos que gostam, respeito a todos, mas não consigo ver mais que três minutos desses jogos disputados no Exterior.

Não se trata de discriminação, ser do contra, nada disso. A razão é simples. Não tenho simpatia por nenhuma das agremiações lá de fora, não torço por ninguém. Então, não me atrai.

Hoje bem que tentei ver Chelsea x Barcelona, mas não aguentei. Gramado bonito, bons jogadores, organização perfeita, mas não me prende.

Gosto mesmo é do futebol doméstico. Gosto de times brasileiros envolvidos em quaisquer competições. O Brasileirão, séries A, B, C e D, por exemplo, acompanho com interesse.

Copa do Brasil é emocionante. Libertadores ( quando há brasileiros em campo ) eu assisto.

Não sou chegado a discutir futebol, por incrível que pareça, mas em se tratando de equipes e certames europeus, fujo de papos como o diabo foge da cruz. Aconteceu dia desses na cabine de Moisés Lucarelli, quando alguém queria saber algo sobre Manchester e Chelsea.

Passei a bola para o amigo Vagner Vilaron, pois não tinha qualquer informação sobre os clubes ingleses ao rapaz que indagava.

Me desculpem, mas estou sendo verdadeiro.

Sou muito caseiro nesse tema.

Gosto mesmo da bola que rola por aqui.

2 comentários:

  1. Alcides Drummond (OAV)6 de maio de 2009 15:43

    Prezado Jota
    Ia dar um tempo em minhas participações em seu blog. Afinal, vc não voltou mais ao meu...
    Todavia, fascinado pelo tema proposto, retorno a este espaço, ao qual só voltarei, mediante permuta. Não se trata de imposição, mas da satisfação minha e de muitos do OAV, pela sua participação por lá.
    Independentemente de qualquer coisa, seu link continuará à disposição de quem queira passear pelo seu excelente blog.

    Direto ao assunto, esse seu desinteresse pelo futebol do exterior, creia, é o mesmo meu e o da maioria dos brasileiros.
    Eu, particularmente, devoto um grande desprezo ao futebol europeu, não pelo futebol em sí, mas pela excessiva importância que lhe emprestam alguns coleguinhas seus (nossos) e alguns órgãos midiáticos.
    A minha antipatia refere-se à subserviência e a valoração submissa a um mero tótem, tratado como se fosse deus, o futebol europeu.
    Não sou torcedor do Internacional gaúcho, mas nada me deu tanto prazer quanto a suprema humilhação imposta pelo colorado ao time que a imprensa brasileira, à época, considerava o melhor do planeta e lhe emprestava "status" de imbatível, o Barcelona de Ronaldinho, Méssi, Etô, Deco e outros. O Inter deu um vareio de bola neles e trouxe o mundial de clubes para o Brasil.
    Apesar do baile imposto aos espanhóis a "banda subserviente da imprensa" não se contentou e, na maior cara-de-páu, continuou chamando o Barça de maior time do mundo. Aliás, chamam até hoje. Um espanto!
    Quando o SP derrotou o também "imbatível" Liverpool, também fiquei satisfeito, embora sem ser sãopaulino.
    O Palmeiras só não derrotou o "maior time do mundo" o Manchester United porque Marcos fez o favor de engolir o maior frango de sua carreira tornando o jogo à feição da retranca inglesa.
    Os exemplos são muitos, mas a crônica esportiva brasileira não se emenda mesmo! Continua tratando o futebol brasileiro, AINDA o melhor do mundo como um futebol de segunda classe e mero abastecedor do futebol europeu. Os números e a tradição provam que isso não é verdade, mas eles continuam batendo, teimosamente, nessa tecla, não se sabe porquê.
    As pessoas que têm visão plena da verdadeira arte do futebol sabem que somos superiores aos europeus, malgrado o êxodo interminável de nossos craques que atendem, muitas vezes a preço de banana às demandas do velho continente. Perceba que não dependemos deles, mas eles dependem de nós se quiserem espetáculos de melhor nível.
    A Seleção Brasileira é o corolário de tudo o que estamos dizendo.Formada,exclusivamente, por jogadores que militam no exterior, já não empolga, não motiva, não fascina. O povo brasileiro está rompido emocionalmente com a Seleção Canarinha.
    Nas semanas em que os campeonatos no Brasil são paralizados para dar espaço à seleção, o torcedor fica amuado, chateado, desmotivado porque ninguém quer ver a Seleção, mas, apenas, os seus clubes de coração.
    Não é só você, Jota, mas quase o Brasil inteiro que não se empolga pelo futebol do exterior. Se me fizerem qualquer indagação acerca de times ou jogadores alienígenas, eu terei de passar a pergunta para outra pessoa. Pena que eu não tenha ao meu lado um Vilaron, um Noriega ou um Rizek para me ajudar numa circunstância como essa.
    Aliás, quem sabe tudo mesmo do futebol do exterior é a turma da ESPN. E sabe por um simples detalhe:
    Os canais ESPN vivem DO futebol do exterior. Em razão disso ficam projetando imagens positivas do futebol em outros países, visando a criar uma primeira geração de fãs e admiradores com o fito de aumentar a audiência. É muito comum ver profissionais de lá proclamando com veemência que Manchester, Milan, Inter, Chelsea, Barça ou Real são os melhores times do planeta, como se estivessem realizando uma lavagem cerebral nos telespectadores brasileiros. Só que a realidade é outra: 90% ou mais dos brasileiros preferem o nosso futebol. Esteja convicto, Jota, de que nessa demanda você faz parte da regra geral, não das exceções!

    ResponderExcluir
  2. Alcides, estou passando diariamente em seu blog.
    Apenas que não tenho deixado comentários. Mas oportunamente deixarei, sim.
    Obrigado pelos posts inteligentes que normalmente você insere aqui neste espaço.
    Enriquecem fortemente o conteúdo do blog.
    Não deixe de participar.
    abraço
    jota

    ResponderExcluir